Sinopse

A trama se desenrola no México, no século 19, durante o período em que Napoleão III interveio no país, e conta o drama de Carlota, mulher do imperador Maximiliano.

Por conta de uma tempestade, Maximiliano e Carlota são obrigados a interromper sua viagem ao Castelo de Chapultepec, na Cidade do México, pernoitando na fazenda de Fernando Moreno, pai do comandante Eduardo Moreno, que conduz a escolta imperial. Também faz parte da comitiva Xavier de Montenegro, oficial de campo do imperador, com quem Carlota mantém uma relação.

Na fazenda, Maximiliano e sua esposa são apresentados ao conde Demétrio. O homem, conhecido por suas predições, logo desperta a curiosidade do casal, e a imperatriz insiste para que ele revele uma de suas profecias. Carlota fica aterrorizada quando o feiticeiro prevê o fuzilamento do imperador. E, temendo pela vida do marido, exige que o conde seja detido. Sem motivos que justifiquem sua prisão, Maximiliano promete à mulher mantê-lo sob vigilância até que cometa um erro. Lorenza, mulher do conde Demétrio, acaba denunciando-o como membro da Confraria dos Punhais de Fogo, uma perigosa quadrilha de malfeitores.

No decorrer da história, Carlota pede a Maximiliano que renuncie à Coroa, temendo a profecia, mas ele se recusa. A imperatriz acaba enlouquecendo ao perceber que não consegue intervir nas atitudes e decisões do marido.

Globo – 21h30
de 20 de fevereiro a 16 de dezembro de 1967
215 capítulos

novela de Glória Magadan
baseada no romance Memórias de um Médico de Alexandre Dumas
direção de Ziembinski e Daniel Filho

Novela anterior no horário
O Sheik de Agadir

Novela posterior
O Homem Proibido

NATHÁLIA TIMBERG – Carlota / Aurora
RUBENS DE FALCO – Maximiliano
AMILTON FERNANDES – Xavier Montenegro
CLÁUDIO MARZO – Robledo
THERESA AMAYO – Maria de Las Mercês
PAULO GRACINDO – Conde Demétrius
LEILA DINIZ – Lorenza
ZILKA SALABERRY – Marquesa
JAIME BARCELOS – Fernando Moreno
PAULO ARAÚJO – Eduardo Moreno
ZIEMBINSKI – Coronel Pablo Gianico
PAULO ARAÚJO – Barão de St. Geneviève
GRACINDO JÚNIOR – Bordon
CARLOS EDUARDO DOLABELLA – Don Juan
JOSÉ AUGUSTO BRANCO – General Cury
NILDO PARENTE – Duque de Versailles
KARIN RODRIGUES – Duquesa de Versailles
IDA GOMES – Astrid
ADRIANA PRIETO – Joana
CELSO MARQUES – Hector
DIANA MOREL – Rosário
LEINA KRESPI – Madaleine
PAULO PADILHA – mordomo do rei
CLÉA SIMÕES – Ximena
WÁLTER MATTESCO – Urbano
ANA ARIEL – Joaquina
ARMANDO COUTO
ÍTALO ROSSI
SEBASTIÃO VASCONCELOS
SUZY ARRUDA

Outro dramalhão importado do México com produção mastodôntica. Ismael Fernandes em “Memória da Telenovela Brasileira”.

Primeira novela com cenas gravadas no exterior. O diretor Ziembinski seguiu para o México com um grupo de atores com o objetivo de obter imagens que dessem maior veracidade à trama. Teve cenas no Castelo de Chapultepec, na Cidade do México. As imagens externas foram complementadas no Parque Lage, no Rio de Janeiro. Site Memória Globo.

Por sugestão de José Bonifácio de Oliveira Sobrinho (o Boni), a história, originalmente ambientada no século 18, foi transposta para o século 19, o que obrigou a autora a fazer algumas alterações na trama. Na versão original, o imperador Maximiliano era o Rei Luís XVI da França, e Carlota era Maria Antonieta. No fim, A Rainha Louca pouco teve a ver com a obra na qual a novela foi inicialmente baseada, Memórias de um Médico, de Alexandre Dumas.

O título da novela é atribuído a Borjalo (Mauro Borja Lopes, diretor da Globo à época). Questionado sobre qual nome dar a essa novela sobre uma rainha louca, ele não teve dúvida: A Rainha Louca!, respondeu.

Primeiro trabalho de direção de Daniel Filho na TV Globo. Sobre o fato, ele menciona em seu livro “O Circo Eletrônico”:
“(…) Boni me chamou e perguntou:
– Daniel, você está assistindo a essa nova novela, A Rainha Louca?
– Claro que não Boni.
– Por que?
– Acho essa coisa de novela chata, inverosímel, absurda. Não entendo como alguém pode ficar sentado, assistindo diariamente àquela porcaria…
– Eu quero que você a dirija.
– Que coisa, Boni, logo eu!
– Você gosta tanto de cinema, fala tanto, conhece tanto. Então… Você bota essas coisas todas de cinema aí na novela, dá uma mexida…’.
E lá fui eu dirigir A Rainha Louca, a primeira das inúmeras novelas que viria a dirigir na TV Globo.”

Quando Daniel Filho assumiu a direção da novela, substituindo Ziembinski, fez com que a atriz Nathalia Timberg interpretasse um segundo papel, o de uma criada perversa, e as duas personagens dialogavam entre si.
Com a mudança na direção, as cenas também ganharam mais ritmo, além de uma estética cinematográfica. Daniel conta que passou a marcar com mais verossimilhança as lutas de espada, além de introduzir alguns elementos característicos dos filmes “B”. Site Memória Globo.

O destaque desta novela foi a interpretação de Paulo Gracindo (em sua estreia na Globo), como o Conde Demétrios, uma espécie de Drácula, com todo o seu mistério e fascínio, que conseguiu permanecer na trama apesar de alguns problemas com a autora.
Este acontecimento foi relembrado por Gracindo em entrevista à revista Cartaz – Especial Nº8, em 1973:
“Demetrios, no começo, tinha uma enorme importância na novela inventada pela senhora Magadan. Ele era um vilão terrível porque possuía poderes sobrenaturais. Subjugava as pessoas com seus olhos hipnóticos. Mas, infelizmente, a autora cismou que eu estava dando uma linha errada. Ela queria que eu fizesse caretas hediondas e retorcesse bigodes. Eu me recusei a esse papel ridículo e insisti na linha que achava certa.”

Segundo Rubens de Falco, no livro “Rubens de Falco – Um Internacional Ator Brasileiro”, o romance entre Carlota (Nathalia Timberg) e o oficial Xavier de Montenegro (Amilton Fernandes) deveria conduzir a trama. Mas a falta de química entre os atores – que interpretaram mãe e filho no sucesso O Direito de Nascer, da TV Tupi (entre 1965 e 1966), – fez com que a relação da imperatriz com seu marido Maximiliano ganhasse mais destaque. Site Memória Globo.

Além de Daniel Filho (como diretor) e Paulo Gracindo (ator), essa foi também a primeira novela na TV Globo das atrizes Zilka Salaberry e Ida Gomes.

Compacto Lyrio Panicali e Orquestra
também com o tema musical de A Sombra de Rebeca
rainhaloucat
A RAINHA LOUCA
A SOMBRA DE REBECA

LP Panicali e as Novelas
com temas musicais de várias novelas
panicalit
01. PONTE DOS SUSPIROS – Lyrio Panicali
02. A ÚLTIMA VALSA – Lyrio Panicali
03. A GRANDE MENTIRA – Lyrio Panicali
04. A GATA DE VISON – Lyrio Panicali
05. O HOMEM PROIBIDO – Lyrio Panicali (tema de Demian)
06. TEMA DE AMOR EM FORMA DE PRELÚDIUO – Manuel Marques (da novela Antônio Maria)
07. A RAINHA LOUCA – Lyrio Panicali
08. O PASSO DOS VENTOS – Lyrio Panicali
09. CABANA DO PAI TOMÁS – Lyrio Panicali
10. A ROSA REBELDE – Lyrio Panicali
11. A SOMBRA DE REBECA – Lyrio Panicali
12. UM DIA SABERÁS (SOMEDAY YOU´LL KNOW) – Erlon Chaves (da novela O Sheik de Agadir)
13. SANGUE E AREIA – Lyrio Panicali
14. MAGIA – Lyrio Panicali e Raymundo Lopes

Veja também

  • eucomproessamulher_foto

Eu Compro Esta Mulher

  • sheikdeagadir_logo

O Sheik de Agadir

  • sombraderebeca_anuncio

A Sombra de Rebeca