Sinopse

Século 19, Vale do Paraíba, Rio de Janeiro. Higino Ventura é um ex-mascate que enriqueceu com negócios escusos. Comprou a fazenda Morro Alto, na Vila de Santana, para se aproximar de sua antiga paixão, Helena, moradora da fazenda vizinha, a Ouro Verde, agora casada com o Barão Henrique Sobral. Ele está disposto a tudo para reconquistar Helena, inclusive comprar a Ouro Verde e obter o título de nobreza e o mesmo status do barão. Helena, apesar de amar o marido e desprezar Higino, sofre nas mãos de Henrique, pois este sabe que Abelardo, que criou como seu filho, é na verdade filho de Higino.

O filho mais velho, Inácio, legítimo do casal, não se conforma com o tratamento cruel que o pai dá à mãe e vai embora para a corte. Lá, ele apaixona-se pela bela cortesã Ester Dellamare. Porém, a morte da mãe faz com que volte à fazenda para ajudar o pai e o irmão. Além disso, separa-se de Ester devido a intrigas armadas contra os dois por Idalina, sua avó, que não aceita o envolvimento do neto com uma moça de classe social inferior. Entretanto, ninguém na família Sobral desconfia que Ester é uma cortesã.

O tempo separou Inácio de Ester, mas ele nunca esqueceu sua paixão. Henrique e Ester acabaram se conhecendo, se envolveram amorosamente e se casaram. Só após a união sacramentada é que ela descobre que ele é o pai de Inácio, e os três morarão na mesma fazenda, sem que o barão desconfie que a sua nova mulher é o grande amor de seu filho. Inconformado com o fato de Ester não aceitar abandonar o barão para viver ao seu lado, Inácio casa-se com Alice, a mimada filha de Higino Ventura.

Enquanto isso, Higino luta para conseguir o baronato e comprar a Ouro Verde, com o intuito de humilhar o barão. Apaixona-se por Olívia, uma escrava branca procurada pela polícia e que ama o jovem médico Mariano Xavier. Desprezado pela moça, Higino a denuncia e a compra para servir-lhe em sua fazenda. Começa então o inferno de Olívia, que não consegue fugir das garras de Higino Ventura, mesmo ajudada pelo namorado e seus amigos, entre eles, Inácio e Ester.

Enquanto isso, um fato abala toda Vila de Santana: o Barão Henrique Sobral é misteriosamente assassinado durante uma festa, na mesma noite em que Inácio e Ester fogem para viver juntos. A polícia local se mobiliza então para prender Inácio, o principal suspeito da morte do barão, seu pai.

Globo – 18h
de 10 de maio de 1999
a 29 de janeiro de 2000
226 capítulos

novela de Gilberto Braga e Alcides Nogueira
escrita com Sérgio Marques, Lílian Garcia, Eliane Garcia, Filipe Miguez e Márcia Prates
colaboração de Marília Garcia
direção de Carlos Araújo, João Camargo e Fabrício Mamberti
direção geral de Marcos Paulo e Mauro Mendonça Filho
núcleo Marcos Paulo

Novela anterior no horário
Pecado Capital

Novela posterior
Esplendor

MALU MADER – Ester Dellamare
FÁBIO ASSUNÇÃO – Inácio Sobral
REGINALDO FARIA – Barão Henrique Sobral
PAULO BETTI – Higino Ventura
CLÁUDIA ABREU – Olívia
MARCELO SERRADO – Mariano Xavier
NATHÁLIA TIMBERG – Idalina Menezes de Albuquerque Silveira
LAVÍNIA VLASAK – Alice Ventura
SELTON MELLO – Abelardo Sobral
DENISE DEL VECCHIO – Bárbara Ventura
LOUISE CARDOSO – Guiomar
DANIEL DANTAS – Bartolomeu Xavier
CLÁUDIO CORRÊA E CASTRO – Leopoldo Silveira
JÚLIA FELDENS – Juliana Xavier
ANDRÉ BARROS – Trajano Cantuária
JOSÉ LEWGOY – Conselheiro Felício Cantuária
SÉRGIO MENEZES – Jesus
ANA CARBATTI – Zulmira
CHICA XAVIER – Rosália
ANTÔNIO GRASSI – Vitório
CHICO DIAZ – Clemente
ISABEL FILLARDIS – Luzia
MARCO RICCA – Conde Pedro Afonso
CLEMENTE VISCAÍNO – Inspetor Bustamante
OTÁVIO AUGUSTO – Dr. Eurico Navarro
HELENA FERNANDES – Clara Toledo de Mendonça
DIRA PAES – Palmira
YAÇANÃ MARTINS – Socorro
NELSON DANTAS – Dr. Xavier
ROSITA TOMAZ LOPES – Fabíola
JAYME PERIARD – Padre Osvaldo
ABRAHÃO FARC – Padre Olinto
ALEXANDRE MORENO – Cristóvão
NILL MARCONDES – Zelito
DELMA SILVA – Diva
COSME DOS SANTOS – Quirino
VINÍCIUS MARQUES – Valdir
LUÍS MAGNELLI – Gaspar
MARCELO VÁRZEA – Ubaldo
ANTÔNIO FRAGOSO – Isidoro
LUCIANA AZEVEDO – Ivete
RANIERE GONZALEZ – Reinaldo
as crianças
ÉLIDA MUNIZ – Marta
SAMUEL MELLO – Dário
e
ANDRÉ VALLI – Lourival
ÂNGELO PAES LEME – Rodrigo (pretendente de Alice)
CARLOS ALBERTO – juiz
CARLOS EDUARDO DOLABELLA – Comendador Queiróz (ajuda Inácio a se aproximar de Ester, no início)
CARLOS GREGÓRIO – Barcelos
CARLOS MACHADO – Estácio
CLÁUDIO MAMBERTI – Domingos
DARY REIS – Albano
DAVID HERMAN – Stanley
ELAINE MICKELY – Hermínia Montez (famosa cortesã)
ELIANA GUTTMAN – Laura (verdadeira mãe de Alice)
FABIANA AVELAR
FÁBIO SABAG – Breno Rangel
FLÁVIO GALVÃO – Nereu
GIOVANNA ANTONELLI – Violeta (cortesã)
GLÓRIA PORTELLA – Florinda (cortesã)
HELDER AGOSTINI – Manoel
HENRIQUE CÉSAR – Marquês de Boaventura
HENRIQUE TAXMAN – Dr. Humberto (jovem médico amigo de Mariano)
JOSÉ AUGUSTO BRANCO – Epaminondas (dono de uma confeitaria na corte)
JOSÉ DE ABREU – Seu Pereira (português interesseiro proprietário da loja que é comprada por Olívia)
JÚLIO BRAGA – sacristão
KADU KARNEIRO – Pedro (marido de Zulmira, morre no início)
LILIANA CASTRO – Ana
LINEU DIAS – Luciano (leiloeiro de escravos)
LUCAS BOREL – Otávio
LUÍS CHACAL
LUIZ GUILHERME – Carrazedo
MÁRCIA DEL ANILLO – Noêmia
MARIANA XIMENES – Ângela
MÁRIO LAGO – Dr. Teodoro (falso médico viciado em jogo)
MURILO ROSA – Eugênio (amigo de Inácio)
NEUZA AMARAL – Anita (diretora do hospital onde nasceu Alice)
OTÁVIO MÜLLER – Ferdinando (arrombador de cofres, amigo de Guiomar)
OTHON BASTOS – promotor
PAULO REIS – Pastor (negreiro)
PRETTO DE LINHA
RONNIE MARRUDA – Raimundo
SÔNIA BRAGA – Baronesa Helena Silveira Sobral (primeira mulher do Barão Henrique, morre no início)
SÔNIA SIQUEIRA – Hortência
STEPAN NARCESSIAN – Ernani Corrêa (falsificador)
THEREZA PIFFER – Dora (ex-senhora e irmã de Olívia)
VICTOR FASANO – Nicolau Prado
VIVIANNE VICTORETTE – Clarissa (cortesã)
XANDO GRAÇA – leiloeiro de escravos

– núcleo ESTER DELLAMARE (Malu Mader), bela cortesã, dona de um dos salões mais luxuosos da Corte:
a amiga GUIOMAR (Louise Cardoso)
o escravo JESUS (Sérgio Menezes)
o conde QUEIRÓZ (Carlos Eduardo Dolabella), amigo de Ester na Corte, no início da novela
o conde PEDRO AFONSO (Marco Ricca), que surge para disputar o coração de Ester na fase final
as cortesãs VIOLETA (Giovanna Antonelli), CLARISSA (Viviane Victoretti) e FLORINDA (Glória Portella), que saem de cena quando Ester se muda para a fazenda.

– núcleo da Fazenda Ouro Verde:
o BARÃO HENRIQUE SOBRAL (Reginaldo Faria), que se casa com Ester após a morte de sua esposa. Morre assassinado a poucos capítulos do final da novela
a baronesa HELENA (Sônia Braga), que morre tuberculosa no início da novela
o filho INÁCIO (Fábio Assunção), par romântico de Ester, formando um triângulo com o pai
o filho ABELARDO (Selton Mello), que sempre se sentiu rejeitado pelo pai
os pais de Helena, sogros do Barão Sobral, LEOPOLDO (Cláudio Correa e castro), um homem bom, e IDALINA (Nathália Timberg), a grande vilã
o capataz CLEMENTE (Chico Diaz), que faz todo o serviço sujo para Idalina
os escravos ROSÁLIA (Chica Xavier), a cozinheira, LUZIA (Isabel Fillardis), jovem alcoviteira e maldosa, ZULMIRA (Ana Carbatti), que sofre com o assédio de Clemente e apaixona-se por Jesus, CRISTÓVÃO (Alexandre Morenno), amigo de Abelardo e QUIRINO (Cosme dos Santos), de confiança de Idalina
os filhos de Zulmira MARTA (Élida Muniz), vendida por Idalina, e DÁRIO (Samuel Costa)
o advogado DR. EURICO NAVARRO (Otávo Augusto), que defende Inácio.

– núcleo da Fazenda Morro Alto:
o ex-mascate HIGINO VENTURA (Paulo Betti), rival de Sobral no amor de Helena e que faz de tudo para ganhar o título de barão
a esposa BÁRBARA (Denise Del Vecchio), uma mulher deslumbrada que ao final revela-se ser a autora dos assassinatos que ocorrem durante a trama
a filha ALICE (Lavínia Vlasak), que se apaixona por Inácio e une-se a Idalina para separá-lo de Ester. Abelardo é apaixonado por ela
a escrava branca OLÍVIA (Cláudia Abreu), que se torna alvo do desejo doentio de Higino
o capataz VITÓRIO (Antônio Grassi)
o capanga VALDIR (Vinícius Marques)
os escravos ZELITO (Nil Marcondes) e DIVA (Delma Silva).

– núcleo da família Xavier:
o DR. XAVIER (Nelson Dantas), médico que é assassinado
o jornalista BARTOLOMEU (Daniel Dantas), abolicionista, sobrinho do Dr. Xavier, tem uma relação conflituosa com Guiomar, mas os dois acabam apaixonados
o jovem médico MARIANO (Marcelo Serrado), filho do Dr. Xavier, amigo de Ester e Inácio e apaixonado por Olívia. Luta para livrá-la de Higino Ventura
a jovem JULIANA (Júlia Feldens), sobrinha-neta do Dr. Xavier, apaixonada por Abelardo
FABÍOLA (Rosita Thomaz Lopes), irmã do Dr. Xavier
UBALDO (Marcelo Várzea ), trabalha com Bartolomeu em seu jornal
IVETE (Luciana Azevedo), trabalha na loja com Juliana.

– núcleo de TRAJANO (André Barros), amigo de Inácio e Abelardo, apaixonado por Juliana:
o avô CONSELHEIRO FELÍCIO CANTUÁRIA (José Lewgoy), banqueiro, amigo do Barão Sobral
ISIDORO (Antônio Fragoso), trabalha no banco.

– núcleo da estalagem de Vila de Santana:
PALMIRA (Dira Paes), trabalha na estalagem, amante de Sobral no início
REINALDO (Ranieri Gonzalez), trabalha na estalagem
SOCORRO (Yaçanã Martins), trabalha na estalagem, chantageia Juliana
GASPAR (Luís Magnelli), o barbeiro, fofoqueiro de Vila de Santana.

– demais personagens:
PADRE OLINTO (Abraão Farc), morre envenenado
PADRE OSVALDO (Jayme Periard), entra para substituir Olinto
INPECTOR BUSTAMANTE (Clemente Viscaíno), investiga os assassinatos em Vila de Santana
CLARA TOLEDO DE MENDONÇA (Helena Fernandes), dama da sociedade que rivaliza com Guiomar na disputa por Bartolomeu
NICOLAU PRADO (Victor Fasano), pretendente de Alice, um golpista
NEREU (Flávio Galvão), fazendeiro moralista amigo de Sobral. Interessa-se por Guiomar
SEU PEREIRA (José de Abreu), português dono de loja no início, sai de cena quando Idalina compra a loja.

Tentativa de alavancar o horário das 18 horas com o gênero que o marcou, a novela de época. Salomé, em 1991, havia sido a última.
O objetivo era também aproveitar o sucesso de outra trama de época, a minissérie Chiquinha Gonzaga, exibida naquele ano de 1999. A cidade cenográfica foi, inclusive, reaproveitada em Força de um Desejo, para as cenas da corte.

A Globo buscou em Gilberto Braga o autor ideal. O novelista foi um dos mais importantes no período em que as novelas de época do horário das seis foram implantas, nos meados da década de 1970. Gilberto adaptou com sucesso romances clássicos de nossa literatura: Helena, Senhora e Escrava Isaura.

A emissora buscou uma sinopse de Alcides Nogueira, que a essa altura colaborava com Sílvio de Abreu em Torre de Babel (1998), e entregou-a a Gilberto Braga para que a desenvolvesse juntamente com ele. Alcides declarou ao blog “Eu Prefiro Melão”, de Vitor de Oliveira:
“A história da sinopse já é uma novela em si. Eu a escrevi, tomando como plot um livro muito pouco conhecido do Visconde de Taunay – A Mocidade de Trajano – e adaptei da maneira mais livre possível. Entreguei a sinopse ao Paulo Ubiratan. Ele morreu (…) e a sinopse sumiu. Tempos depois, o Marcos Paulo achou a própria e mandou para a Marluce Dias da Silva (que comandava a emissora na época). Eu estava com o Silvio e o Bosco Brasil em Torre de Babel. Para resumir a ópera, a sinopse foi parar nas mãos do Gilberto, que gostou bastante dela (…) e propôs um segundo tratamento, a quatro mãos. Foi assim que nasceu a novela (…)”

A novela teve 227 capítulos, quase o dobro de muitas produções. Não foi um grande sucesso, pois fechou com 24,4 pontos de média geral no Ibope da Grande São Paulo, a menor dos anos 1990 na faixa das 18 horas. Na verdade, tratava-se do sinal de uma nova era na televisão brasileira, com uma concorrência maior. Em 1995, nesse horário, a Globo tinha 60% do público, enquanto Força de um Desejo atingiu 39,8 de share. Flávio Ricco e José Armando Vannucci em “Biografia da Televisão Brasileira”.

Daniel Filho narrou em seu livro “O Circo Eletrônico”:
“A novela foi esticada tremendamente: 227 capítulos, mas começou e terminou com amor. Não foi um sucesso, mas também nenhum fracasso retumbante; foi cansativo para o autor, Gilberto Braga, e toda a equipe que trabalhou com ele, Alcides Nogueira, Sérgio Marques, Ângela Carneiro. Era muito bem feita, muito bem representada. Em momento algum houve desarmonia em seu elenco, nem no elenco principal, nem no coadjuvante, nem nos estreantes”.

Depois da bondosa Celina de Vale Tudo (1988), e da megera Constância Eugênia de O Dono do Mundo (1991), finalmente Nathália Timberg ganhou de Gilberto Braga uma verdadeira vilã para interpretar: a perversa Idalina Menezes de Albuquerque Silveira.

Destaque para a relação senhor-escravo entre Higino Ventura e Olívia, personagens de Paulo Betti e Cláudia Abreu. Betti interpretou com grande desenvoltura seu personagem-vilão, enquanto Cláudia – mesmo com Olívia sofrendo maus-tratos – não a deixou cair no dramalhão previsível e lacrimejante. Ambos não eram totalmente bons ou maus. Olívia era trapaceira e de caráter duvidoso, enquanto Higino mostrava momentos de grande sensibilidade.

Em uma participação nos primeiros capítulos, Sônia Braga voltou a atuar em uma novela depois de 19 anos afastada. Sua última havia sido Chega Mais, em 1980.

Isabel Fillardis, que fora chamada para viver Clarice de Suave Veneno (1999), viu esse papel ser-lhe retirado sem mais explicações. Escalada para Força de um Desejo, teve aqui a oportunidade de interpretar aquele que acabou por ser um dos papéis de maior destaque da sua carreira, a divertida escrava Luzia.

Um workshop de duas semanas foi realizado com os atores da novela, incluindo quatro palestras ministradas por professores universitários, tendo como temas o Brasil Imperial, o cotidiano das fazendas de café e senzalas, e o período do Romantismo.
Alguns atores tiveram aulas de esgrima, equitação, caligrafia e trabalhos de corpo e voz para se adaptarem ao linguajar e aos costumes da época retratada na novela.

Por meio do núcleo dos escravos, os aspectos da cultura banto, de origem africana, foram explorados pela primeira vez em uma novela.

Em três semanas de gravação, cerca de mil velas já haviam sido utilizadas na iluminação das cenas de interior.
Foi utilizada uma média de 60 figurantes em cada dia de gravação dos primeiros capítulos.

Para a ambientação da trama, a emissora criou a cidade cenográfica de Vila de Santana a partir de detalhes arquitetônicos encontrados nas cidades históricas de Minas Gerais, como Ouro Preto e Tiradentes.
Fazendas centenárias de Minas, Rio de Janeiro e São Paulo serviram como referências para os cenários das fazendas de Ouro Verde, do barão Henrique Sobral (Reginaldo Faria), e de Morro Alto, de Higino Ventura (Paulo Betti).
Uma estação de trem antiga, situada próximo a Teresópolis, foi adaptada para a época e serviu de cenário nas gravações da inauguração da estrada de ferro Rio-Vassouras. Site Memória Globo.

Força de um Desejo teve cenas gravadas na praia de Grumari, no Alto da Boa Vista e no Forte São João, na Urca, todos pontos turísticos cariocas.

Foram levantadas 700 páginas de informações iniciais pela pesquisadora Clarisse Fuckelman, pelo historiador Bruno Barreto Gomide e pelo escritor e dramaturgo Chico Maciel.

Os filmes O Leopardo (1963), de Luchino Visconti, e Barry Lyndon (1975), de Stanley Kubrick, serviram de referência para retratar o Romantismo na novela.
Os filmes A Dama das Camélias (1936), de George Cukor, e Os Brutos Também Amam (1953), de George Stevens, serviram de referência para a produtora de arte, Denise Carvalho, que reconstituiu desde a redação de um jornal até todos os objetos usados nas casas da época.

O figurino de Ester (Malu Mader) foi inspirado nas roupas de Sissi, imperatriz da Áustria (1837-1898), que foi uma mulher com profundo sentido de liberdade e modernidade.

A figurinista Beth Filipecki trouxe peças, tecidos e materiais importados para a confecção das roupas de época da novela. Muitas delas foram feitas em ateliês fora da TV Globo. Os figurinos consumiram 3 mil metros de tecidos diversos, como linho, tafetás de seda pura e adamascados ingleses e fibras naturais, usadas nos figurinos dos escravos. Site Memória Globo.

Estreia na televisão dos atores Júlia Feldens, Sérgio Menezes, Ana Carbatti e Ranieri Gonzalez.

Ao ser reapresentada no Vale a Pena Ver de Novo (entre 26/09/2005 e 10/02/2006), Força de um Desejo foi a primeira novela da emissora a usar o recurso “closed caption”. O processo permite a deficientes auditivos captarem em forma de legendas o que não se ouve na tela.

Trilha Sonora

forcadesejot
01. O AMOR PRA MIM – Daniela Mercury (tema de Abelardo e Juliana)
02. DONO DE MIM – Sandra de Sá (tema de Zulmira e Jesus)
03. ROSAS DO SUL – André Rieu
04. VALSA DO DESEJO – Simone (tema de Inácio e Ester)
05. DOCE PRISÃO – Fafá de Belém (tema de Olívia e Mariano)
06. VIDA DE ARTISTA – André Rieu
07. SERENATA – Orquestra de Filadélfia
08. A VIAGEM DO CAFÉ – Roger Henri
09. VALSA EM DÓ SUSTENIDO MENOR, OP. 64, Nº 2 – Orquestra de Filadélfia (tema de Helena)
10. AS TERRAS DO BARÃO – Roger Henri
11. MIMAR VOCÊ – Virgínia Rodrigues (tema de Zulmira)
12. EMPEROR VALSE, OP. 437 – Orquestra Filarmónica de Viena
13. POLCA DE ANA (ANNEN POLKA) – Orquestra Filarmónica de Viena
14. TEMA DE ANA – Jaques Morelenbaum (tema de abertura)

Sonoplastia: Aroldo Barros e Haroldo Sá
Produção Musical: Roger Henri
Direção Musical: Mariozinho Rocha

Veja também

  • helena75_logo

Helena (1975)

  • senhora_logo

Senhora

  • escravaisaura76_2

Escrava Isaura (1976)

  • primobasilio_logo

O Primo Basílio