Sinopse

Ao pisar pela primeira vez na cidadezinha mineira de Rosa Branca, a atriz Cris Valência (Vitória Strada) sente que já viveu algo e parece estar passando pela mesma situação novamente. O lugar é a cidade natal de seu namorado Alain Dutra (João Vicente de Castro), diretor de cinema e televisão que pretende filmar lá o seu primeiro longa-metragem, no qual Cris será Júlia Castelo, a protagonista. Na pesquisa para interpretar sua personagem, Cris vive uma experiência de viagem no tempo, em que vai se deparar com uma de suas vidas passadas.

Vicente (Reginaldo Faria), o avô doente de Alain, tem um último pedido ao neto: lhe deixa em testamento o dinheiro para financiar o filme desde que ele conte a história de Júlia Castelo, uma jovem que foi vítima de um crime passional em um casarão da cidade no início da década de 1930. Porém, voltar à cidade natal desperta sentimentos complexos em Alain. Anos atrás, quando foi traído por Isabel (Alinne Moraes), sua antiga namorada, e Felipe (Patrick Sampaio), seu primo e melhor amigo, ele jurou que jamais colocaria seus pés lá novamente.

Assim que Cris chega a Rosa Branca ganha, inesperadamente, uma joia que foi de Júlia Castelo. Logo depois, Margot (Irene Ravache), viúva de Vicente, lhe mostra o diário que pertenceu à jovem. Cris fica envolvida pela história e por todos esses sinais. Em uma visita ao casarão em ruínas onde Júlia viveu, Cris volta ao passado na pele da própria Júlia. Com a ajuda de Margot, ela quer desvendar o assassinato que abalou a cidade há quase um século. Tudo indica que Júlia foi morta por seu amado, Danilo (Rafael Cardoso), mas Cris não acredita nessa hipótese.

Cris reencontrará pessoas do presente que fizeram parte também de sua outra vida. Cada encontro será uma revelação para ela, que se vê envolvida em intrigas, tanto no passado quanto no presente. Enquanto isso, Alain trabalha na realização de seu filme, o que mexe com o cotidiano de Rosa Branca, com a chegada do elenco e da equipe de filmagem. E Isabel, agora com uma filha criança, Priscila (Clara Galinari), fará de tudo para ter o amor de Alain de volta, primeiro lhe revelando que a menina é filha dele e, depois, tentando tirar Cris de seu caminho.

Globo – 18h
de 25 de setembro de 2018
a 1º de abril de 2019
160 capítulos

novela de Elizabeth Jhin
escrita com Duba Elia, Renata Jhin, Wagner de Assis e Maria Clara Mattos
direção de Luis Felipe Sá, Rafael Salgado e Tande Bressane
direção geral de Cláudio Boeckel
direção artística de Pedro Vasconcelos

Novela anterior no horário
Orgulho e Paixão

Novela posterior
Órfãos da Terra

VITÓRIA STRADA – Cris Valência / Júlia Castelo / Beatriz
JOÃO VICENTE DE CASTRO – Alain Dutra
ALINNE MORAES – Isabel
IRENE RAVACHE – Margot
REGINALDO FARIA – Vicente Dutra
RAFAEL CARDOSO – Daniel
PATRYCIA TRAVASSOS – Grace (Edméia)
FELIPE CAMARGO – Américo (Raj Ravi)
JÚLIA LEMMERTZ – Ana
ÂNGELO ANTÔNIO – Flávio
EMILIANO QUEIROZ – André Luiz
SUZANA FAINI – guardiã do casarão
PATRICK SAMPAIO – Felipe
ANA LÚCIA TORRE – Gentil
LUCIANA PAES – Lenita
NIKOLAS ANTUNES – Marcelo
ROBSON NUNES – Bola (Afrânio)
DANDARA ALBUQUERQUE – Sheila
LETÍCIA PERSILES – Letícia
VERA FISCHER – Carmo (Hildegard no filme)
MARCELO ESCOREL – Dalton
KÉFERA BUCHMANN – Mariane (Dora e, depois, Júlia no filme)
RÔMULO ARANTES NETO – Mauro César (Gustavo Bruno no filme)
CARLA DIAZ – Gigi Castro (Dora no filme)
THATI LOPES – Josi
RENATA TOBELEM – Daniela
DÉBORA OZÓRIO – Patty (Patrícia)
CATARINA DE CARVALHO – Michele
CADU LIBONATI – Hugo
LUCIANA VENDRAMINNI – Solange (Piedade no filme)
EVANDRO MESQUITA – Emiliano (Coronel Eugênio no filme)
MARCELO LAHAM – Tadeu Tavares
FLÁVIA GARRAFA – Neusa
MARIA MÔNICA PASSOS – Zezé
ANDRÉA DANTAS – Abigail
MIGUEL COELHO – Jorge Benício (Danilo no filme)
LUCIANA MALCHER – Débora Martins (Bendita no filme)
PEDROCA MONTEIRO – Cláudio
MÁRCIO MACHADO – Sérgio
ANDRÉA BACELLAR – Dalva
COSME DOS SANTOS – Gerson
ANA RIOS – Marina
GULHERME HAMACEK – Vitor
ANNA RITA CERQUEIRA – Gabi
ROSANA DIAS – Valdete
WAL SCHNEIDER – Martim
JOSÉ SANTA CRUZ – Padre Léo
as crianças
CLARA GALINARI – Priscila
MARIA LUIZA GALHANO – Flor
OTÁVIO MARTINS – Jadson

década de 1930
VITÓRIA STRADA – Júlia Castelo
RAFAEL CARDOSO – Danilo Breton
JOÃO VICENTE DE CASTRO – Gustavo Bruno (Marquês de Torga)
FELIPE CAMARGO – Coronel Eugênio Castelo
JÚLIA LEMMERTZ – Piedade
IRENE RAVACHE – Hildegard Breton
REGINALDO FARIA – Augusto Breton
PATRICK SAMPAIO – Otávio
ALINNE MORAES – Dora
PATRYCIA TRAVASSOS – Graça
SUZANA FAINI – Albertina Castelo
LETÍCIA PERSILES – Maristela (Stelinha)
LUCIANA MALCHER – Bendita
ÂNGELO ANTÔNIO – Padre Luiz
ANA LÚCIA TORRE – Madre Joana
NIKOLAS ANTUNES – Lucas
MARCELO ESCOREL – Dr. Fabrício
VERA FISCHER – Gertrude
LUCIANA PAES – Mimi
WAL SCHNEIDER – Akima
MARIA MÔNICA PASSOS – Irmã Zélia
ANDRÉA DANTAS – Irmã Dolores
ROBSON NUNES – Benjamim (anjo que cuida de Gustavo Bruno)
OTHON BASTOS – Espírito Mestre (orienta Benjamim)
ANDRÉA BACELLAR – Firmina (parteira de Júlia)
KÉFERA BUCHMANN – Brigite (nova copeira de Hildegard, em substituição a Akima
ROSANA DIAS – mulher do capanga do Coronel Eugênio, cuida do bebê recém-nascido de Júlia
as crianças
OTÁVIO MARTINS – Henrique
CLARA GALINARI – Teresa

e
ADRIANO PETERMAN – Tonho (amigo de Américo no Rio de Janeiro)
ALEXANDRE LINO – Valdir (segurança do hotel chamado para deter Mauro César quando ele é acusado de seduzir Patty)
AMAURIH OLIVEIRA – taxista no Rio que conduz Patty até o show de Ricardo Júnior
ANA ISABELA GODINHO – enfermeira com Dr. Dalton quando ele dá uma bronca em Isabel por estender demais sua visita a Alain
ANTÔNIO ALVES – comerciante que faz uma doação para as reformas da igreja e entrega o cheque a Américo
ANTÔNIO BARBOZA – dono do antiquário para quem Isabel tenta vender a caixinha de música que André lhe deu
ANTÔNIO CARLOS TEIXEIRA – Alberto da Veiga Guignard (convidado em um coquetel na casa dos Breton)
BETO VANDESTEEN – dono do bar onde Américo e Pente Fino brigam e o bandido é preso
BRENO DI FILIPPO – delegado que interroga Mauro César na cadeia, quando ele é acusado de seduzir Patty
CACÁ DIEGUES como ele mesmo, no festival de cinema no qual o curta de Alain é premiado, no início
CARLOS ANDRÉ FARIA – técnico de som na equipe de filmagem de Alain
CHICO MELLO – Pente Fino (bandido procurado pela polícia para quem Américo deve dinheiro)
EROM CORDEIRO – Pedro (filho de Margot, no último capítulo)
FÁTIMA BERNARDES como ela mesma, nos Estúdios Globo, quando Alain leva Priscila para conhecer o local
FAUSTO SILVA como ele mesmo, entrevista Emiliano no Domingão do Faustão
GAVIN JAMES como ele mesmo, canta em um show onde estavam os atores do filme
HAROUN ABUD – André (criança)
INGRID GUIMARÃES – como ela mesma, entrega o prêmio a Alain no festival de cinema no qual seu curta é premiado, no início
ÍTALO LAUREANO – Inspetor Braga (delegado corrupto que apoia o coronel Eugênio)
JOSÉ LORETO como ele mesmo, no festival de cinema no qual o curta de Alain é premiado, no início
JR REQUEIJO – joga pôquer com Américo
JU COLOMBO – enfermeira que informa a Júlia que Danilo foi transferido de hospital
JULIANA GUIMARÃES – faxineira do hotel que flagra Patty dormindo com Mauro César e deduz que ele a seduziu
JULIANA PAES como ela mesma, no festival de cinema no qual o curta de Alain é premiado, no início
LEANDRO SANTANA – joga pôquer com Américo
LUCIANO PULLIG – joga pôquer com Américo
LUI COIMBRA como ele mesmo, toca violoncelo enquanto Vicente mostra os anjos a Margot
MARCELO BORGHI – Geraldo (homem a quem Danilo tenta penhorar as joias que Julia lhe deu, o delata ao Coronel Eugênio)
MARCELO FARIAS como ele mesmo, no festival de cinema no qual o curta de Alain é premiado, no início
MARCELO SERRADO como ele mesmo, nos Estúdios Globo, quando Alain leva Priscila para conhecer o local
MARCOS CARUSO como ele mesmo, nos Estúdios Globo, quando Alain leva Priscila para conhecer o local
MARCOS JUNQUEIRA – com Mauro César na cena da novela de televisão estrelada por eles, no início
MARCOS VERAS como ele mesmo, nos Estúdios Globo, quando Alain leva Priscila para conhecer o local
MARELIZ RODRIGUES – professora da turma de Priscila e Florzinha
PEDRO FARAH (FARNETO) – Aristides (homem que Zezé e Abigail contatam em um site de namoros para apresentá-lo a Gentil)
RENATA MAGALHÃES – Tarsila do Amaral (convidada em um coquetel na casa dos Breton)
ROBERTO PIRILO – Delegado Gilson (investiga o desparecimento de Cris da clínica de repouso)
RODRIGO CANDELOT – joga pôquer com Américo
SÉRGIO MONTE – joga pôquer com Américo
SIDNEY MAGAL – Ricardo Júnior (famoso cantor que foi ídolo de Lenita, verdadeiro pai de Patty)
SILVIO MATTOS – com Daniel em Portugal analisando fotos para uma exposição
TAIRONE VALE – policial na entrada da casa de Coronel Eugênio depois do assassinato de Júlia, impedindo as pessoas de entrarem
THIAGO FRAGOSO – Luan Gomes (ator no teste de vídeo para o filme de Alain, no início)
VALNEY AGUIAR – padre que reza uma missa pela alma de Pedro depois que Margot sabe que o filho está morto
Eustáquio Barroso (amigo de Hildegard, diretor do presídio que facilita a fuga de Danilo)
Madame Tamara (cliente de Graça que a flagra no restaurante usando uma roupa sua)

– núcleo de CRIS VALÊNCIA (Vitória Strada), jovem atriz, bonita e talentosa. Tem uma ótima relação com a mãe e o padrasto, que considera como pai. Porém, prefere manter-se distante do pai biológico, um homem encrenqueiro que quase nunca lhe deu atenção, apesar de não guardar mágoas dele. Chega com o namorado à cidadezinha de Rosa Branca, Minas Gerais, a cidade natal dele, para rodar o filme no qual será protagonista. Na cidade, durante a pesquisa para viver sua personagem, descobre que foi a própria em uma vida passada e vive uma experiência transcendental ao entrar no casarão em ruínas onde a jovem morreu. Através de um espelho, transporta-se para a década de 1930 e tenta desvendar o que realmente aconteceu. Durante a experiência, descobre que pessoas que fazem parte de seu presente, também fizeram em sua vida passada:
a mãe ANA (Júlia Lemmertz), com quem tem uma ótima relação. Preocupa-se muito com a filha. Por causa das filmagens, vai até Rosa Branca. Tem pouco contato com o ex-marido, pai de Cris, de quem prefere distância, por mágoas de quando eram casados
o padrasto FLÁVIO (Ângelo Antônio), marceneiro e restaurador, segundo marido de Ana. Criou Cris como filha. Por ciúme e zelo, não admite qualquer aproximação do primeiro marido da mulher com ela ou a filha. Acompanha Ana a Rosa Branca.

– núcleo de AMÉRICO (Felipe Camargo), pai biológico de Cris e ex-marido de Ana. Sujeito malandro e de caráter duvidoso, está sempre envolvido em alguma tramoia. Não participou da criação da filha. Quando descobre que Cris está em Rosa Branca para rodar um filme, estabelece-se na cidade para tentar uma reaproximação e, assim, obter alguma vantagem pessoal. Quem não gosta de vê-lo na cidade é Flávio, com quem sempre entra em atrito. Ao longo da trama, será revelado que tem dois filhos com outra mulher, fato desconhecido de todos e que ele tentava esconder:
os outros filhos, que aparecem em Rosa Branca atrás do pai depois da morte da mãe: VITOR (Guilherme Hamacek), adolescente, e JADSON (Otávio Martins), criança, por quem Ana acaba se afeiçoando.

– núcleo de ALAIN DUTRA (João Vicente de Castro), diretor de cinema e televisão, namorado de Cris. Nasceu e cresceu em Rosa Branca, mas mora no Rio de Janeiro há alguns anos, por causa do trabalho e de uma decepção amorosa do passado: descobriu que era traído pela namorada com seu primo e melhor amigo, o que custou a vida do primo. Volta a Rosa Branca a contragosto, para atender a um chamado do avô, que está muito doente. É convencido por ele a filmar na cidade a história real de um crime passional que aconteceu há quase cem anos. Escolhe Cris para ser a protagonista de seu longa. O retorno à cidade natal vai transformá-lo:
o avô VICENTE (Reginaldo Faria), quando fica doente pede que o neto volte a Rosa Branca para se despedir dele. No testamento, deixa dinheiro para que Alain realize um filme, desde que ele conte no cinema uma história real que aconteceu na cidade na década de 1930
a segunda mulher de Vicente, MARGOT (Irene Ravache), com quem tem em Rosa Branca uma livraria com obras raras. Generosa e espiritualizada, fica muito próxima de Cris quando a conhece. Entrega a Alain e Cris o diário da personagem que serve de guia para a construção do roteiro do filme. A princípio, é a única que sabe da experiência que Cris vive ao se transportar para a década de 1930. Tem uma relação difícil com Alain, que é muito cético e não acredita em sua fé. Sente a falta do falecido marido. Frequentemente, ouve o espírito de Vicente, sempre a reconfortando
o primo FELIPE (Patrick Sampaio), que era seu melhor amigo. Anos atrás, o traiu com sua namorada. Descoberto o caso dos dois, após uma briga com Alain, Felipe foi vítima de um acidente fatal
os funcionários da casa ou da loja de Margot e Vicente: DALVA (Andréa Bacellar), gosta muito de Margot,
MARINA (Ana Rios), esconde uma vida dupla, já que, à noite, trabalha como dançarina em uma boate na cidade vizinha,
e MARTIM (Wal Schneider).

– núcleo de ISABEL (Alinne Moraes), jornalista, muito bonita e atraente. Aparenta ser uma boa pessoa, mas, na verdade, é dissimulada e mau-caráter. Moradora de Rosa Branca, foi noiva de Alain, mas o romance terminou quando ele descobriu que ela o traía com Felipe. Quando terminaram, Isabel afirmou estar esperando um filho de Felipe. Envergonha-se da mãe, com quem vive implicando. Com o retorno de Alain, fará de tudo para reconquistá-lo. Porém, antes, terá que afastar Cris de seu caminho. Vez outra, o espírito maligno de Felipe, ciumento de seu amor por Alain, a atormenta:
a filha pequena PRISCILA (Clara Galinari), sente muita falta de ter um pai, já que acredita que o seu morreu antes de nascer. Sofre com a frieza e impaciência da mãe em alguns momentos. Não gosta de Alain quando o conhece. Alain enxerga a menina como o símbolo da traição que o fez sofrer tanto. Porém, Isabel revela a ele que Priscila é sua filha, o que transforma a sua relação com a menina
a mãe EDMÉIA, que adotou o nome de GRACE (Patricya Travassos), mulher mística e esotérica, acredita em forças sobrenaturais, espíritos e vidas passadas. Volta para Rosa Branca após ter passado anos fora em busca de autoconhecimento. Já teve um envolvimento com Américo, quando ele foi um guia espiritual – de araque – chamado RAJ RAVI. Tenta iluminar os pensamentos da filha, sempre em vão. Isabel tem resistência em aceitar a crença da mãe e o seu retorno, por não suportá-la.

– núcleo de GENTIL (Ana Lucia Torre), irmã de Margot. Dona da pensão de Rosa Branca, hospeda a equipe do filmagem de Alain. Quase sempre mal-humorada, diz que, com a idade, pode falar o que pensa. Fica encantada com Américo quando ele chega à pensão. A princípio, cai na lábia do malandro, que tenta de todo modo trapaceá-la, aproveitando-se de sua aparente ingenuidade:
a filha LENITA (Luciana Paes), trabalha com a mãe na pensão a contragosto, pois é ambiciosa, quer ser rica, mas não faz nada concreto nesse sentido. Acha que Isabel é sua melhor amiga, já que cresceram juntas, mas ela, na realidade, só a usa
a filha adolescente PATTY (Débora Ozório), deslumbrada como a mãe. Sonha em ser atriz e faz de tudo para participar do filme de Alain, pois é fã apaixonada do galã da fita e acha que, quando ele a conhecer, se apaixonará por ela. Para isso, apronta muito para ficar perto do ídolo
o pai de Patty, MARCELO (Nikolas Antunes), foi casado com Lenita. Ótimo pai e amigo da filha, mas não cede aos caprichos dela nem da ex-esposa, que gostaria que ele a sustentasse. É advogado e no passado fez parte da turma de Alain, Felipe e Isabel. Atualmente, é apaixonado por Isabel, que se aproveita disso em benefício próprio
as primas solteironas ZEZÉ (Maria Mônica Passos) e ABIGAIL (Andréa Dantas), vivem na pensão e prestam atenção em tudo que acontece por ali. Formam um dupla engraçada. Alcoviteiras e fofoqueiras, estão sempre prontas para dar palpite na vida alheia
o sobrinho-neto HUGO (Cadu Libonati), adolescente trabalhador e estudioso. Será o fotógrafo responsável pela cobertura das filmagens na cidade. Tem uma paixonite por Patty
a cozinheira da pensão VALDETE (Rosana Dias).

– núcleo da equipe de filmagem:
BOLA (Robson Nunes), amigo, confidente e braço direito de Alain. Sujeito boa-praça e sincero, é responsável pela produção do filme. Tem uma boa relação com todos os envolvidos no filme
DANIELA (Renata Tobelem), assistente de produção, comprometida com seu trabalho. Tem uma paixão platônica por Bola
JOSI (Thati Lopes), figurinista. Boa profissional, mas um tanto dissimulada
SÉRGIO (Márcio Machado), diretor de cenografia
CLÁUDIO (Pedroca Monteiro), diretor de fotografia
o elenco: MAURO CÉSAR (Rômulo Arantes Neto), “o galã”, vaidoso e famoso, adorado pelas fãs. É “perseguido” por Patty, que deseja chegar perto de seu ídolo custe o que custar, envolvendo-o em confusões,
MARIANE (Kéfera Buchmann), famosa, tem um grande fã-clube e é seguida por milhares de pessoas nas redes sociais. Vaidosa, tem muita autoestima. Combina com Mauro César um namoro midiático, mas acaba se envolvendo de verdade com ele. É ex-namorada de Alain e acredita que, separando-o de Cris, conseguirá o papel principal do filme. Com a ajuda da amiga Josi, arma situações com o intuito de separar o casal,
GIGI CASTRO (Carla Diaz), vem a Rosa Branca para assumir o papel de Mariane no filme, que, por sua vez, acaba escalada para viver a protagonista quando Cris afasta-se das filmagens. Rival de Mariane, foi namorada de Mauro César,
CARMO (Vera Fischer), já atuou na TV e fez muito sucesso no passado, mas está afastada porque acredita que com a idade não ganha mais papeis relevantes,
SOLANGE (Luciana Vendraminni), atriz do teatro paulista. Não aceita a chegada da idade. Vive trocando indiretas e alfinetadas com Carmo, mas, no fundo, as duas se gostam,
EMILIANO (Evandro Mesquita), já teve um caso com Solange e, hoje, não se suportam. Porém, são obrigados a trabalhar juntos, já que vivem um casal no filme. A reaproximação acende desejos reprimidos pelos dois,
JORGE BENÍCIO (Miguel Coelho), ator de teatro de Belo Horizonte,
e DÉBORA (Luciana Malcher), atriz talentosa e divertida.

– núcleo de SHEILA (Dandara Albuquerque), dissimulada e de caráter duvidoso, aprontou muito em Rosa Branca anos atrás e partiu da cidade, deixando a filha pequena com o seu pai. Retorna com o rabo entre as pernas e enfrenta a desconfiança do pai, que, a princípio, não acredita em seu arrependimento. Vai trabalhar com a equipe de filmagem, como maquiadora. Envolve-se com Bola, para o ciúme de Daniela. Une-se a Isabel em suas armações, tornando-se sua cúmplice:
a filha pequena FLOR (Maria Luiza Galhano), mora com o avô, mas sente muito a falta da mãe. Doce e amorosa, é a melhor amiga de Priscila
o pai GERSON (Cosme dos Santos), homem justo e simplório. Trabalha como faz-tudo da casa de Vicente e Margot. Acredita que a filha seja um mau exemplo para a netinha. Receia que, com o seu retorno, ela volte a aprontar.

– núcleo de MICHELE (Catarina de Carvalho), melhor amiga de Patty, confidente e companheira de aventuras. Tem mais responsabilidade que a amiga, mas não consegue fazê-la desistir de certas ideias malucas para conseguir o que quer. Vai interessar-se por Vitor:
os pais: TAVARES (Marcelo Laham), prefeito da cidade, um cara honesto e bom. Sempre acaba cedendo aos caprichos da esposa,
e NEUSA (Flavia Garrafa), a primeira-dama de Rosa Branca, mulher vaidosa, deslumbrada e voluntariosa. Faz de tudo para participar do filme de Alain e consegue convencer o marido a ajudá-la
a amiga GABI (Anna Rita Cerqueira), também amiga de Patty. Namora Hugo por um tempo para que ele faça ciúme em Patty, o que não surte efeito.

– demais personagens:
ANDRÉ LUIZ (Emiliano Queiroz), senhor misterioso que ninguém conhece na cidade. No início da trama, entrega a Cris uma joia que pertenceu à personagem que ela viverá no filme
GUARDIÃ DO CASARÃO (Suzana Faini), velha enigmática que vive no casarão abandonado de Rosa Branca, cenário da trágica morte ocorrida na década de 1930. Surge do nada, sempre pregando sustos nas pessoas que se aproximam da mansão. Decide quem deve ou não entrar no local. Incentiva Cris a descobrir tudo que aconteceu em sua vida passada
DANIEL (Rafael Cardoso), surge no final da trama. Artista plástico que mora no exterior. Em Belo Horizonte para uma exposição, decide visitar Rosa Branca e conhece Cris, que foi sua amada em uma vida passada
LETÍCIA (Letícia Persiles), terapeuta de vidas passadas, amiga de Daniel, seu paciente. Está em Belo Horizonte para um congresso e acompanha Daniel a Rosa Branca
DALTON (Marcelo Escorel), médico da cidade. Foi uma paixão da juventude de Carmo. Ao se reencontrarem, voltam a se relacionar
PADRE LÉO (José Santa Cruz), pároco de Rosa Branca.

Década de 1930

– núcleo de JÚLIA CASTELO (Vitória Strada), a vida passada de Cris Valência. Viveu em Rosa Branca na década de 1930 e foi morta por um tiro por causa de um amor impedido por seu pai. É sobre essa história o filme que Alain vai rodar na cidade. Através de um espelho no casarão onde Júlia morou, Cris transporta-se para a época dela e se vê em seu lugar, vivenciando tudo o que ela passou:
os pais: CORONEL EUGÊNIO CASTELO (Felipe Camargo), o homem mais poderoso da região, violento, prepotente e autoritário, achando-se acima do bem e do mal, capaz de qualquer coisa para defender seus interesses. Maltrata a mulher submissa, tem amantes, e despreza a filha, por sempre ter desejado um filho homem. Vê Júlia apenas como a salvação para a crise financeira pela qual passa, por isso a obriga a casar-se com um marquês,
e PIEDADE (Júlia Lemmertz), mulher extremamente submissa ao marido, vive com medo de seus rompantes de violência. Sente-se rejeitada por não ter lhe dado um filho homem. Tenta fazer o possível para proteger a filha do pai
a avó ALBERTINA (Suzana Faini), mulher rancorosa e arrogante, orgulhosa do sobrenome e do passado aristocrático de sua família. Apoia o filho em todas as suas decisões. Despreza a nora, por não ter-lhe dado um neto homem, e a neta, a quem nunca demonstrou afeição
a empregada BENDITA (Luciana Malcher), completamente fiel à patroa e a Júlia, faz o possível para protegê-las.

– núcleo de DANILO BRETON (Rafael Cardoso), jovem pintor, filho de uma francesa mal afamada na região e de um intelectual brasileiro, progressista e boêmio, por isso, também mal visto pela sociedade local. Apaixona-se por Júlia assim que a conhece e é correspondido, porém, esse amor é impossibilitado pelo pai dela, que fará de tudo para separá-los. Perseguido, acaba preso e torturado:
os pais: AUGUSTO BRETON (Reginaldo Faria), intelectual, boêmio e bon vivant. Progressista, de ideias avançadas, o que vai contra o pensamento dos conservadores da região, inclusive do Coronel Eugênio, com quem vive em atrito,
e HILDEGARD (Irene Ravache), francesa avançada para os padrões da época, mal vista pela sociedade local. Tem uma rusga com o Coronel Eugênio, por isso é contra o envolvimento do filho com Júlia, esquivando-se de ajudar o casal
o mordomo AKIMA (Wal Schneider), de origem indiana, totalmente fiel aos patrões
a nova copeira BRIGITE (Kéfera Bauchmann), que substitui Akima por um curto período, quando Hildegard o demite acusando-o de traí-la.

– núcleo de GUSTAVO BRUNO, o MARQUÊS DE TORGA (João Vicente de Castro), o rapaz mais rico da cidade. Tem uma paixão doentia por Júlia, por isso a quer de todo modo, sendo capaz de qualquer atrocidade para isso. O Coronel Eugênio concede a mão da filha, pois com o casamento salvará a família da falência. Perseguirá Danilo ao descobrir que Júlia o ama:
o irmão mais novo OTÁVIO (Patrick Sampaio), jovem advogado, de temperamento mais doce, com quem tem uma relação difícil por conflito de ideias e por ciúmes. Defenderá Danilo, colocando-se contra o irmão.

– núcleo de DORA (Alinne Moraes), no início, melhor amiga de Júlia. Porém, é falsa e inveja sua posição, já que é pobre, filha da lavadeira da cidade, o que a envergonha. É apaixonada por Gustavo Bruno, que apenas a usa. Por interesse, e para fazer ciúmes a Gustavo Bruno, acaba envolvendo-se com o irmão dele, Otávio, completamente apaixonado por ela:
a mãe GRAÇA (Patricya Travassos), lavadeira, de vida sofrida. No passado, envolveu-se com o Coronel Eugênio, com quem teve uma filha. Porém, o coronel a despreza e rejeita a menina, porque queria um filho homem
a irmã mais nova TERESA (Clara Galinari), filha de Graça com o Coronel Eugênio, é muda
o namorado no início LUCAS (Nikolas Antunes), rapaz simples e pobre, meio ingênuo e caipira. Gosta de Dora, mas acaba dispensado por ela, por ser pobre. Desiludido, envolve-se com Hildegard, que tenta lhe ensinar boas maneiras e passar algum verniz social.

– núcleo de MARISTELA (Letícia Persiles), morava na França, onde trabalhava como modista. De volta a Rosa Branca, é assediada pelo Coronel Eugênio, com quem, no passado, envolveu-se e teve um filho. O coronel tenta tomar-lhe o menino. Ela vive na esperança de fugir e voltar para a França com o filho. Receberá a ajuda de Gustavo Bruno:
o filho pequeno HENRIQUE (Otávio Martins), que o coronel tenta levar para viver em sua mansão. Piedade toma-se de amores pelo menino sem desconfiar que ele é filho biológico de seu marido. Tem medo do pai. Fica amigo de Teresa, sem saber que ela é sua meia-irmã, amizade esta que o coronel desaprova totalmente.

– núcleo da MADRE JOANA (Ana Lúcia Torre), superiora do convento que tenta esconder Danilo, no local, da perseguição de Coronel Eugênio e de Gustavo Bruno:
as freiras IRMÃ ZÉLIA (Maria Mônica Passos) e IRMÃ DOLORES (Andréa Dantas).

– demais personagens:
PADRE LUIZ (Ângelo Antônio), pároco de Rosa Branca, apaixona-se por Piedade mas sufoca esse amor. Compadece-se do sofrimento dela e protege o amor de Júlia e Danilo. Celebra o casamento dos dois
DR. FABRÍCIO (Marcelo Escorel), médico de Rosa Branca
GERTRUDE (Vera Fischer), amiga de Hildegard. Esta, lhe apresenta Lucas como pretendente para sua filha
MIMI (Luciana Paes), filha de Gertrude, é cortejada por Lucas
BENJAMIM (Robson Nunes), anjo que cuida de Gustavo Bruno
ESPÍRITO MESTRE (Othon Bastos), orienta Benjamim
FIRMINA (Andréa Bacellar), parteira de Júlia
(Rosana Dias), mulher do capanga do Coronel Eugênio, cuida do bebê recém-nascido de Júlia.

A novelista Elizabeth Jhin, conhecida pelas abordagens espiritualistas em sua obra (Escrito nas Estrelas, Amor Eterno Amor, Além do Tempo), trouxe novamente uma trama envolvendo a crença em vidas passadas, desta vez com boa dose de fantasia – como o espelho que servia de portal do tempo e que levou a protagonista Cris Valência (Vitória Strada) a reviver uma vida passada.

Em sua última novela, Além do Tempo, as histórias aconteciam em duas fases, com os mesmos personagens em encarnações diferentes, primeiro no passado e depois na atualidade. Espelho da Vida apresentou uma história de amor e mistério que ultrapassava as barreiras do tempo e do espaço ao se desenrolar em duas épocas distintas concomitantemente. Elizabeth Jhin explicou, na época do lançamento da novela:
“As tramas de 2018 e de 1930 se desenrolam ao mesmo tempo devido às ‘viagens no tempo’ que a nossa personagem, Cris Valência, empreende. Assim, o espectador consegue acompanhar a vida dela e de outros personagens na atualidade, e também o que ela descobre e enfrenta em sua outra vida. Cada vez que ela faz a ‘passagem’ pelo portal do espelho, ela nos leva a outra realidade. (…) O espelho tem uma grande importância na história, ele é o portal por onde Cris Valência chega a outras dimensões.”

Pedro Vasconcelos, em sua estreia como diretor artístico, comentou sobre Espelho da Vida:
“É uma novela atual e de época. Ao mesmo tempo. É um desafio muito grande criar esses universos distintos e em paralelo. É uma trama com três camadas: época, atualidade e o filme, algo que eu ainda não tinha vivido. (…) Acho que, para o telespectador, será muito curioso. Ele assistirá às cenas atuais ao mesmo tempo em que acompanhará as cenas de época. Vai entender a mudança de décadas pelo figurino, paisagens, objetos etc.”

A trama da novela lembrava a de outra obra, Anjo de Mim (1996-1997), de Walther Negrão, na qual Jhin foi colaboradora. Nesta, o personagem de Tony Ramos se recordava de uma vida passada, em que presenciou um crime passional. Ele tenta encontrar a reencarnação da amada do passado enquanto elucida o crime. Em Espelho da Vida, a protagonista também investiga um crime passional envolvendo uma encarnação passada. Porém, uma novela nada tem a ver com a outra, trata-se apenas de variações de uma mesma temática.

Quanto à narrativa, a semelhança era com a novela O Casarão, que Lauro César Muniz escreveu em 1976, na qual três épocas diferentes aconteciam simultaneamente para o telespectador. No entanto, por ser uma narrativa pouco visitada em teledramaturgia, conferia a Espelho da Vida um sabor da novidade.
Também havia os bastidores de um filme que era rodado na cidadezinha fictícia, sobre uma história real que aconteceu no local, no passado – referência à novela Roque Santeiro (1985-1986), de Dias Gomes, com lampejos à metalinguagem da novela Espelho Mágico (1977), de Lauro César Muniz.

Espelho da Vida passou por mais de sua metade cambaleando na audiência, abaixo da meta esperada para o horário. Terminou com uma média final de 17,5 pontos no Ibope da Grande São Paulo, a menor desde 2015.

A novela também enfrentou a concorrência, no caso, o bom desempenho na audiência do jornalístico Cidade Alerta, da Record TV, que, geralmente, se mantinha 3 e 4 pontos atrás no Ibope da Grande São Paulo. Em 22/11/2018, Espelho da Vida perdeu pela primeira vez para a concorrência, na média do dia: 15 pontos no Ibope ante 17,3 do jornalístico da Record, sendo que a novela não chegou a liderar em nenhum minuto durante todo o capítulo, fato este que jamais havia acontecido na história do horário na Globo. No dia seguinte, a novela perdeu novamente, marcando 13 pontos contra 14 da concorrente. O auge aconteceu no final de janeiro, com a tragédia do rompimento da barragem de Brumadinho (MG), que teve cobertura do Cidade Alerta. Depois desta “baixa” em janeiro de 2019, a novela começou a reagir em fevereiro, para só ultrapassar os 20 pontos em suas últimas semanas de exibição.

Durante os três primeiros meses, a trama se arrastou, pouco atrativa. Pegou a baixa audiência da TV em geral no fim de 2018 e só começou a esboçar alguma reação em 2019, no momento em que a autora passou a priorizar a história no passado. Foi quando a trama de Espelho da Vida ganhou estofo, sustância e emoção genuína. Faltaram nos primeiros meses o apelo e o calor que a trama só começou a demonstrar quando a história na década de 1930 passou a ocupar maior tempo na narrativa.

No início da novela, o público foi ludibriado com um mocinho que não era mocinho: Alain (João Vicente de Castro). Mal-humorado, egoísta e até grosseiro, Alain custou a cair nas graças da audiência. Ele não era exatamente “o vilão”, tampouco um “anti-herói”, mas simplesmente um tipo intragável, que afugentava as pessoas, inclusive o público. Alain só começou a perder ares de vilão quando descobriu que Priscila (Clara Galinari) era sua filha.
Em consequência, a heroína Cris (Vitória Strada) ficou sozinha neste tempo, sem a figura do “mocinho”. Este, Danilo (Rafael Cardoso), só foi aparecer muito tempo depois, na década de 1930, e em doses homeopáticas. Enquanto isso, o núcleo do cinema se estendia com personagens aleatórios – um núcleo que em nada contribuiu para a novela, nem mesmo para a metalinguagem com proposta de “história dentro da história”.
Mesmo com todos os percalços, o saldo foi positivo. Teria sido uma novela “redonda” se mais enxuta.

O elenco era ótimo, bem apoiado na direção e no texto, com alguns atores vivendo papeis duplos, com destaque para Vitória Strada, Alinne Moraes, Irene Ravache, Felipe Camargo, Júlia Lemmertz, Suzana Faini, Patrícya Travassos, Ana Lúcia Torre e Emiliano Queiroz. E um grande momento para Felipe Camargo, como o malandro simpático Américo, na vida presente, e o terrível vilão Coronel Eugênio Castelo, na vida passada.

A produção era de primeira, com apuro técnico, iluminação envolvente, arte, figurinos e cenários caprichados e trilha sonora de bom gosto. Uma novela bonita e agradável de assistir.

As gravações da novela começaram em locações externas em Minas Gerais. A equipe passou por Carrancas, Mariana, Tiradentes e Ouro Preto. A Praça Gomes Freire, mais conhecida como Jardim, foi a principal locação usada em Mariana. Lá estavam os casarões que representavam na trama a residência de Vicente e Margot (Reginaldo Faria e Irene Ravache), a livraria Cavaco e a Pensão Rosa Branca.
“Tenho uma grande preocupação com o realismo, por isso vamos gravar bastante no centro histórico de Mariana, que funcionará como a ‘cidade cenográfica’ da novela. Devemos voltar a Mariana e Tiradentes com frequência durante todo o projeto”, afirmou o diretor Pedro Vasconcelos na época do lançamento da novela.
As ruas de pedras tão características de Tiradentes completaram o centro histórico da cidade fictícia de Rosa Branca. A equipe gravou cenas nas ruas próximas às igrejas do lugar, como a Matriz de Santo Antônio e a Capela Nossa Senhora das Mercês. As locações de Ouro Preto representaram na trama os locais mais movimentados Rosa Branca. E em Carrancas, a equipe aproveitou as belezas naturais da cidade, rodando cenas nas serras e cachoeiras que, na trama, eram os arredores de Rosa Branca.

A figurinista Júlia Ayres comentou sobre os figurinos totalmente distintos e que contavam a mesma história. “Foi importante criar três estéticas diferentes para que o espectador identifique imediatamente onde os personagens estão: atualidade, época ou filme”, contou.
Houve ainda uma diferenciação entre os personagens que eram do Rio de Janeiro, principalmente a trupe do cinema, e os moradores de Rosa Branca. “O pessoal do filme tem mais preto na paleta e peças mais geométricas, estampas mais gráficas. E no interior é mais romântico, estampas liberty, por exemplo. A diferenciação quando eles chegam na cidade do interior precisava ser óbvia já no figurino”, revelou Júlia.

Claudiney Barino e Cristiane Lobato, cenógrafos responsáveis, tinham como missão criar um dos principais e mais emblemáticos cenários da novela: o casarão de Júlia Castelo (Vitória Strada), uma construção com duas fachadas espelhadas e opostas com ligação interna. Assim como acontecia com Cris Valência na trama, era possível entrar no casarão em 2018 e sair na década de 1930. De um lado, a edificação em ruínas: uma casa castigada pelo abandono e pelo tempo, assim como sua vizinhança. Porém, do outro lado tudo era diferente: casa em estilo neoclássico, nova, impecável, e com vida no entorno.

Como a novela mostrava a realização de um longa-metragem, a ideia era que o público percebesse detalhes das filmagens.
“Como teremos os bastidores de um filme dentro da novela, então é importante que o espectador perceba quando se trata da época e quando estamos falando das gravações do filme”, contou Rita Vinagre, responsável pela produção de arte.

Trilha Sonora Volume 1

01. MINHA VIDA (IN MY LIFE) – Rita Lee
02. ALWAYS – Gavin James
03. O SOL – Vitor Kley
04. CLEARLY – Grace Vanderwaal
05. ON TOP OF THE WORLD – Tim Mcmorris
06. SÓ VOCÊ – Fábio Jr.
07. SINCERO – Lulu Santos
08. COISA DE CASA – Outroeu
09. ESPIRAIS – Marjorie Estiano
10. MIL NOITES DE UM AMOR SEM FIM – Silva
11. CERTAS COISAS – Milton Nascimento
12. PONTOS DE PARTIDA – Max Viana
13. JOÃO DE BARRO – Leandro Léo
14. O VELHO E A FLOR – Toquinho e Vinícius
15. ORAÇÃO AO TEMPO – Maria Bethânia

Trilha Sonora Volume 2

01. PROMETE – Ana Vilela
02. OUTRO LUGAR – Milton Nascimento
03. MAMÃE NATUREZA – Lulu Santos
04. O LADO BOM DA VIDA – Peu Del Rey
05. QUANDO VOCÊ PASSA – Bralih
06. AMIÚDE – Roberta Campos (participação de Marcelo Camelo)
07. TODO AMOR QUE HOUVER NESSA VIDA – Cazuza
08. WEEKEND – Blitz
09. A FÓRMULA DO AMOR 2 – Leoni e Léo Jaime
10. GIRLS JUST WANT TO HAVE FUN – Bff Girls
11. WE CAN DO BETTER – Matt Simons
12. SAVE ME NOW – Andru Donalds
13. TODAY – Eric Silver
14. LOVIN´ YOU – Minnie Riperton
15. AIN´T NO SUNSHINE – Bill Withers
16. ROSA – Marisa Monte
17. ANOS DOURADOS – Maria Bethânia
18. A TIME FOR US – Nino Rota, Cliff Eidelman And Royal Scottish National Orchestra

ainda
ACENDA O FAROL – Tim Maia
ORAÇÃO – A Banda Mais Bonita da Cidade
TUDO O QUE VOCÊ PODIA SER – Milton Nascimento
TAINTED LOVE – Hannah Peel

Trilha Sonora Instrumental: música original de Rodolpho Rebuzzi e Reno Duarte

01. Tema Rosa Branca
02. Mirror (tema de Cris e Danilo)
03. Ação Curta Alain
04. Amor Ideal
05. Engrafado
06. Angústia (Lago dos Cisnes) (tema de Isabel)
07. Bela Flor
08. Ansiosa
09. Em Cada Despertar
10. Dreams (tema dos sonhos de Cris)
11. A Psicodélica (tema da pensão)
12. Molecada
13. Fim de Tarde Longa (tema de André)
14. All In Love
15. Spirituality
16. Pesadelo, Luisa Land
17. Pureza (tema de Priscila e Flor)
18. Gentilezada
19. Rockball (tema de Bola)
20. Vértice
21. Boleriando (tema de Gentil)
22. Sob O Céu
23. Contra O Tempo
24. Sertão Divino
25. Partida
26. United Stay of Americo (tema de Américo)
27. Sambadark
28. Trem da Vida
29. Reflexo do Tempo
30. Relógio
31. Lamento Urbano
32. Romance Mineiro
33. Recomeço
34. Rosa Solar
35. Fear (tema do casarão de Júlia)
36. Desatino
37. Desencontro
38. Desvario
39. Gargalhada
40. Escuridão (tema do casarão de Júlia)
41. Acalanto Adormecido

Tema de Abertura: MINHA VIDA (IN MY LIFE) – Rita Lee

Tem lugares que me lembram
Minha vida, por onde andei
As histórias, os caminhos
O destino que eu mudei

Cenas do meu filme em branco e preto
Que o vento levou e o tempo traz
Entre todos os amores e amigos
De você me lembro mais

Tem pessoas que a gente
Não esquece nem se esquecer
O primeiro namorado
Uma estrela da TV

Personagens do meu livro de memórias
Que um dia rasguei do meu cartaz
Entre todas as novelas e romances
De você me lembro mais

Desenhos que a vida vai fazendo
Desbotam alguns, uns ficam iguais
Entre corações que tenho tatuados
De você me lembro mais

De você, não esqueço jamais!

Veja também

  • alemdotempo2

Além do Tempo

  • eternamagia_logo

Eterna Magia

  • escritonasestrelas_logo

Escrito nas Estrelas

  • amoreternoamor_logo

Amor Eterno Amor