Sinopse

Único herdeiro de uma grande fortuna, Paco é um botânico dedicado à profissão, que leva, por opção, uma vida pacata renegando a fortuna do pai, Afonso Lambertini, homem que construiu um império colocando sua ambição à frente de tudo. Afonso tenta de toda forma se aproximar do filho, seu único parente, mas Paco o despreza. O rapaz é a antítese dele. Ético, justo, humilde e generoso, não suporta as ideias do pai. Mesmo sabendo que o filho o rejeita, Afonso se humilha e acaba por admirar o filho por ele desdenhar o seu dinheiro. O único meio de Afonso monitorar Paco é por meio de Bárbara, noiva ambiciosa do rapaz.

Os destinos de Paco e Preta se cruzam no Maranhão, quando o botânico viaja a São Luís para fazer uma pesquisa sobre ervas medicinais. Ele se encanta com aquela linda mulher na roda do tambor de crioula. Apaixonado, Paco retorna ao Rio disposto a acabar seu relacionamento com Bárbara e recomeçar uma vida ao lado de Preta. Bárbara é uma jovem gananciosa cujo único objetivo na vida é ser rica. Desde a adolescência, quando começou a namorar Paco, planejava casar-se com o milionário para compartilhar de sua fortuna. Mas ela ama outro homem, Kaike, um fotógrafo com quem mantém um caso há anos.

Mesmo namorando Bárbara há muito tempo, Paco nunca foi apaixonado por ela. Nem por ninguém. Talvez por isso nunca tenha desconfiado do caráter da noiva, que sempre lhe pareceu fiel e companheira. Resolvido a terminar o compromisso e seguir para o Maranhão para viver com Preta, Paco leva um susto ao tentar revelar à noiva sua decisão: Bárbara diz que está grávida – o filho na verdade é de Kaike. Desnorteado, Paco inventa que tem de voltar ao Maranhão. Surpresa com a partida do noivo, Bárbara decide investigá-lo no Nordeste. Lá, descobre seu romance com Preta e fará de tudo para separar o casal.

Paco Lambertini e Apolo Sardinha apresentam uma inexplicável semelhança física e uma grande diferença de personalidade. Paco é introvertido e cheio de grilos existenciais, Apolo é cuca fresca e desinibido. Paco cresceu sozinho numa mansão luxuosa, Apolo teve quatro irmãos com os quais aprendeu a dividir o pouco que a família tinha. A família Sardinha é comandada pela viúva Edilásia, que criou sozinha os cinco filhos: Apolo, Ulisses, Thor, Dionísio e Abelardo. Eles são respeitados por seu estilo peculiar de luta, criado e desenvolvido pelos antepassados do patriarca dos Sardinha, um reverenciado campeão.

Todo empenho de Edilásia na criação da prole é para torná-los grandes lutadores, seguindo o legado de seu falecido marido. Nem que para isso sejam necessárias horas de exercícios diários, alimentação natural e o uso de uma sopa mágica que proporciona uma super força e cuja receita é guardada a sete chaves pela matriarca. Mas Edilásia esconde um segredo que explica a semelhança física entre Paco e Apolo: os dois são irmãos gêmeos, filhos seus e de Afonso, que ficou com uma criança e obrigou Edilásia a sumir com o outro filho.

O destino dos rapazes irá se cruzar no meio de duas tragédias. Cada um, vítima de um acidente, é dado como morto. Até que Paco, encontrado pela família Sardinha, toma o lugar de Apolo, enquanto os Lambertini choram sua morte.

Globo – 19h
de 26 de janeiro a 28 de agosto de 2004
185 capítulos

novela de João Emanuel Carneiro
escrita por Ângela Carneiro, Vincent Villari e Vinícius Vianna
supervisão de texto de Silvio de Abreu
direção de Maria de Médicis e Paulo Silvestrini
direção geral de Denise Saraceni e Luiz Henrique Rios
núcleo Denise Saraceni

Novela anterior no horário
Kubanacan

Novela posterior
Começar de Novo

TAÍS ARAÚJO – Preta
REYNALDO GIANECCHINI – Paco / Apolo
GIOVANNA ANTONELLI – Bárbara
LIMA DUARTE – Afonso Lambertini
ROSI CAMPOS – Edilásia Sardinha (Mamuska)
ARACY BALABANIAN – Germana
GUILHERME WEBER – Tony
TUCA ANDRADA – Kaíke
NEY LATORRACA – Eduardo
MAITÊ PROENÇA – Verinha
GRAZIELA MORETTO – Beki (Valfrida)
MATHEUS NACHTERGAELE – Helinho
VANESSA GERBELLI – Tancinha
LEONARDO BRÍCIO – Ulisses
CAIO BLAT – Abelardo
CAUÃ REYMOND – Thor
PEDRO NESCHLING – Dionísio
KARINA BACCHI – Tina
SIDNEY MAGAL – Frazão
ROCCO PITANGA – Felipe
ALINNE MORAES – Moa
THIAGO MARTINS – Sal
FRANCISCO CUOCO – Pai Gaudêncio
ARLINDO LOPES – Cezinha
LILIANA CASTRO – Olívia
IVONE HOFFMAN – Marina
MARILU BUENO – Stela
JORGE COUTINHO – Ítalo
MARIA ROSA – Laura
GIORDANA FORTE – Kika (Walkíria)
MÔNICA TORRES – Nívea
VICTOR PERALES – Brad (Brasilino)
NICOLAS TREVIJANO – Solano
PLÍNIO SOARES – Edgar
MAURÍCIO LUDEWIG – Silva
FLÁVIA BONATO – Dalva
GABRIELA DE CICCO – Eva
DANIEL ERTHAL – Pedra
ROMULO ESTRELA – Minotauro
os meninos
SÉRGIO MALHEIROS – Raí
FELIPE LATGÉ – Otávio
e
ADA CHASELIOV – Solange (governanta que substitui Germana)
ADALBERTO NUNES – pai-de-santo
ADRIANA DE BROUX – Clarisse (mulher do Borja)
ALBERTO BRIGADEIRO – inspetor Malta
ALEXANDRE PICARELLI – vigarista que participa da festa com Eduardo, Verinha e Beki
AMILTON MONTEIRO – Dr. Laerte (advogado de Paco)
ANDRÉ BICUDO – Grama (amigo de Paco e Felipe)
BERNARDO CASTRO ALVES – Neco
BERTA LORAN – Dinorá
CARMEM FRENZEL – empregada que Verinha tomou emprestada
CAROLINA DIECKMANN – Júlia (bióloga que trabalhava no projeto Tamar, de proteção às tartarugas-marinhas)
CARVALHINHO – Silveirinha
CÁSIO PANDOLFI – dono de um mercado
CASTRO GONZAGA – padre
CLÁUDIA OHANA – Zuleide
CLÁUDIO CAPARICA – vigarista que participa da festa com Eduardo, Verinha e Beki
DARTAGNAN JÚNIOR – Luis
DAVID CARDOSO – Pimenta (diretor do filme de Abelardo)
DAVID HERMAN – Dr. Kruger
DIEGO CRISTO – Wolney Pavão
DIRCE MIGLIACCIO – Zazi
EDMILSON BARROS – Joba
ELIANE COSTA – Marizete
FÁBIO LAGO – sem-teto
FAUSTO MAULLE – Jamil
FERNANDA PAES LEME – Nieta Bazarov
FERNANDA PONTES – Pit-Cachorra (fã de Abelardo)
FLÁVIA ALESSANDRA – Lena
FRANCISCA QUEIRÓZ – Carla
GIOVANI DI TONI – Odete
GIUSEPPE ORISTÂNIO – Sérgio (pai de Moa)
GLÓRIA MENEZES – Kiki
GUSTAVO RODRIGUES – Dr. Júlio Malheiros (médico de Moa)
HUGO GROSS – apresentador de luta
IARA JAMRA – Margarida
IDA GOMES – Tia Heloísa
IRACEMA STARLING – Carmem
JACQUELINE LAURENCE – viúva do Almeidinha, que Verinha tenta extorquir
JAMIL HAMDAN – Napoleão Sardinha
JANDIR FERRARI – Carvalho
JEAN PAUL – vigarista que participa da festa com Eduardo, Verinha e Beki
JONATHAN HAAGENSEN – Dodô
JOSÉ MAURÍCIO MACHLINE – Francisquinho
KADU MOLITERNO – locutor do torneio de surfe
LAFAYETTE GALVÃO – Pai Serafim
LEANDRO OLIVA – Wanderley
LEONA CAVALLI – Edilásia (jovem)
LUCCI FERREIRA – Roque
LUCIANA VENDRAMINI – Gracielle
LUIZ NICOLAU – Jibóia (presidiário amigo de Kaíke)
MARA MANZAN – cliente de Pai Helinho
MARCELO FERREIRA – Ricardo
MARIA POMPEU – Dona Dinah
MÁRIO SCHOEMBERGER – Borja
MICAELA GÓES – Germana (jovem)
MILHEM CORTÁZ – Ladrão
MURILO ELBAS – médico do sanatório
MURILO GROSSI – advogado de Toni
NATÁLIA LAGE – Roxane
NECO VILA LOBOS – Afonso (jovem)
OCTÁVIO MENDES – Conde
PAULA BULAMARQUI – cliente de Pai Helinho
PAULA DE PAULA – recepcionista da empresa Lambertini
PAULO FIGUEIREDO – Dr. Heriberto
PAULO GIARDINI – Vilhena
PAULO JÚNIOR – assaltante
RAYMUNDO DE SOUZA – Delegado
RICARDO MARTINS – Vinícius
RICARDO PAVÃO – Seu Nonato (fundidor de ouro)
RICARDO RATHSAM – Evaristo
RITA GUEDES – Mariana
RODRIGO HILBERT – Roberval
ROGER GOBETH – Beto
SAMARA FELIPPO – Greta Bazarov
SAMUEL VIEIRA – Íris
SANDRO CHRISTOPHER – Strombolli
SÉRGIO GUIZÉ – Guilherme (estilista namorado de Moa)
SÉRGIO LOROZA – Tonhão
SÉRGIO MAMBERTI – Desembargador
SOLANGE COUTO – Lita
TAMARA DE CASTRO RIBEIRO – Luísa (namorada de Raí)
TARCIANA SAAD – Natasha Bazarov
TATIANA MUNIZ – intelectual apaixonada por Thor
THAÍS GARAYP – parteira de Preta
TUNA DWEK – bancária suíça
VANESSA PASCALE – Paula (namorada de Felipe)
YAÇANÃ MARTINS – Yolanda (cliente de Pai Helinho)

– núcleo de PRETA (Taís Araújo), jovem maranhense que vai ao Rio apresentar seu filho à família do pai dele, que ela julga morto:
o filho RAÍ (Sérgio Malheiros)
a mãe LITA (Solange Couto), que morre no início da trama
o ex-namorado DODÔ (Jonathan Haagensen), que a persegue.

– núcleo de PACO (Reynaldo Gianecchini), jovem botânico que em visita ao Maranhão se apaixona por Preta. Vítima de um acidente aéreo, é dado como morto:
o pai AFONSO LAMBERTINI (Lima Duarte), empresário que tenta se aproximar do filho apesar da rejeição dele. Após ter acreditado que ele morreu, desenvolve uma relação carinhosa com o suposto neto, Raí
a governanta GERMANA (Aracy Balabanian), amiga e uma verdadeira mãe para Paco
a secretária na empresa STELA (Marilu Bueno)
a empregada EVA.

– núcleo de BÁRBARA (Giovanna Antonelli), namora Paco mas só está com ele por causa de sua fortuna:
o filho OTÁVIO (Felipe Latgé), que ela diz ser de Paco. Menino triste, que sofre com os maus tratos da mãe
os pais EDUARDO (Ney Latorraca) e VERINHA (Maitê Proença), dois trambiqueiros
a parceira de tramóias de Eduardo e Verinha, BEKI (Graziela Moretto)
a babá de Otávio, DALVA (Flávia Bonato).

– núcleo de TONY (Guilherme Weber), rapaz vingativo que quer destruir Afonso. Fica sabendo das tramóias de Bárbara e se une a ela para tomar a fortuna dos Lambertini:
a mãe MARINA (Ivone Hoffmann), alcoólatra
o comparsa SILVA (Maurício Ludewig).

– núcleo de KAÍKE (Tuca Andrada), fotógrafo e ex-amante de Bárbara – o verdadeiro pai de Otávio:
a nova namorada OLÍVIA (Liliana Castro), modelo por quem se apaixona.

– núcleo de EDILÁSIA (Rosi Campos), matriarca da família Sardinha. Verdadeira mãe de Paco, esconde esse segredo de todos:
os filhos APOLO (Reynaldo Gianecchini), irmão gêmeo de Paco, é dado como morto num acidente marítimo – Paco assume sua identidade;
ULISSES (Leonardo Brício), THOR (Cauã Reymond), DIONÍSIO (Pedro Neschiling)
e ABELARDO (Caio Blat), o único que não segue a tradição da família em ser lutador – seu sonho é ser maquiador e por isso sofre a rejeição da família
TINA (Karina Bacchi), se envolve com todos os filhos de Edilásia
o namorado FRAZÃO (Sidney Magal).

– núcleo de HELINHO (Matheus Nachtergaele), amigo de Preta no Maranhão. Um vidente atrapalhado:
a namorada TANCINHA (Vanessa Gerbelli), por quem se apaixona e vive mil confusões
o amigo CEZINHA (Arlindo Lopes)
o pai-de-santo e mentor PAI GAUDÊNCIO (Francisco Cuoco).

– núcleo de FELIPE (Rocco Pitanga), braço direito de Afonso na empresa e melhor amigo de Paco. Apaixona-se por Preta quando a conhece:
os pais ÍTALO (Jorge Coutinho), motorista de Afonso, e LAURA (Maria Rosa).

– núcleo de MOA (Aline Moraes), surfista que se apaixona por Paco:
o amigo SAL (Thiago Martins), apaixonado por ela, mas não é correspondido.

– núcleo de KIKA (Giordana Forte), menina rebelde que se apaixona por Sal:
a mãe NÍVEA (Mônica Torres)
o irmão mais velho BRAD (Victor Perales), um bad-boy.

Estreia de João Emanuel Carneiro como titular na autoria de novelas, com a supervisão de texto de Silvio de Abreu. Ele estava escalado para participar da equipe de roteiristas de Gilberto Braga em Celebridade quando a sinopse de Da Cor do Pecado foi aprovada pela Globo. Silvio de Abreu escolheu a história, participou da escalação do elenco e supervisionou os 36 primeiros capítulos. Depois, João Emanuel prosseguiu com sua trama.

Primeira novela da Globo a ter uma protagonista negra e um romance inter-racial como tema principal, Da Cor do Pecado contou a história de amor entre Paco (Reynaldo Gianecchini) e Preta (Taís Araújo). Ele, um jovem branco, rico, criado no Rio de Janeiro. Ela, uma moça negra e pobre criada no Maranhão.
Mas a intenção do autor não era levantar polêmicas e discussões sobre o preconceito social e racial no país. Ele afirmou na época da estreia da novela:
“Não estou fazendo uma coisa sociológica. Estou contando a história de dois personagens. A história de amor entre Paco e Preta. Não é o meu objetivo criar polêmica.”

Para a diretora Denise Saraceni, o tema não era o racismo: “A ênfase da novela está no relacionamento humano e em suas consequências. Mas, como a protagonista é negra, inevitavelmente ela passará por situações desagradáveis, refletindo o que acontece na nossa sociedade.”

Por seu trabalho, João Emanuel Carneiro foi eleito pela APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) a revelação na TV em 2004.
E o então garoto Sérgio Malheiros (com 11 anos na época) foi premiado com o Troféu Imprensa nessa mesma categoria.

Da Cor do Pecado foi um sucesso de audiência. Na terça-feira do dia 03/03/2004, a novela alcançou a média de 45 pontos no Ibope da Grande São Paulo. A última novela das 19 horas a obter essa audiência em seus primeiros 32 capítulos foi Quatro por Quatro, dez anos antes. Da Cor do Pecado teve o recorde no horário desde o Plano Real (1994), quando houve um boom na venda de aparelhos de TV no Brasil e o perfil do telespectador sofreu grandes alterações.
Durante seus sete meses de exibição, a audiência média só cresceu: saltou de 36 pontos em janeiro para 46 em julho, segundo o Ibope. A arrancada aconteceu no capítulo 27, quando entraram em cena os personagens infantis Raí (Sérgio Malheiros) e Otávio (Felipe Latgé), supostos filhos do protagonista Paco.

Uma arma do autor para cativar o público foi a comédia. Além da família Sardinha, campeã na preferência dos telespectadores, havia mais dois núcleos cômicos na novela: do vidente Helinho (Matheus Nachtergaele) e do casal picareta Eduardo (Ney Latorraca) e Verinha (Maitê Proença), que nada tinham a ver com a trama principal da novela.

Os Sardinha era uma família composta de cinco filhos bonitões e versados em artes marciais e uma mãe com métodos pouco ortodoxos de educação.
João Emanuel Carneiro propunha uma inversão de valores: “A mãe só gostava do filho que era burro, playboy, que lutava boxe. Ela não queria que o filho estudasse. (…) era uma ideia subversiva”, disse o autor ao livro “Autores, Histórias da Teledramaturgia” (do Projeto Memória Globo).
Como num desenho animado, os lutadores tomavam uma sopa mágica que fazia crescer seus músculos e os tornava invencíveis. As lutas foram coreografadas por um professor de artes marciais e incrementadas por efeitos de computação gráfica.
“A mãe Sardinha, personagem da Rosi Campos, parecia ter saído de um livro do Popeye! Aquele cabelo que ela usava era muito bom.”
Rosi Campos ficou para sempre marcada pelo papel de Edilásia – a Mamushka, como era carinhosamente chamada pelos filhos.

O falecido marido de Edilásia, Napoleão Sardinha, venerado num retrato, era o aposentado Jamil Hamdan, então com 70 anos, que foi “encontrado” pela produção da novela quando batia um papo no Rio de Janeiro.
“Achei que era pegadinha. Só acreditei quando tirei 60 fotos”, contou. “Acho que o corpo musculoso e uma leve semelhança com Lima Duarte ajudaram na escolha”, disse Jamil na época.

A trama central de Da Cor do Pecado remetia a duas outras novelas. Os gêmeos separados, um criado pela mãe e outro pelo pai, sem que um soubesse da existência do outro, lembra o mote central da novela Baila Comigo (1981), de Manoel Carlos. Já os idênticos, em que um toma o lugar do outro após um acidente, remete à novela O Outro (1987), de Aguinaldo Silva.
Porém, gêmeos e sósias são bastante recorrentes nas novelas: Alma Cigana (Tupi, 1964), Vidas Cruzadas (Excelsior, 1965), Mulheres de Areia (Tupi, 1973-1974 e Globo, 1993), O Semideus (Globo, 1973-1974), Maria Maria (Globo, 1978), Sétimo Sentido (1982), Cara e Coroa (1995-1996), Paraíso Tropical (Globo, 2007) e outras.

A novela recebeu o patrocínio da Petrobrás, com a inserção de merchandisings na trama. Um deles era a exibição de um fictício torneio de surfe patrocinado pela estatal, com o objetivo de mostrar que a empresa apoia esportes amadores. A outra ação trouxe a atriz Carolina Dieckmann numa participação em cinco capítulos. Ela atuou como uma bióloga que trabalhava no projeto Tamar, de proteção às tartarugas-marinhas, patrocinado pela empresa petrolífera.

Participação especial de Luiza Brunet, Elke Maravilha, Clóvis Bornay e da cantora Rosemary, como os jurados no concurso de maquiagem do qual Abelardo (Caio Blat) participou.

Os primeiros nomes pensados para o casal Verinha e Eduardo foram Silvia Pfeifer e Tato Gabus Mendes.

Estreia em novelas dos atores Matheus Nachtergaele, Cauã Reymond, Pedro Neschling, Rômulo Estrela, Thiago Martins, Jonathan Haagensen e Sérgio Malheiros (com 12 anos quando estreou a novela).

Em 2009, Da Cor do Pecado se tornou a novela brasileira mais exportada da Globo, com cem países como clientes (segundo o Jornal Extra na época).
O ranking era liderado por Terra Nostra (de 1999-2000), de Benedito Ruy Barbosa. Na sequência vinham O Clone (de 2001-2002), de Glória Perez, e a versão original de Escrava Isaura (de 1976-1977), de Gilberto Braga.
Em 2013, foi a vez de Avenida Brasil (de 2012, do mesmo autor, João Emanuel Carneiro) ultrapassar essa marca.

Taís Araújo já havia protagonizado uma novela antes, mas fora da Globo: Xica da Silva, na TV Manchete, em 1996-1997.
Sobre protagonismo, vale destacar Ruth de Souza na novela A Cabana do Pai Tomás, que a Globo exibiu entre 1969 e 1970. Apesar de mulher do protagonista Pai Tomás, Cloé, personagem de Ruth, não pode ser considerada protagonista da história. O branco Sérgio Cardoso (acusado de blackface pelo papel de Pai Tomás), era o protagonista absoluto da novela.
Em 1965, a TV Tupi levou ao ar a primeira novela da TV brasileira com um romance inter-racial como trama principal: A Cor da Sua Pele, estrelada pelo branco Leonardo Villar e pela negra Yolanda Braga.

Da Cor do Pecado foi reapresentada no Vale a Pena Ver de Novo entre 07/05 e 16/11/2007. E, novamente, entre 24/09/2012 e 22/02/2013.

Trilha Sonora Nacional

dacort1
01. VOU DEIXAR – Skank (tema de Ulisses)
02. JURA SECRETA – Zélia Duncan (tema de Paco e Preta)
03. SAMBA DO APROACH – Zeca Baleiro, partic. Zeca Pagodinho (tema de Verinha e Eduardo)
04. É VOCÊ – Tribalistas (tema de Moa)
05. PRAS BANDAS DE LÁ – Mystical Roots
06. VOCÊ ME VIRA A CABEÇA (ME TIRA DO SÉRIO) – Alcione (tema de Felipe)
07. PALAVRAS AO VENTO – Cássia Eller (tema de Preta)
08. TEMPORAL – Pitty (tema de Kika)
09. DEZEMBROS – Fagner (tema de Paco)
10. MÁRCIA RODINHA – Ramatis featuring Rose Max (tema de Tina)
11. ATORDOADO – CPM22 (tema de Sal)
12. MAIOR QUE O VERÃO – Adelmo Casé (tema de Ulisses e Verinha)
13. TEM QUEM QUEIRA – Antônio Vieira (tema de Helinho)
14. DA COR DO PECADO – Luciana Mello (tema de abertura)
15. SÓ VOCÊ – Fábio Almeida
16. DA COR DO REGGAE – Alpha Beat

Trilha Sonora Internacional

dacort2
01. WHEN I SEE YOU – Macy Gray (tema da Preta)
02. TIMES LIKE THESE – Jack Johnson (tema de Paco e Preta)
03. DON´T LEAVE ME HOME – Dido (tema de Sal e Kika)
04. I BELIEVE IN A THING CALLED LOVE – The Darkness (tema de Abelardo)
05. EPOCA – Gotan Project (tema de Bárbara e Tony)
06. CRASH PUSH – Robi Draco Rosa (tema de Felipe e Carla)
07. WHAT A DIFFERENCE A DAY MADE – Jamie Cullum (tema de Afonso e Germana)
08. SUPER DUPER LOVE – Joss Stone (tema de Tina)
09. FRANÇAFRIQUE – Tiken Jah Fakoly (tema de Raí)
10. CRAZY LITTLE THING CALLED LOVE – Michael Bublé (tema de Edilásia e Frazão)
11. UNBELIEVABLE – Stereo Bros (tema de Thor e Dionísio)
12. DÉSERT D´AMOUR – De Phazz (tema de Verinha e Eduardo)
13. TRY – Nelly Furtado (tema de Moa)
14. THE LAST GOODBYE – Lara Fabian
15. PARADISE ISLAND – Ibiza

Tema de Abertura: DA COR DO PECADO – Luciana Mello

Esse corpo moreno cheiroso e gostoso que você tem
É um corpo delgado da cor do pecado
Que faz tão bem
Esse beijo molhado, escandalizado que você deu
Tem sabor diferente que a boca da gente
Jamais esqueceu
E quando você me responde umas coisas com graça
A vergonha se esconde
Porque se revela a maldade da raça
Esse corpo de fato tem cheiro de mato
Saudade, tristeza, essa simples beleza
Esse corpo moreno, morena enlouquece
Eu não sei bem porque
Só sinto na vida o que vem de você…

Veja também

  • cobraselagartos_logo

Cobras e Lagartos

  • favorita_logo

A Favorita

  • avenidabrasil_logo

Avenida Brasil

  • regradojogo_logo

A Regra do Jogo