Sinopse

A cidadezinha de Feira das Almas é testemunha do drama da família Paixão, em que o patriarca, Lourenço, por motivos de amor e dinheiro, vive em conflito com seu filho mais velho, Dimas, envolvendo nos problemas os filhos mais moços, Ivan e o frade Lico, bem como o filho adotivo, Zé Maria, um doente mental, e duas mulheres, Catarina e Sônia, que Lourenço passa a disputar com o seu filho Dimas.

No passado, Lourenço casou-se com Adelaide e nasceu Dimas. Depois de muitas brigas, Adelaide abandonou o marido e em pouco tempo morreu. Lourenço, então, casou-se pela segunda vez, com Sofia, e no dia do casamento uma órfã deixou na porta da igreja um menino recém-nascido, que mais tarde foi reconhecido como filho por Lourenço e recebeu o nome de José Maria.

Do casamento com Sofia nasceram Ivan e Lico. Este último, nascido numa fase em que ela já não mais suportava a vida com o marido. Lico foi encaminhado para a vida eclesiástica e tornou-se seminarista. Logo depois Sofia também morreu ficando Lourenço viúvo pela segunda vez. Já velho, o patriarca se apaixonou por Sônia, que trabalhava como garçonete no bar da alegre Mercedes. Mas Sônia já era a amada de seu filho Dimas.

Os problemas culminam com o assassinato de Lourenço Paixão por um dos filhos. A culpa recai sob o suspeito mais lógico, Dimas, e este luta para provar sua inocência. Enquanto isso, o verdadeiro assassino é atormentado pelo fantasma da vítima.

Tupi – 20h
de 4 de outubro de 1976
a 30 de abril de 1977
178 capítulos

novela de Carlos Queiróz Telles e Renata Pallottini
baseada no romance Os Irmãos Karamazov de Dostoiévski
direção de Edison Braga e Álvaro Fugulin
direção geral de Edison Braga

Novela anterior no horário
Xeque-Mate

Novela posterior
Um Sol Maior

CARLOS ZARA – Dimas
EVA WILMA – Sônia
CLÁUDIO CORRÊA E CASTRO – Lourenço Paixão
EWERTON DE CASTRO – Zé Maria
ADRIANO REYS – Ivan
TONY RAMOS – Lico (Aleixo Paixão)
ELAINE CRISTINA – Catarina
CLEYDE YÁCONIS – Mercedes
LÉLIA ABRAMO – Felícia
EDGARD FRANCO – Gilberto Olinto
WANDA STEPHÂNIA – Elisa
HENRIQUE MARTINS – Paulino Lisboa
MARIA LUIZA CASTELLI – Quiarela
LOURDES MORAES – Mariola
ELIAS GLEIZER – Dr. Ernesto Alemão
CARMINHA BRANDÃO – Carlota Azeredo
LAERTE MORRONE – Frei Pontes
SÍLVIO ROCHA – Frei Zózimo
ROGÉRIO MÁRCICO – Frei Carlos
EDUARDO ABBAS – Anselmo
HAROLDO BOTTA – Joca
OSWALDO CAMPOZANA – Ricardo Ruiz
CAZARRÉ – Humberto
ABRAHÃO FARC – Procópio
ZANONI FERRITE – Dr. Carvalhosa
JACQUES LAGOA – Timóteo
SILVIO FRANCISCO – Mesquitinha
MARCOS CÂMARA – Maneco
DAVID NETO – Nicanor
DANTE RUI – Maximino Prates
LUÍS CARLOS DE MORAES – Dr. Veridiano
CARLOS EDUARDO (KADU MOLITERNO) – Padre André Mello
MÁRCIO DE LUCA – Marco Antônio
FRANCISCA LOPES – Elvira
ELZA MARIA – Elza
DIRCEU GOMES – Edu
OSMAR DE PIERI – Dionísio
ALFREDO FARAH – Egídio
MARILDE BELLO – Fafá
SÔNIA DUBOWISKI – Ritinha
THYANNA PERKLE – Rosa Maria
LÚCIA LEMOS – Lucinha
ROSELI SIQUEIRA – Roseli
LUZINETE VICENTE – Lu
GERALDO CINHA – Barreto
HENRICÃO – Sebastião
TÂNIA REGINA – Bárbara
MIRO FERRI – Délcio Farina
RENATO RESTIER – advogado de defesa
GÉSIO AMADEU – Gregório
RÚBENS TEIXEIRA – Francisco Azeredo
NÉA SIMÕES – Sinhá Botelho
PAULO PADILHA – Pedro Marques
GENÉSIO ARRUDA
JOSÉ POLICENA
PAULO ILDEFONSO
LÚCIA H. GARÓFALO
MARIA APARECIDA OLIVEIRA
SEVERINO SILVA
e
CARLOS AUGUSTO STRAZZER – narrador
JONAS MELLO – Promotor Hipólito Mascarenhas
RUTHINÉIA DE MORAES – Adelaide (primeira mulher de Lourenço)
DENISE DEL VECCHIO – Sofia (segunda mulher de Lourenço)
EDNEY GIOVENAZZI
FLÁVIO GALVÃO

Conservada a espinha dorsal do clássico de Dostoiévski, algumas situações foram criadas e outras alteradas. Da Rússia, a trama foi transportada para uma pequena cidade do interior de São Paulo, a fictícia Feira das Almas, no período que se estende de 1949 a 1976. (*)

O trabalho de criação e os primeiros capítulos mostraram que a dupla havia acertado. Mas o esquema pressupunha um número limitado de capítulos (100), que foi sendo ampliado pela desorganização que reinava na emissora na época.
Inevitavelmente o conteúdo foi se esvaziando. Arrastando-se indefinidamente, a novela resultou em um fracasso de audiência, que teve ainda um inconveniente: o grande mistério da novela era saber quem matou Lourenço Paixão (Cláudio Corrêa e Castro). A Globo exibiu o filme, Os Irmãos Karamazov (1958), destronando o único suspeito que a história tinha para revelar. Ismael Fernandes em “Memória da Telenovela Brasileira”.

Em O Julgamento, Dimas (Carlos Zara) é acusado de ter matado o pai, Lourenço Paixão. Mas o assassino era seu irmão de criação, Zé Maria (Ewerton de Castro), que sofria de problemas mentais. Mesmo assim, Dimas foi preso e cumpriu pena, pois não havia provas suficientes para inocentá-lo. Enquanto isso, o fantasma do velho Lourenço atormentava Zé Maria, que se consumia por sentimento de culpa. O assassino acabou morrendo afogado.

A novela contou com um narrador, vivido por Carlos Augusto Strazzer, um personagem em aberto que narrava – com voz pausada e segura, com sua vestimenta estranha e fora de época – os principais fatos que se ligavam à história. Uma alusão ao próprio Dostoiévski, fazendo com que o telespectador melhor entendesse os acontecimentos da trama. (*)

A fictícia cidade de Feira das Almas era ambientada em Araçariguama, um bairro de São Roque, a 58 quilômetros do centro de São Paulo. (*)

Feira das Almas foi o primeiro título pensado para a novela.

Por seu trabalho em O Julgamento, Renata Pallottini foi premiada em 1976 pela APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) como revelação de roteirista.

A reprise de O Julgamento chegou a ser anunciada pouco antes da Tupi fechar suas portas, em 14/07/1980.

Primeira novela da Tupi cuja trilha sonora foi lançada pela sua gravadora própria, a Gravações Tupi Associadas.

(*) “De Noite Tem… Um Show de Teledramaturgia na TV Pioneira”, Mauro Gianfrancesco e Eurico Neiva, Giz Editorial, 2007.

Trilha Sonora
julgamentot
01. LE BONHEUR – Clarie Chevalier (tema de Sônia)
02. LONELINESS – Francis Goya
03. A THOUSAND VOICES – Phil Trim (tema de Lico)
04. BRIVIDO – Mersia
05. THE KISS – Steven Shlacks
06. E ELE DISSE – Daniel
07. KITTY – Steven Shlacks
08. CONTIGO APRENDI – Armando Mazanero
09. GALOPE – MPB 4 (tema de abertura)
10. QUIERO (LOVE LESS TIME) – Glen Wood
11. VEN (I’M A LOST)- Barry Man
12. ENAMORADOS (MY SWEETHEART) – The Mystics

Tema de Abertura: GALOPE – MPB4
O galope só é bom quando é à beira-mar
O galope só é bom quando se pode amar
Esse mote só é bom se bem livre de cantar
Falar em morte só é bom quando é prá banda de lá
Eh, sacode a poeira
Embalanço, embalanço, embalanço, embalançá
Casa de ferreiro, espeto de pau
Quem não engole espinha nunca vai se dar mal
Quem não dança minha dança melhor nem chegar
Se puxou do punhal, ah, tem que sangrar
Eh, tem que sangrar, ah
Eh, sacode a poeira
Embalanço, embalanço, embalanço, embalançá
Me dê um bocadinho de cachaça
Me aqueça, me aperta e me abraça
Depressa, correndo, vem ligeiro
Me dê teu perfume, o teu cheiro
Encoste meu peito, coração
Vamos mostrar prá esses cabras como é que se dança o baião
E quem quiser aprender, é melhor prestar atenção
Eh, sacode a poeira
Embalanço, embalanço, embalanço, embalançá
Vem que nem carrapeta no chão
E virar folha seca no ar
Para poder disputar meu baião
Eh, sacode a poeira
Embalanço, embalanço, embalanço, embalançá
Deixa essa criança chorar
Não adianta cara feia
Nem adianta se zangar
Que ela só vai parar quando essa fome passar
Eh doutor, uma esmola
A um pobre que é são
Ou lhe mata de vergonha
Ou vicia o cidadão
Eh, sacode a poeira
Embalanço, embalanço, embalanço, embalançá…

Veja também

  • viladoarco

Vila do Arco

  • rodadefogo78_logo

Roda de Fogo (1978)

  • espantalho_logo

O Espantalho