Sinopse

Jô Penteado já ficou noiva sete vezes sem ter entregue sua paixão a nenhum dos noivos, famosa por fazer deles gato e sapato, o que lhe confere o apelido de Barba Azul. Geniosa, mimada e sonâmbula, ela não se dá bem com a madrasta, a fútil Ester, e com a filha mais velha dela, a interesseira Gláucia, com quem vive às turras. Mas é amiga e confidente da filha caçula de Ester, a doce e romântica Lenita. O pai, o rico empresário Horácio Penteado, tenta por ordem na casa.

Jô convida um grupo de amigos para um passeio na lancha de seu pai com destino a Angra dos Reis. São eles: Lenita; o ex-namorado de Gláucia, o ator Tony Duarte, e seu amigo, Vitório; e o casal Gustavo e Tereza, amigos da família Penteado. Ao embarcar, eles descobrem que terão que dividir o barco com desconhecidos. Horácio emprestou a embarcação para uma excursão escolar promovida pelo pacato professor Fábio Coutinho, que leva com ele a noiva, a temperamental Paula, mais seis alunos, todos crianças. A lancha é conduzida por Ernani, funcionário de Horácio e amigo de Fábio.

Uma pane nos motores faz com que a embarcação desvie de sua rota e acabe parando numa ilha desconhecida e distante. Dados como mortos, os viajantes passam alguns meses perdidos. Mas a convivência é difícil porque Jô e Fábio antipatizam à primeira vista. Descobertos por dois pescadores, os náufragos são resgatados. A vida de todos esses personagens acaba transformada depois desse tempo juntos. Jô descobre-se loucamente apaixonada por Fábio, apesar dele detestá-la, ainda mais quando ela começa a sabotar seu casamento com Paula.

Paula, por sua vez, passa a sentir-se atraída por Tony, que apaixonou-se por ela na ilha. Tereza descobriu-se grávida, enfurecendo a filha única, a adolescente Babi, garota problemática que não aceita a ideia de ter um irmãozinho. Vitório, garçom numa pizzaria, mente para a família Penteado se passando por conde italiano, o que desperta o interesse de Gláucia. Tudo era uma farsa arquitetada por Tony para vingar-se de Horácio, que não aceitou seu namoro com Gláucia por ele ser pobre. E Lenita e Ernani se apaixonam, mas ele esconde a chave do mistério do naufrágio: forçou a pane no barco e o desvio da rota para fugir com uma quantia em dinheiro que havia tomado emprestada de um agiota.

O foco é o casal Jô e Fábio que passam a viver, feito cão e gato, um tumultuado romance que percorre toda a trama.

Tupi – 19h
de 1º de julho de 1974
a 15 de fevereiro de 1975
196 capítulos

novela de Ivani Ribeiro
direção de Henrique Martins e Antônio de Moura Mattos

Novela anterior no horário
As Divinhas… e Maravilhosas

Novela posterior
Meu Rico Português

EVA WILMA – Jô Penteado (Joana Penteado)
CARLOS ZARA – Professor Fábio Coutinho
NEWTON PRADO – Horácio Penteado
LIA DE AGUIAR – Ester
JUSSARA FREIRE – Gláucia
EDNEY GIOVENAZZI – Vitório Galhardi (Conde de Parma)
NELSON CARUSO – Tony Duarte / falso Braguinha
EDGARD FRANCO – Maurício Moraes
KATE HANSEN – Paula
LUIZ CARLOS DE MORAES – Gustavo Penaforte
ELIZABETH HARTMANN – Tereza Penaforte
NÁDIA LIPPI – Babi (Beatriz Penaforte)
PAULO FIGUEIREDO – Zé Mário / Braguinha (José Mário Braga)
WANDA STEFÂNIA – Ivete
CARLOS NUNES – Ernani
ANALU GRACI – Lenita
IVAN MESQUITA – Oscar da Silva
YOLANDA CARDOSO – Ceição (Maria da Conceição da Silva)
PAULO PADILHA – Martim
CARMINHA BRANDÃO – Ofélia
GERALDO DEL REY – Rafael Benavente
LEONOR NAVARRO – Dona Sinhá
JOÃO SIGNORELLI – Tito
CARMEM MARINHO – Graziela
RACHEL MARTINS – Zazá
ARNALDO WEISS – Vicente
LÉA CAMARGO – Doralice
NORAH FONTES – Televina
WILMA AGUIAR – Olga
ALDO CÉSAR – Padre Aurélio
as crianças
DOUGLAS MAZZOLA – Cuca
ANA LUIZA LANCASTER – Adriana
DIMITRI ORRICO – Xande
SUZY CAMACHO – Sueli
HAROLDO BOTTA – Nanato
JOÃO LUIZ – Cecéu
JANICE BARRETO – Verinha
e
CUBEROS NETO
GENY PRADO
JOSÉ COUTINHO
JOSÉ PARISI JÚNIOR – Mauro (amigo de Tito que vendia as jóias que ele roubava)
MÁRCIA RITA HURI
MUÍBO CÉSAR CURY
RILDO GONÇALVES
SILVIO FRANCISCO – Zé Bento (um dos pescadores que descobre os náufragos, rouba o dinheiro da ilha)
TYHANA PERCKLE
ZÉLUIZ PINHO – Benjamin (um dos pescadores que descobre os náufragos, avisa as autoridades sobre eles)

– núcleo de JÔ PENTEADO (Eva Wilma), bonita, rica, mimada e sonâmbula. Não consegue encontrar seu grande amor, apesar de já ter ficado noiva sete vezes, o que lhe confere o apelido de “Barba Azul”:
o pai HORÁCIO PENTEADO (Newton Prado), rico empresário
a madrasta ESTER (Lia de Aguiar), fútil, com quem entrava em constante atrito. No final, ficam amigas
as filhas de Ester: GLÁUCIA (Jussara Freire), invejosa, vivem brigando,
e LENITA (Analu Graci), sua amiga e confidente.

– núcleo do professor FÁBIO COUTINHO (Carlos Zara), viúvo, compenetrado, responsável e regrado. Ele e Jô antipatizam no início, por causa dos temperamentos opostos. Mas acabam apaixonados, vivendo um romance tumultuado:
os filhos pequenos CUCA (Douglas Mazzola) e ADRIANA (Ana Luiza Lancaster)
a empregada e babá ZAZÁ (Rachel Martins), dedicada ao patrão e às crianças.

– núcleo de PAULA (Kate Hansen), noiva de Fábio no início. Temperamental, vive em conflito com Jô, principalmente quando ela disputa seu noivo. Os filhos de Fábio antipatizam com ela e preferem Jô:
os pais MARTIM (Paulo Padilha), homem calmo e paciente, e OFÉLIA (Carminha Brandão), megera e interesseira, sempre exige demais dos filhos e do marido
os irmãos menores SUELI (Suzy Camacho) e XANDE (Dimitri Orrico), alunos do professor Fábio.

– núcleo de VITÓRIO GALHARDI (Edney Giovenazzi), que se fazia passar pelo CONDE DE PARMA para impressionar Gláucia, com quem namorava. Na verdade era garçom numa cantina italiana:
o primo ZÉ MÁRIO, conhecido também como BRAGUINHA (Paulo Figueiredo), com quem foi morar, funcionário no escritório de Horácio
os amigos, atores de televisão, TONY DUARTE (Nelson Caruso), o ajuda a montar a farsa do conde para a família Penteado, como uma vingança pessoal contra Horário que não permitiu seu namoro com Gláucia,
e MAURÍCIO MORAES (Edgard Franco), apaixona-se por Paula, fica rico ao ganhar na loteria e acaba conquistando-a, quando a relação dela com Fábio vai por água abaixo por causa de Jô.

– núcleo de RAFAEL BENAVENTE (Geraldo Del Rey), ator de teatro que tem preconceito com a televisão. Um dos sete ex-noivos de Jô. Tony dividia o apartamento consigo no início. Gláucia, com quem chegou a namorar, o trocou por Vitório por acreditar que ele era um conde. Desconfia do suposto conde, por isso o investiga:
a empregada TELEVINA (Norah Fontes), despachada e falante, aficionada por televisão
a sobrinha de Televina, DORALICE (Léa Camargo), atriz de televisão, apaixona-se por ele, que a ignora. Vai morar em seu apartamento quando Tony deixa vago um quarto.

– núcleo de BABI (Nádia Lippi), garota de personalidade forte e rebelde, mas romântica. Não se entende com os pais porque eles vivem discutindo e porque eles não aceitam seu namorado. Conhece Zé Mário confundindo-o com um cego e ele mantem a farsa, enganando-a ao apresentar-se como Braguinha. Compadecida com a sua suposta cegueira, ela começa a ler para ele, sem desconfiar de nada. Por fim, os dois acabam apaixonados, até que ele é desmascarado, o que abala essa relação:
os pais GUSTAVO (Luiz Carlos de Moraes), e TEREZA (Elizabeth Hartmann), formam um casal divertido que vive brigando. Ela fica grávida e obriga o marido a saciar seus desejos gastronômicos mais esdrúxulos. Tetê dá a luz a um casal de gêmeos
a avó DONA SINHÁ (Leonor Navarro), mãe de Tetê, paciente com Babi e os pais dela
a empregada OLGA (Wilma Aguiar), ajuda Dona Sinhá a unir Babi e Zé Mário. Mais tarde vai trabalhar no apartamento de Fábio quando Zazá sai de cena
o namorado TITO (João Signorelli), rapaz de caráter duvidoso. Descobre-se que furtava pequenos objetos de valor para revender
a mãe de Tito, GRAZIELA (Carmem Marinho), tenta defender o filho.

– núcleo ERNANI (Carlos Nunes), rapaz pobre e endividado. Funcionário de Horácio, toma conta de seus barcos na marina. Sabota a lancha do patrão durante uma excursão, o que acaba por deixar vários personagens perdidos numa ilha. Ele pretendia fugir com uma quantia em dinheiro para pagar uma dívida. Apaixona-se por Lenita, apesar de Horário ser contra o namoro por ele ser pobre. Os dois se casam, mas o casamento entra em crise por causa de seu machismo: ele não aceita que a mulher trabalhe fora:
os tios com quem morava, CEIÇÃO (Yolanda Cardoso), mulher trabalhadora e honesta, e OSCAR (Ivan Mesquita), um vagabundo que não queria trabalhar e enganava a mulher e os filhos se fingindo de doente para vadiar na rua. Após ser descoberto, a mulher lhe dá uma surra e o obriga a trabalhar, arrumando os mais variados serviços, dos quais ele sempre acaba demitido
os primos IVETE (Wanda Stefânia), professora, amiga de Jô, apaixonada por ele, revoltada e amarga no início, por ele não se interessar por ela. Com o tempo, esquece Ernani, tona-se mais dócil e acaba sendo alvo da paixão de Vitório,
e o garoto NANATO (Haroldo Botta), aluno do professor Fábio.

– núcleo do viúvo VICENTE (Arnaldo Weiss), vizinho de Fábio, Paula e Ivete, dono de uma banca de jornais e revistas. Homem sovina e solitário:
os filhos pequenos CECÉU (João Luiz) e VERINHA (Janice Barreto), alunos do professor Fábio.

– O Clube dos Curumins:
XANDE (Dimitri Orrico) e sua irmã SUELI (Suzy Camacho)
CUCA (Douglas Mazzola) e sua irmã ADRIANA (Ana Luiza Lancaster)
CECÉU (João Luiz) e sua irmã VERINHA (Janice Barreto)
e NANATO (Haroldo Botta).

Comédia romântica que caiu no gosto do público, este foi mais um sucesso de Ivani Ribeiro para a TV Tupi.

A Barba Azul tinha um atrativo extra: mostrava cenas verídicas de amor do casal Eva Wilma e Carlos Zara, que oficializaram sua união durante a exibição da novela.

Em 1985, A Barba Azul ganhou um remake na Globo, mas com outro título: A Gata Comeu, repetindo o sucesso da novela original. Christiane Torloni e Nuno Leal Maia viveram Jô e Fábio, personagens de Vivinha e Zara na Tupi.

A “barba azul” do título era o apelido de Jô Penteado, famosa por ter ficado noiva várias vezes sem nunca ter se casado. No remake da Globo, o apelido foi mudado para Lucrécia Bórgia.

Na concepção da personagem Jô Penteado – que sofria de um bloqueio emocional -, a autora recorreu à assessoria do psiquiatra Paulo Gaudêncio, com quem já havia trabalhado na novela Os Inocentes.
Já o sonambulismo de Jô foi abordado com base em pesquisa e conversas com médicos neurologistas. Carolline Rodrigues em “Ivani Ribeiro, a Dama das Emoções”

Destaque para o elenco infanto-juvenil – o Clube dos Curumins da história – formado, entre outros, por Haroldo Botta, Douglas Mazzola e Suzy Camacho, que deram continuidade às suas carreiras na televisão. Foi a estreia na Tupi de Suzy Camacho (com 13 anos na época).

Ivani Ribeiro criou A Barba Azul enquanto trabalhava na novela das oito da época, Os Inocentes, cujos capítulos eram roteirizados por seu marido, Dárcio Ferreira, sob sua supervisão. Assim, com a estreia de A Barba Azul, a Tupi exibiu simultaneamente, por dois meses (julho e agosto), duas novelas da autora: Os Inocentes às 20h e A Barba Azul às 19h.

A atriz Carminha Brandão atuava em Os Inocentes quando deixou a atração para participar de A Barba Azul, onde viveu a personagem Ofélia. Enquanto iam ao ar os primeiros capítulos de A Barba Azul, Carminha ainda aparecia em Os Inocentes, nas últimas gravações que ela fez para a novela nesse período. Perto do final de Os Inocentes, a atriz retornou à novela das oito para gravar uma última participação. Novamente a atriz pôde ser vista simultaneamente na novela das sete e na novela das oito da Tupi.

Durante A Barba Azul, o ator Nelson Caruso (que interpretava o personagem Tony Duarte, um ator) deixou a produção porque foi contratado pela Globo, mudando-se para o Rio de Janeiro. A situação foi reproduzida em A Barba Azul: Tony Duarte, que na história da novela trabalhava para a TV Tupi, saiu de cena porque aceitou a proposta de “uma emissora carioca”.
Ivani Ribeiro criou então um novo personagem, Maurício Moraes (interpretado por Edgard Franco), o novo ator que substituiu Tony e deu prosseguimento à sua trama até o final.
No remake da Globo – A Gata Comeu, em 1985 – a autora pôde enfim levar adiante o personagem Tony Duarte (agora Roberto Pirilo), que permaneceu durante toda a trama, o que eliminou a necessidade do substituto, Mauricio Moraes.

A atriz Rachel Martins, que vivia na história a empregada e babá Zazá, faleceu durante a novela. Mas não foi substituída. Suas vezes foram feitas por outra empregada: Olga (Wilma Aguiar).

Até meados dos anos 70, as emissoras de TV não tinham uma rede nacional integrada. Assim, havia um atraso de dias na apresentação dos capítulos de novelas entre diferentes praças. Entre o Rio de Janeiro e São Paulo, por exemplo, havia uma diferença de um ou dois dias na exibição de capítulos de novelas da Globo: o capítulo exibido em São Paulo já havia passado no Rio.
A Tupi foi a primeira emissora a uniformizar sua programação em rede nacional, a partir de 01/07/1974, com a estreia de A Barba Azul.

A partir de seu centésimo capítulo, A Barba Azul passou a ser a primeira novela em cores do horário das sete da noite da Tupi, unindo-se às produções das demais faixas: Os Inocentes, às 20h, e O Machão, às 20h30. (Revista Amiga, TV Pesquisa PUC-Rio)

A novela exibiu cenas em alto-mar, personagens perdidos em uma ilha e o resgate deles, o que deu muito trabalho para a produção, direção e elenco. De acordo com Carolline Rodrigues no livro “Ivani Ribeiro, a Dama das Emoções”:
Para a gravação do acidente em alto-mar, entre Santos e o Guarujá, Carlos Zara, também diretor da novela, usou uma balsa cedida pelo governo do estado de São Paulo. Mas poucas cenas puderam ser realizadas porque a maioria da equipe enjoou durante a viagem, principalmente o elenco infantil. Na segunda tentativa, o diretor tentou um barco maior, só que as crianças acabaram dormindo por causa de um remédio para não enjoar. Na terceira tentativa, Zara conseguiu uma autorização para gravar na praia militar do Forte dos Andradas, no Guarujá, onde foi ancorado um barco para enfim fazer as gravações que simularam o alto-mar. Seguiram-se as cenas com os náufragos perdidos, realizadas ao longo de 40 dias. Para gravar a operação-resgate dos personagens, a Força Aérea Brasileira (FAB) disponibilizou dois helicópteros e seus comandantes.

Ao final, Carlos Zara fez um balanço da novela, contabilizando os dados:
“Os gastos mantiveram-se na média, atingindo a cifra de 70 mil cruzeiros mensais, excluindo-se o pagamento do elenco, que somou 40 atores contratados e cerca de 130 a 150 figurantes. Além dos 82 cenários de estúdio, aproximadamente 25 locais entre Guarujá e São Paulo foram utilizados nas gravações, que começaram no dia 13 de maio de 1974, com cenas no litoral paulista. Os 196 capítulos que totalizaram a novela foram gravados numa média semanal de 36 horas de trabalho, reservados dois dias para as externas.” (Revista Amiga, TV Pesquisa PUC-Rio)

Trilha Sonora

barbat
01. DON’T LET ME CRY – Mark Davis (tema de Jô e Fábio)
02. SEMPRE – Willis (tema de Fábio)
03. PAPILLON – Il Guardiano Del Faro (tema de Horácio)
04. CAMINHO DA PAZ – Edu França (tema de Tony)
05. IF YOU LET ME GO – Jeffrey (tema de Lenita)
06. POR QUE TUDO COMEÇOU? – Mariney (tema de Ester)
07. TEMA DE ABERTURA – César Mariano
08. QUARTO FECHADO – Ronnie Von (tema de Jô)
09. SHADOWS – Demis Roussos (tema de Gláucia)
10. PROCURO POR VOCÊ (YOURS UNTIL TOMORROW) – Tony (tema de Babi)
11. MISS MIRIAN SAID NO – Mr. Charlie (tema de Ofélia)
12. SÓ NÓS DOIS – Bruno Paulli (tema de Tereza e Gustavo)
13. TEMA DE JÔ – César Mariano

Veja também

  • nossafilhagabriela_foto

Nossa Filha Gabriela

  • mulheresdeareia73_logo

Mulheres de Areia (1973)

  • inocentes_logo

Os Inocentes

  • viagem75_logo

A Viagem (1975)

  • gatacomeu

A Gata Comeu