Sinopse

A história do Dr. Gilberto, que se deixa vencer pela bebida depois de ter sido enganado pelos parentes e amigos, e traído pela mulher, Marieta.

Tido como morto, troca de identidade e passa a ser reconhecido apenas como “o Ébrio”.

Globo – 20h
de 8 de novembro de 1965 a fevereiro de 1966

novela de José e Heloísa Castellar
baseada na obra de Vicente Celestino
direção de Líbero Miguel

RICARDO NÓVOA – Dr. Gilberto (Ébrio)
LÍRIA MARÇAL – Marieta
NYDIA LÍCIA – Francisca
ROGÉRIO MÁRCICO
BERTA ZEMMEL – Adélia
XANDÓ BATISTA – Coronel Romualdo
LUCY MEIRELLES
GERVÁSIO MARQUES
ELOÍSA MAFALDA
OSMANO CARDOSO
RÚBENS CAMPOS
JACYRA SILVA
TELCY PEREZ – Medeiros
FRANCISCO SERRANO
MÁRCIA CARDEAL – Vera
e
VICENTE CELESTINO

O grande sucesso de Vicente Celestino teve esta simplista aparição em telenovela, numa produção paulista.

O Ébrio originou-se da canção de Vicente Celestino, de 1936. A letra dramática e a forma declamada com que era apresentada fizeram da música um grande sucesso.
A mulher de Celestino, Gilda de Abreu, adaptou a música para o cinema, em 1946. O filme foi um sucesso de bilheteria nacional. Estima-se que, somente nos seus primeiros quatro anos, foi visto por 4 milhões de espectadores, número significativo para a época. O longa ainda seria exibido durante anos e copiado em quantidade recorde.

Vicente Celestino teve uma breve aparição no primeiro capítulo. Sua chegada ao aeroporto de Congonhas para as gravações em São Paulo foi um acontecimento. Segundo o jornal Folha de São Paulo, o desembarque do cantor, acompanhado pelo ator Ricardo Nóvoa, foi uma estratégia da emissora para promover o lançamento da novela. Os dois quase foram presos ao chegarem à cidade de barba crescida e esfarrapados, com um aspecto sujo e aparentemente embriagados. (*)

Os cenários e figurinos foram idealizados por Campelo Neto, com a colaboração de Gilda de Abreu, autora da história original. Campelo Neto recebeu o Prêmio Governador do Estado de Rádio e Televisão por seu trabalho, além do Troféu Imprensa daquele ano. (*)

As músicas consagradas por Vicente Celestino, e que fizeram parte da novela, foram regravadas com novo tratamento orquestral a cargo do maestro Osmar Milani. (*)

Primeira novela (pelo menos diária) da atriz Eloísa Mafalda. Primeira novela na Globo do ator Rogério Márcico e da atriz Jacyra Silva. Único trabalho da atriz Berta Zemmel na tela da Globo.

(*) Site Memória Globo

Veja também

  • ilusoesperdidas

Ilusões Perdidas

  • rosinhadosobrado

Rosinha do Sobrado

  • globo60

Marina (1965)

  • moreninha65

A Moreninha (1965)