Sinopse

No sertão de Minas, nas primeiras décadas do século 20, as tropas federais estão em conflito com as forças provinciais, apoiadas por exércitos de jagunços. O vaqueiro Riobaldo narra sua vida de jagunço: são histórias de disputas, vinganças, amores e mortes vistas e vividas pelos anos que percorreu Minas, Goiás e o sul da Bahia.

Riobaldo era um dos que percorriam o sertão abrindo o caminho à bala. Entre seus companheiros, havia Reinaldo, conhecido como Diadorim. Conhecera-o quando menino e mantinha com ele uma forte relação de amizade. Riobaldo, que cultivava o terno laço com Diadorim, perturbava-se com essa relação, mas a alimentava com uma pureza que ia contra a rudeza do sertão, beirando o amor e os ciúmes.

Em suas andanças, Riobaldo conhece um dos seus heróis, o chefe Joca Ramiro, que logo demonstra confiança por ele e o apelida de Tatarana. Mas o mito Joca Ramiro acaba traído e assassinado pelo pérfido Hermógenes, um dos seus homens. Riobaldo jura vingança e passa a perseguir Hermógenes e seu bando.

Com o medo da morte e uma curiosidade sobre a existência ou não do diabo, que toma cada vez mais conta da alma de Riobaldo, evidencia-se um pacto entre o jagunço e o príncipe das trevas, apesar de não explícito. Acontecido ou não tal pacto, o fato é que Riobaldo começa a mudar à medida que o combate final contra Hermógenes se aproxima.

A crescente raiva do jagunço só é contida pela relação mais estreita com Diadorim, que já mostra marcas de amor completo. Segue-se, então, o encontro com Hermógenes e seus homens e a vingança é enfim saboreada por Riobaldo. Entretanto, uma vingança que se tornou amarga: durante o combate, Hermógenes mata Diadorim.

Ao final, uma surpreendente revelação: na hora de lavar o corpo de Diadorim, Riobaldo percebe que o velho amigo de aventuras que sempre lhe cativou de uma forma especial era, na verdade, uma mulher: Deodorina, filha de Joca Ramiro disfarçada de homem.

Globo – 22h
de 18 de novembro a 19 de dezembro de 1985
25 capítulos

minissérie de Wálter George Durst
colaboração de José Antônio de Souza
baseada no romance homônimo de Guimarães Rosa
direção geral de Wálter Avancini

TONY RAMOS – Riobaldo (Tatarana)
BRUNA LOMBARDI – Reinaldo (Diadorim / Diadorina)
TARCÍSIO MEIRA – Hermógenes
RUBENS DE FALCO – Joca Ramiro
JOSÉ DUMONT – Zé Bebelo
ROGÉRIO MÁRCICO – Titão Passos
SEBASTIÃO VASCONCELOS – Só Candelário
CASTRO GONZAGA – Marcelino Pampa
LUTERO LUIZ – Garanco
WILSON FRAGOSO – Medeiro Vaz
WÁLTER SANTOS – Alaripe
TAUMATURGO FERREIRA – Fafafa
EDUARDO ABBAS – João Goanhá
JOÃO SIGNORELLI – Capixum
IVAN SETTA – Aristides
UMBERTO MAGNANI – Borromeu
MÁRIO ALIMARI – Paspe
ARNALDO WEISS – Selorico Mendes
ANA HELENA BERENGER – Otacília
CRISTINA MEDEIROS – Rosa Uard
NEY LATORRACA – Padre Ponte
YONÁ MAGALHÃES – Maria Mutema
REYNALDO GONZAGA – Padre Missionário
IVAN MESQUITA – Rudgerio Freitas
LINEU DIAS – Seo Ornelas
JOSÉ AUGUSTO BRANCO – Seu Habão
DENISE MILFONT – Nhorinhá
MARIA HELENA VELASCO – Ana Duzuza
SILVANA LOPES – mulher de Hermógenes
CARLOS GREGÓRIO – José Simplício
VALDIR FERNANDES – Freitas Filho
BENTINHO – Teofrásio
ROGACIANO DE FREITAS – Vô Anselmo
HENRIQUE LISBOA – Mestre Lucas
ÉRICO VIDAL – Antenor
ALFREDO MURPHY – Lacrau
MARCOS MACENA – Ricardão
WALTER BABALU – Jiribide
MANFREDO BAHIA – João Vaqueiro
PAULO ALENCAR – Sesfredo
CARLOS LAGOEIRO – Felisberto
JORGE EDISON – Quipes
ALMIR CABRAL – Raimundo Lé
GERALDO MAGELA – Dosmo
CARLOS WALMOR – Gavião Cujo
PAULINHO OLIVEIRA – Admeto
IDIORACY SANTOS – João Peludo
MARIA GLADYS – Maria do Padre
NEUZA BORGES – mãe de Eugrácio
e
MÁRIO LAGO – Compadre Quelemem (narrador)
PAULO VIGNOLO – Riobaldo (criança)
MARIANA MACNIVEN – Diadorim (criança)

Uma experiência audaciosa resultando em um grande espetáculo. O mais arrojado e bem sucedido projeto global, veículo para as comemorações de vinte anos da Rede Globo.
Seus idealizadores, Walter George Durst e Walter Avancini, explicaram que estariam realizados se conseguissem levar apenas quinze por cento do universo de Guimarães Rosa para os telespectadores. O resultado final exibiu ao público uma porcentagem muito maior, avaliada pela dupla de criação. Ismael Fernandes em “Memória da Telenovela Brasileira”.

Daniel Filho narrou em seu livro “O Circo Eletrônico”:
Grande Sertão: Veredas era considerado inadaptável, mas julgo que Avancini conseguiu um trabalho maravilhoso de pesquisa, de persistência. Fizemos uma homenagem a ele que poucos diretores receberam, na televisão, dos seus próprios colegas. Ficamos tão orgulhosos do trabalho do Avancini que, apoiados pelo Boni, pelo Armando Nogueira e o pessoal do jornalismo, demos uma festa que não foi divulgada na época, quando entregamos um prêmio a ele.”

Sobre a escalação dos atores principais, Daniel comentou:
“Em Grande Sertão, Avancini me vendeu com grande dificuldade a escolha de Bruna Lombardi para o papel de Diadorim (apesar de Bruna ter sido um erro, não como atriz, mas por saber-se que era mulher). O grande conflito é a paixão entre os dois ‘jagunços’. Ao se saber de antemão tratar-se de uma mulher, some o enredo principal. Mas Avancini defendia que na televisão e com a distância entre gravação e exibição, o segredo seria revelado de qualquer maneira. Melhor seria uma linda e conhecida atriz no papel de homem. Era a visão dele, e bem defendida. Concordei. Na adaptação, outros pontos da história seriam levantados. Para o Riobaldo ele queria outro ator, mas achei muito arriscado e não coerente com a tese da atriz. Voltou sugerindo o Tony Ramos. Ai estava armada uma boa escalação.”

Grande momento nas carreiras dos atores Tony Ramos, Tarcísio Meira, e em especial de Bruna Lombardi, consagrada como atriz ao interpretar o jagunço Diadorim. Como prêmio, Bruna, no ano seguinte, foi a protagonista da minissérie Memórias de um Gigolô e da novela Roda de Fogo.

Bruna Lombardi revelou ao jornalista Zean Bravo em entrevista ao jornal O Globo, publicada em 17/12/2017 (por ocasião da reprise da minissérie no canal Viva):
“Numa das gravações, montei num cavalo selvagem que disparou comigo. Na hora pensei: ‘É muito possível que eu morra’. Mas deixei meu corpo leve, me entreguei. Se tivesse ficado rígida, teria caído!”
Apesar do susto da equipe, o diretor Walter Avancini deixou a câmera ligada e gravou todo aquele momento.
“Como eu não fiz cara de medo, ele seguiu gravando”, explicou a atriz. A sequência, inclusive, fez parte da abertura da minissérie.

Bruna admitiu que não foi nada fácil se transformar em homem para realizar o trabalho:
“Sou uma figura magra, pequena, feminina, com cabelão. Lá, andava no meio dos jagunços de verdade, ficava caracterizada o tempo quase todo. Teve um dia em que um deles fez xixi do meu lado e fui reclamar com o Avancini. Ele disse que aquele homem jamais faria isso se achasse que eu era mulher.”

Na mesma entrevista, Tony Ramos declarou:
“Aquele foi um dos marcos divisórios da minha carreira. Eu vinha de trabalhos importantes como O Astro, Pai Herói e Baila Comigo (entre 1977 e 1981), mas ali deixei de viver somente o galã. Foi com esse papel que tudo se tornou possível para mim.”

“Tive uma cena noturna com Tarcísio Meira, Lutero Luiz e outros atores. A gente carregava uns oito quilos de equipamento dos personagens e tínhamos que rastejar com a faca na boca. Havia um silêncio absoluto quando ouvi um barulho debaixo do meu corpo, como se fosse um bife fritando. Perguntei ao Tarcísio: ‘Você está ouvindo?’. Fiz a cena toda sentindo um desconforto, mas só depois percebi que tinha parado em cima de um ninho de cupim. Assim que terminamos, arranquei toda a roupa, fiquei só de sunga, e pedi para jogarem água em mim.”

Os 25 capítulos da minissérie foram gravados ao longo de 90 dias, durante os quais até duas mil pessoas embrenharam-se no sertão. A equipe de produção, formada por cerca de 300 profissionais, mudou-se para um lugarejo no distrito de Buritizeiro (MG) chamado Paredão de Minas, onde foi construída toda a infra-estrutura necessária para as gravações e hospedagem de todos. (*)

A minissérie foi gravada totalmente em locação, tanto nas cenas externas quanto nas internas, e o diretor fez questão de que todos os integrantes da produção visitassem o sertão. Até mesmo o maestro Júlio Medaglia, encarregado pela trilha sonora, passou uma semana em Paredão de Minas. (*)

Os figurinos foram criados pelo próprio diretor Walter Avancini. A ideia inicial era trabalhar com o couro. Mas Avancini queria algum elemento que desse um ar ainda mais primitivo às roupas. Partindo dessa concepção, além do couro, a equipe de figurino recorreu ao tecido, para que os atores pudessem ter maior movimentação em cena, alcançando o resultado esperado. (*)

Tony Ramos emagreceu oito quilos e fez aulas de equitação, rastejamento militar e tiro para viver o jagunço Riobaldo. (*)

Bruna Lombardi aproveitou o período das gravações para escrever suas experiências, que foram relatadas no livro “Diário do Grande Sertão” (Editora Globo), lançado em 1987.

Grande Sertão: Veredas já havia sido levado ao cinema, em 1964, no filme dirigido por Renato Geraldo Santos Pereira, com Sônia Clara como Diadorim e Maurício do Valle como Riobaldo.

A minissérie foi reapresentada no Faixa Comentada do Futura (canal de TV por assinatura pertencente à Rede Globo).
Reapresentada também no Viva (outro canal da Globo na TV a cabo), entre 18/12/2017 e 13/01/2018, às 15h30 (reprise 0h30), na íntegra.

Grande Sertão: Veredas foi lançada em DVD em 2010.

* Site Memória Globo.

Veja também

  • padrecicero_logo

Padre Cícero

  • meudestinoepecar_logo

Meu Destino é Pecar

  • rabodesaia_logo

Rabo de Saia