Sinopse

A bela Flora herda uma reserva ecológica localizada no meio de uma grande cidade.

Para defender sua reserva das maldades da vilã Gana Ganância e seus aliados, Flora conta com a ajuda de seus amigos, o adolescente Gafa e o índio Mirim.

Globo – 10h30
de 11 de outubro de 1999 a março de 2000

coordenação de criação de Mariana Caltabiano
roteiros de Mariana Caltabiano, Fabiana Igrejas, Adriana Avellar, Luiz Carlos Góes, Rodrigo Murat, Sérgio Melo e Cristiane Dantas
direção de Rogério Gomes, Ulisses Cruz e Marcelo Zambelli

ANGÉLICA – Flora Encantada
FERNANDA LOBO – Gana Ganância
LEONARDO MOREIRA – Gafa
VANILSON BENTE (CAMBIRO) – Mirim
CACÁ SENA – Toupeira
ANDRÉ BERNARDINO – Tanachata
QUIÁ ESPINELLI – Traça
RENATO ESPINELLI – Papa
DANIELLA D’ANDRÉIA – Joaninja
Exibida de segunda à sexta-feira, às 10h30, dentro do infantil Angel Mix, Flora Encantada inaugurou uma nova aposta da Globo em sua programação infantil, como uma série ecológica, estrelada por Angélica, que transmitia noções de cidadania e preservação da natureza.

O programa fazia parte de um projeto da emissora para criar produtos nacionais, de meia hora de duração, que buscassem o equilíbrio entre divertimento e educação. A implantação e supervisão estavam a cargo da Diretoria de Desenvolvimento de Projetos, sob o comando de Roberto de Oliveira.

Quando estreou, Flora Encantada apresentava duas a três histórias curtas e independentes por dia, seguindo o formato dos desenhos animados. A partir de 21/02/2000, no entanto, as histórias passaram a ser semanais, acelerando o ritmo do programa. Apesar disso, no mês seguinte o programa deixou de ser exbidio.

O personagem indígena Mirim tinha um apelo especialíssimo: Cambiro, o menino que o interpretava, era um indiozinho de verdade, vindo de uma reserva guarani no Espírito Santo.

Os cenários apresentavam três ambientes diferentes: a floresta, a sede da reserva, e a casa de Gana Ganância. Tudo fazia referência aos desenhos animados e aos elementos de pop art, o que deu um visual diferenciado ao programa.

Divertidos e coloridos, os bonecos encantaram não apenas pela aparência – foram confeccionados pelos autores dos bonecos do extinto infantil TV Colosso – mas também por suas manias e peculiaridades.
Como resistir à tagarelice de Joaninja, uma joaninha mensageira?
E às confusões do Toupeira, um castor dentuço que vivia com um chapéu de escavador de mina?
Ou mesmo a hilária formiga Tanachata, que parecia ter sido inspirada na comediante Zezé Macedo?!

Flora Encantada foi uma série repleta de boas intenções ao querer compor divertimento e educação. Os bonecos tinham tudo para seduzir o público-alvo (de 2 a 9 anos) e o programa contava até com uma bióloga especializada em controle ambiental, como assessora.

O Angel Mix já havia apresentado anteriormente outra série infantil estrelada por Angélica, Caça Talentos, entre 1996 e 1998.

Flora Encantada foi reprisada no Canal Viva (canal de TV por assinatura pertencente à Rede Globo) a partir de 14/04/2014.

Veja também

  • cacatalentos_logo

Caça Talentos

  • bambulua_logo

Bambuluá