Sinopse

Guiomar é uma bela e jovem viúva, pobre, solitária e carente, que sai do subúrbio para paquerar em Copacabana visando se dar bem. Ela acaba se envolvendo com Dorival, também viúvo, sem imaginar que ele não passa de um bronco mecânico de automóvel que se faz de milionário para as moças finas da Zona Sul. Guiomar engana Dorival e é enganada por ele, ambos se fazendo passar por ricos para darem o golpe um no outro, embora acabem apaixonados de verdade. Ela é filha de Stanislava, uma velha polonesa que se embebeda de xarope e sonha com um príncipe trapezista – Dorival em seus sonhos.

Dorival trabalha com o também mecânico Demétrio, o Grego, um sujeito desmazelado, apaixonado pela rica e fútil Débora, mas esnobado por ela, por ser pobre. Nas horas vagas, Demétrio é artista plástico. Descoberto por um marchand, ele acaba deixando a oficina e torna-se um artista famoso, o que, finalmente, faz despertar o interesse de Débora. A trama apresenta outros tipos curiosos, como Suzana Leopoldina, uma dama da sociedade que faz parte do júri no programa Buzina do Chacrinha, e Gonzaguinha, uma grotesca macumbeira, lembrando uma desajeitada bruxa.

Ainda Bandeira, um hippie contestador, subversivo e debochado que toma dinheiro de ricos deslumbrados se fazendo passar por um decorador de interiores cujo estilo consiste em destruir as mobílias e pintar as paredes de preto e branco. Bandeira acaba tendo um fim inusitado: morre de tanto rir. Ele é amigo do ambicioso e trapalhão Maneco, que planeja a morte da tia milionária para ficar com a herança. A tia é Carlota, mulher abnegada, extremamente católica e sovina, que se apaixona por Inocêncio, um falso padre – na verdade um picareta, também de olho em sua fortuna.

Globo – 22h
de 19 de julho de 1972
a 23 de janeiro de 1973
143 capítulos

novela de Bráulio Pedroso
escrita por Bráulio Pedroso e Lauro César Muniz
direção de Lima Duarte, Daniel Filho e Wálter Campos

Novela anterior no horário
Bandeira Dois

Novela posterior
O Bem-Amado

JARDEL FILHO – Dorival
CLÁUDIO MARZO – Demétrius (Grego)
BETTY FARIA – Guiomar
ZIEMBINSKI – Stanislava Grotoviska
CLÁUDIO CAVALCANTI – Maneco
JOSÉ WILKER – Bandeira
EDSON FRANÇA – Bianco
MILTON MORAES – Sérgio Marreta
RENÉE DE VIELMOND – Débora
ZILKA SALABERRY – Carlota
PAULO GONÇALVES – Inocêncio
ILKA SOARES – Suzana Leopoldina
SUSANA VIEIRA – Marilene
PAULO VILLAÇA – Dr. Paulo
ELIZÂNGELA – Sandra
ANTÔNIO PEDRO – Pedroca
ELOÍSA MAFALDA – Gonzaguinha
MIRIAN PIRES – Consuêlo
MARILU BUENO – Marilu
MARGOT BAIRD – Margot
NILSON CONDÉ – Caíto
ANA MARIA MAGALHÃES – Vilma
VERA MANHÃES – Martinha
DARLENE GLÓRIA – Marina
VALÉRIA AMAR – Adelaide
MYRIAN RODRIGUES – Jô
MÁRCIA RODRIGUES – Katia
BETTY SADDY – Juliana
ANTÔNIO VICTOR – Frei Francisco
GERALDO CARBUTTI – Sacristão Sávio
JUAN DANIEL – Palhaço Popó
TELMO AVELAR – Santelmo
WÁLTER STUART – Signore Gino
MARGARIDA REY – Dona Sara
e
JOSÉ LEWGOY – Barão (noivo francês de Suzana Leopoldina)
LEDA LÚCIA – vendedora de livros
PAULO RAMOS – advogado
TEREZINHA MOREIRA – mulher de Sérgio Marreta

Em O Bofe, todos os valores pretensamente ricos eram representados por pessoas pobres. O deboche era a estrutura da novela, o absurdo tomava vez. O personagens não se comportavam com sensatez, mas ao sabor da piada.

Porém, a experiência não foi bem sucedida e o autor, Bráulio Pedroso, foi afastado. Lauro César Muniz, em um de seus primeiros trabalhos na Globo, foi chamado para dar continuidade à história absurda, mas impregnando uma lógica encomendada. José Wilker, inconformado com a saída de Bráulio, pediu demissão e saiu da novela. Seu personagem, Bandeira, morreu de tanto rir.

Daniel Filho narrou em seu livro “Antes que me Esqueçam”:
“Nós dedicávamos o horário das dez da noite às experiências, modificações, ousadias. A novela não foi bem de público: na verdade não foi bem recebida, não tinha popularidade. Mas nós gostávamos muito dela. (…) Para mim, O Bofe não foi um fracasso. Eu gostava, mas não deu certo.”

Segundo Lauro César Muniz, a imprensa, maldosamente, publicou que o mal de saúde que afastara Bráulio Pedroso do comando de sua novela era “ibopatite”, em um infame trocadilho com a meningite que de fato o acometera, aliando-a aos problemas de aceitação da novela pelo público. (“Novela, a Obra Aberta e Seus Problemas”, Fábio Costa).

Lima Duarte estreou na Globo com essa novela. Não como ator, mas como diretor. Ele havia dirigido com competência Beto Rockfeller (1968-1969), na TV Tupi, também de Bráulio Pedroso. A Globo queria repetir a dobradinha de sucesso, Lima e Bráulio. Repetiu a dupla, mas não conseguiu o sucesso.
Lima nunca mais dirigiu novela alguma. Por outro lado, brilhou como ator na Globo, dando vida a vários personagens inesquecíveis.

Cláudio Marzo, pela primeira vez, deixou de interpretar um galã para encarnar o anti-galã: a caótica figura do artista plástico Demétrius, o Grego, um mecânico desiludido, com uma imensa barba e um jeito sujo de ser – embora um elemento poético da história, citando trechos de poesias de Mário de Sá Carneiro.

Marzo foi conversar com Lauro César Muniz sobre as mudanças impostas ao seu personagem. Segundo ele, o autor modificou tanto o Grego, transformando-o tão radicalmente, que acabou não tendo nada a ver com o tipo original de Bráulio. (“Bráulio Pedroso, Audácia Inovadora”, Renato Sérgio)

De acordo com o livro “Bráulio Pedroso, Audácia Inovadora”:
De repente, uma pergunta aparecia na tela: ‘Será que eles vão morrer ou não? Isso vocês vão saber só depois dos comerciais!’
O telespectador, já acostumado com as fórmulas tradicionais da telenovela, ficou desnorteado diante desta fala do personagem de José Wilker no final de um dos capítulos de O Bofe. Todos pensaram que fosse uma brincadeira e acharam aquilo uma palhaçada.
“Acontece que eu estava brincando mesmo! Estava botando tudo em jogo, o falso suspense, os intervalos, a própria estrutura da novela. Queria suprimir esse tipo de continuidade e todos os demais truques tão usados. (…) Acontece que o deboche era o clima daquele enredo intencionalmente experimental e esta ousadia resultou em queda de audiência. Fui elegantemente convidado a ir para casa tratar-me de uma hepatite e ceder a responsabilidade do texto para o Lauro César Muniz. A troca de autoria foi que evitou o maior morticídio de todas as novelas, porque a intenção original era que em cada crime houvesse uma ou mais testemunhas que por sua vez iriam sendo eliminadas também, até a história acabar por falta de personagens.”

Mesmo ganhando um viés mais realista, a novela manteve seu apelo fantástico no capítulo final, que teve três desfechos diferentes, dando ao telespectador a oportunidade de escolher o seu favorito. A última cena reuniu todos os personagens da novela, vivos e mortos. (Site Memória Globo)

Ziembinski viveu a velha Stanislava, o primeiro personagem travestido de mulher da telenovela brasileira – uma ideia do próprio ator. Anteriormente, na novela Almas de Pedra (TV Excelsior, 1966), Glória Menezes se travestiu de homem, porém, a diferença é que a personagem de Glória era uma mulher que se passava por um homem, enquanto, em O Bofe, Stanislava era uma mulher mesmo.
Por sugestão de Ziembinski, que era um polonês legítimo, Bráulio mudou o nome da personagem. O ator propôs que, em vez de Natasha, um nome russo, a personagem se chamasse Stanislava Grotoviska. (“Almanaque da TV”, Bia Braune e Rixa)

Suzana Leopoldina, a personagem de Ilka Soares, foi inspirada na socialite Sílvia Amélia de Waldner. A atriz teve de usar uma peruca loura para fazer o papel. (Site Memória Globo)

Em O Bofe, a Censura Federal transformou um vigarista em um padre. No papel de Inocêncio, um picareta, o ator Paulo Gonçalves dava um golpe passando-se por padre. Quando os censores perceberam a jogada, obrigaram o autor a manter o personagem como padre, punindo-o devidamente no final. (“Almanaque da TV”, Bia Braune e Rixa)

Por alguma razão, o nome do ator grego Lajar Muzuris apareceu nos créditos de todos os capítulos de O Bofe, embora ele não tenha atuado em uma cena sequer da novela. O ator brincava dizendo que Bráulio Pedroso simplesmente havia se esquecido dele. (Site Memória Globo)

Composta especialmente para a novela, a trilha sonora nacional trazia 12 músicas inéditas de Roberto Carlos e Erasmo Carlos, interpretadas por nomes como Elza Soares, Os Vips, Nelson Motta, Djalma Dias e Eustáquio Sena, entre outros.
Em 2006, essa trilha foi relançada, em CD, dentro da coleção “Master Trilhas”, da Som Livre – que jogou no mercado mais 23 trilhas de novelas da década de 1970 nunca lançadas em CD.

Primeiro trabalho na televisão da atriz Marilu Bueno e do ator José Lewgoy. Ele, que já era conhecido do cinema, entrou na novela para uma participação.
Primeira novela na Globo dos atores Antônio Pedro e Paulo Villaça.

A palavra “bofe” era uma gíria da época para designar homem sem jeito, desengonçado, mal arrumado e feio – exatamente a caracterização do personagem de Cláudio Marzo. Curiosamente, nos dias atuais, a gíria quer dizer exatamente o contrário: homem atraente.

Lamentavelmente não existem mais imagens dessa novela (a não ser algumas chamadas). A hipótese mais provável é que as fitas tenham-se perdido no incêndio que ocorreu na TV Globo em junho de 1976.

Trilha Sonora Nacional

01. FALA DORIVAL – Renata & Flávio (tema de Dorival)
02. INSTANTES – Jacks Wu
03. RAINHA DA RODA – Elza Soares
04. PORCELANA ,VIDRO E LOUÇA – Osmar Milito, Luna e Suza (tema de Carlota)
05. MADAME SABE TUDO – Nelson Motta (tema de Stanislava)
06. O BOFE – Osmar Milito e Quarteto Forma
07. PERDIDO NO MUNDO – Eustáquio Sena (tema de Bandeira)
08. QUEM MANDOU – Djalma Dias (tema de Débora)
09. SÓ DE BRINCADEIRA – Sandra (tema de Guiomar)
10. MOÇO – Betinho (tema de Maneco)
11. GREGO SÓ – Vips (tema de Demétrius)
12. MAPA DO TESOURO – Claudio Faissal

Trilha Sonora Internacional

01. ALONE AGAIN (NATURALLY) – Excelsior
02. ROCKET MAN – Elton John (tema de Demétrius)
03. ARABIAN MELODY – Pop Concert Orchestra (tema de Gonzaguinha)
04. BABY LET ME TAKE YOU – Detroit Emeralds
05. YOUR WONDERFUL SWEET SWEET LOVE – The Supremes
06. SWEET CONCERT – Free Sound Orchestra
07. SUMMER CONCERT – Alain Patrick (tema de Stanislava)
08. WAITIN’ LINE – Spider’s Gang
09. I’LL BE HERE – Jim Sullivan (tema de Dorival)
10. PRECIOUS LITTLE THINGS – The Supremes
11. IT’S GONNA TAKE MIRACLE – Honey & The Bees
12. LOVE SONG – The Jackson Five
13. MACARTHUR PARK – Dione Warwick

Sonoplastia: Paulo Ribeiro
Coordenação Geral: João Araújo
Produção Musical: Eustáquio Sena

Tema de Abertura: O BOFE – Osmar Milito e Quarteto Forma

Quem a boa vida escolheu
Vai morrendo sem encontrar
Se não for de um jeito, é de outro
Não se cansa de procurar
Pra ganhar a vida no sol
Vai molhar seu corpo no mar
Por obrigações sociais
Vai morar em qualquer lugar

E o sol, o sol, o sol, o sol não queima tanto
E o mar, o mar, o mar, o mar esconde o pranto
E os carros pela rua
Buzinam e a vida continua-ua-ua-ua…

Veja também

  • cafona_logo

O Cafona

  • betorockfeller_logo

Beto Rockfeller

  • rebu74_logo

O Rebu (1974)