Sinopse

Motorista de táxi, José Carlos Moreno, o Carlão, noivo da bela operária Lucinha, se vê diante de um dilema ético ao deparar com o dinheiro de um assalto que fora esquecido em uma mala em seu carro. A princípio, ele guarda o dinheiro, mas não resiste em usá-lo quando o pai, Raimundo, tem seus problemas de saúde agravados. Movido pela ambição, Carlão acaba se apossando do dinheiro: abre sua própria frota de táxi e ascende socialmente.

Carlão é influenciado por Eunice, uma mulher infeliz no casamento que foi envolvida no assalto e acabou se apaixonando por ele. A ascensão social de Carlão acompanha o fim de sua relação com Lucinha, que, contra a vontade dele, se tornou uma modelo renomada. Enquanto isso, Eunice é processada como cúmplice do assalto. O sentimento de culpa de Carlão, por ter ficado com o dinheiro que não lhe pertencia e por não ter inocentado Eunice, o levam a se casar com ela, mesmo amando Lucinha.

No outro lado da história ganha força o drama de Salviano Lisboa, um milionário viúvo que, apesar de ser pai de seis filhos – Vitória, Vicente, Vinícius, Vilma, Virgílio e Válter -, vive em completa solidão. Até conhecer Lucinha, então operária de sua fábrica, e lançá-la como modelo exclusiva das confecções de sua indústria têxtil. Longe de Carlão, Lucinha se envolve cada vez mais com Salviano, que, por sua vez, está completamente apaixonado por ela.

A entrada de Lucinha na vida de Salviano aciona uma série de conflitos com os filhos dele, resistentes à união por não concordarem com a diferença de idade do casal e por acharem que Lucinha só está interessada no dinheiro do velho. É quando Vilma tem acelerado seus problemas psicológicos, vítima de um trauma na infância, por nunca ter aceitado bem a morte prematura de sua mãe. Vilma acaba se casando com Nélio Porto Rico, dono da agência que faz a publicidade das indústrias de seu pai.

Globo – 18h
de 5 de outubro de 1998
a 8 de maio de 1999
185 capítulos

novela de Glória Perez
baseada no original de Janete Clair
direção de Maurício Farias, Fabrício Mamberti e Vicente Barcellos
direção geral de Maurício Farias
núcleo Wolf Maya

Novela anterior no horário
Era uma Vez…

Novela posterior
Força de um Desejo

EDUARDO MOSCOVIS – Carlão (José Carlos Moreno)
CAROLINA FERRAZ – Lucinha (Maria Lúcia Batista / Lucy Jordan)
FRANCISCO CUOCO – Salviano Lisboa
CÁSSIA KISS – Eunice
VERA FISCHER – Laura
ALEXANDRE BORGES – Nélio Porto Rico
PALOMA DUARTE – Vilma (Telma)
THAÍS DE CAMPOS – Vitória
THIAGO LACERDA – Vicente
MARCOS WINTER – Virgílio
JIDDÚ PINHEIRO – Válter
MARCELO SERRADO – Vinícius
TATO GABUS MENDES – Valdir
ROBERTO BONFIM – Raimundo
JACKSON ANTUNES – Marciano
DENISE MILFONT – Elizeth
LEANDRA LEAL – Clarelis
ZILKA SALABERRY – Bá
FLORIANO PEIXOTO – Ernani
ANTÔNIO POMPEO – Dr. Percival Garcia
CLÁUDIA LIZ – Gigi
BETTY LAGO – Mila
ANDRÉ VALLI – Orestes
MARA MANZAN – Alzira
SUELY FRANCO – Djanira
ERI JOHNSON – Tenorinho (Marcelo)
PEDRO PAULO RANGEL – Clóvis
ÍRIS BRUZZI – Otília
CAMILA PITANGA – Ritinha
LUÍS MELLO – Ricardo
PATRICK DE OLIVEIRA – Paulo Roberto
PAULA HUNTER – Rose
GUILHERME KARAN – Jurandir
OTHON BASTOS – Sandoval
OSWALDO LOUREIRO – Boca
HELENA BRANDÃO (DARLENE GLÓRIA) – Aurora
JULIANA SILVEIRA – Dagmar
LÚCIO MAURO – Nonato
ARACY CARDOSO – Cibele
MALU VALLE – Verinha
HENRI CASTELLI – Lobato
WALTER VERVE – Rogê
RENATO RABELLO – Escorel
DUDA RIBEIRO – Tatu
ANA PAULA GUIMARÃES – Elba
JAVA MAYAN – Pepê
JULIANA AGUIAR – Lu
PIA MANFRONI – Creusa
ANA FURTADO – Deinha
CLARA GARCIA – Rafa
MATHEUS PETINATTI – Jominho
VANESSA DANTAS – Micaela

os meninos
LUÃ UBACKER – Rubinho
LUÍS CLÁUDIO JR. – Nandinho
DIEGO CODAZZI – Pastel

e
ADALGISA COLOMBO como ela mesma
ADRIANA FIGUEIREDO – Lourdes (ex-mulher de Jurandir)
ADRIANA GARAMBONE – Letícia
ANTÔNIO ARAÚJO – copeiro de Salviano
BETTY FARIA como ela mesma, conversa com Lucinha antes de uma sessão de fotos
CACO CIOCLER – Dr. Rodrigo (um dos advogados que defendem Eunice)
CARLOS CASAGRANDE
CAUBY PEIXOTO como ele mesmo
CELSO FRATESCHI – Pacheco
CHICO DIAZ – Delegado Arruda
CRISTIANE ALVES – secretária do Dr. Percival
DARTAGNAN JR. – Jaime
EDUARDO DUSSEK como ele mesmo
ELIAS GLEIZER – delegado
ELKE MARAVILHA como ela mesma
EMILIANO QUEIRÓZ – Quidoca
EVANDRO MESQUITA como ele mesmo
FABIANA PIGAIANE – copeira de Salviano
FÁBIO LAGO – Joca
FLÁVIA RINALDI – copeira de Salviano
FRANKLIN THOMPSON – Jair (cinegrafista, grava um comericial com Lucinha)
GERSON OLDENBURG – motorista de Boca
HELIETE – Vanja (auxiliar de Alzira)
HERLANDSON – jogador de futevôlei
ILKA SOARES – Hortência (tia de Eunice)
ÍRIS NASCIMENTO – Fafá
JOÃO MELLO
JOÃO NETO – office-boy no escritório de Salviano
JONAS BLOCH – Altino (ex-sócio de Salviano que lhe aplicou um golpe no passado)
LEANDRO HASSUM – informa Ernani sobre a casa de Carlão
LEILOCA como ela mesma
LÍLIAN NOVAES – Lena (irmã de Nélio)
LIMA DUARTE – Tonho Alicate (mata Carlão no último capítulo)
LOIDE SILVA – empregada de Salviano
LUCIANO SZAFIR
LUCIENE MELO – auxiliar de cabeleireira no salão de Otília
LUDY MONTES CLAROS – segurança de Salviano
MARCELO BROU – Jorge (motorista de Salviano)
MARCELO ESCOREL – delegado
MARCELO SOUTO MAIOR – amigo de Tenorinho/Marcelo, da praia
MÁRCIO AZEVEDO – Marcinho (amigo de Tenorinho/Marcelo, da praia)
MÁRCIO KIELING – Frajola
MARCO RICCA – Miguel (amante de Eunice que a envolve no assalto do primeiro capítulo)
MÁRIO LAGO – Dr. Amatto (um dos advogados que defendem Eunice)
MARY LEÃO – Sheila
MAURÍCIO SILVA – segurança de Salviano
MIGUEL RODRIGUES – L.F.
NARCISA TAMBORINDEGUY como ela mesma
NILDO PARENTE – padre
REGIANA ANTONINI – Eulália
RENATO DE OLIVEIRA – Beto
RICARDO MARTINS – Bruno
ROMÁRIO como ele mesmo
SADI PIMENTEL
SUELI GUERRA – manicure no salão de Otília
SUZANA GONÇALVES – juíza no julgamento de Eunice
TANDE como ele mesmo
TATHIANE MANZAN – Zuleica
THELMA RESTON
THEREZA COLLOR como ela mesma
VALDIR SPINOZA

– núcleo de JOSÉ CARLOS MORENO, o CARLÃO (Eduardo Moscovis), suburbano, é o protótipo do machão de bom coração, um pouco rude, mas boa-praça e amado pelos vizinhos em Marechal Hermes, bairro onde mora, no Rio de Janeiro. Chofer de táxi, é o responsável pelo sustento do pai, doente e impedido de trabalhar. Tem um relacionamento tumultuado com a noiva, por sucessivas crises de ciúmes, embora os dois se amem. Basicamente honesto, a luta pela sobrevivência, entretanto, leva-o a se apossar de uma mala de dinheiro, fruto de um assalto, esquecido no banco de seu táxi. Mesmo vivendo um conflito ético, começa a usar o dinheiro, primeiro para custear o tratamento do pai doente. Porém, a ambição o leva a abrir a sua própria frota de táxis. Sua ascensão social acompanha o fim de seu namoro:
o pai doente RAIMUNDO (Roberto Bonfim), viúvo, ex-estivador, com problemas cardíacos que o impossibilitam de voltar ao trabalho. Inconformado com a inatividade e absorvido pelos problemas familiares, procura burlar a vigilância do filho, acreditando que atrapalha a sua vida
a irmã ELIZETH (Denise Milfont), metida com homens errados e bandidos, acabou “perdida na vida”, como falam o pai e o irmão. Motivo de desgosto para o pai, ela é proibida pelo irmão de procurá-los. Porém, apesar dos conflitos com o irmão, nutre um grande amor por sua família
o amigo MARCIANO (Jackson Antunes), trabalha em seu táxi durante a noite. Tem obsessão por extraterrestres e afirma já ter feito uma viagem a Marte em um disco voador
a tia de Marciano, CIBELE (Aracy Cardoso), tem uma casa de macumba no bairro
a secretária ROSE (Paula Hunter), que ele contrata quando monta sua frota de táxi. Sensual e insinuante, é perdidamente apaixonada pelo patrão
o advogado NONATO (Lúcio Mauro), tenta resolver os problemas do escritório e de sua vida particular
o bandido SANDOVAL (Othon Bastos), homem perigoso que se envolve com Elizeth e com quem Carlão faz transações para cobrir suas dívidas. Usa Elizeth para pressionar Carlão
o bicheiro BOCA (Oswaldo Loureiro), com quem Carlão fecha negócios escusos.

– núcleo de LUCINHA (Carolina Ferraz), noiva de Carlão no início. Operária, trabalha como tecelã e ambiciona uma vida melhor, o que a coloca em conflito com Carlão, que não compreende suas pretensões. Com um forte sentido de independência, aliado a um gênio intempestivo, várias vezes se rebela contra a vontade do noivo, embora tema perdê-lo. Mesmo assim, é bem-humorada e disposta a obter da vida o que há de melhor. Bela e charmosa, é “descoberta” na fábrica e, lançada como a modelo LUCY JORDAN, passa a desfilar as confecções da tecelagem. Sua ascensão profissional acompanha o fim de seu namoro e a descoberta de um novo amor:
os pais: ORESTES (André Valli), homem simplório, criou as filhas dentro de normas rígidas de comportamento e não admite qualquer deslize. Sonha em ver as filhas bem casadas. A princípio, resiste fortemente a aceitar a profissão de modelo da filha,
e ALZIRA (Mara Manzan), doceira, defende o marido e não compreende a rebeldia das filhas, procurando orientá-las dentro dos princípios morais a que está habituada
a irmã mais nova CLARELIS (Leandra Leal), trabalha na mesma fábrica de tecidos que ela. Faceira e rebelde, meio irresponsável, sente uma paixão secreta por Carlão e se revolta porque ele a trata como uma criança. Os pais queriam batizá-la com o nome de suas respectivas cantoras preferidas, Clara Nunes e Elis Regina – daí Clarelis.

– núcleo de SALVIANO LISBOA (Francisco Cuoco), viúvo rico, começou a vida como caixeiro e virou proprietário de uma grande tecelagem, a Centauro. No trabalho, é dinâmico, exigindo o máximo dos empregados, e inflexível nas punições, quase um ditador. Vitorioso na empresa, é um fracassado na tentativa de conseguir a afeição dos seis filhos, que vão aos poucos se afastando de casa. Transforma-se em um homem sozinho, carente de comunicação e amor. Apaixona-se por Lucinha, operária de sua fábrica, e a ajuda a transformar-se em uma modelo famosa. Lucinha, a princípio, resiste aos seus encantos, mas acaba sucumbindo a esse novo amor, o que põe um fim em sua relação com Carlão. O envolvimento encontra forte resistência nos filhos de Salviano, que enxergam a moça como uma oportunista e fazem tudo para afastá-la do pai:
os filhos: VITÓRIA (Thaís de Campos), a mais velha, casada com dois filhos pequenos. Dominada pelo marido, que não suporta o sogro, não pensa em contrariar suas ordens. O casamento a transformou em uma mulher frustrada, mais por causa dos ciúmes e do autoritarismo do marido,
VICENTE (Thiago Lacerda), playboy irresponsável e mulherengo, seduziu Clarelis. É o vice-presidente da Centauro, porém, indolente e preguiçoso, trabalha a contragosto, por imposição do pai. É quem primeiro instiga os irmãos contra Lucinha, quando ela começa a se envolver com Salviano. Na verdade, sente uma forte atração pela moça. No decorrer da trama, consegue afastar o pai da presidência da empresa, assumindo o seu cargo,
VINÍCIUS (Marcelo Serrado), mora nos Estado Unidos e raramente dá notícias, para o desgosto do pai. Vem ao Brasil para tentar impedir o casamento dele com Lucinha, pois não quer dividir a herança do velho com nenhuma mulher com quem ele possa se casar,
VIRGÍLIO (Marcos Winter), noviço, volta ao Brasil após uma temporada no exterior. Seguidor de São Francisco de Assis, fez voto de pobreza e castidade e pratica trabalho voluntário. É o único dos filhos que aprova o relacionamento do pai com Lucinha. Desperta a paixão em Clarelis e tenta resistir ao assédio da jovem,
VILMA (Paloma Duarte), tem sintomas de esquizofrenia e crises de agressividade abruptas, por causa de um trauma na infância, por nunca ter aceitado bem a morte prematura de sua mãe. Instável e caprichosa, tem crises de depressão. Trata-se com um psiquiatra,
e VÁLTER (Jiddú Pinheiro), o caçula. Ainda estudante, vive às custas do pai, embora não suporte essa dependência
o genro ERNANI (Floriano Peixoto), marido de Vitória, com quem vive se desentendendo. Quando conheceu a mulher, era pobre e foi rejeitado por Salviano, que se opôs ao casamento. Rancoroso, guarda uma mágoa do sogro e tenta impedir que a mulher visite a família com frequência. Ciumento, seu temperamento é o principal responsável pelo desajuste do casal
o psiquiatra de Vilma, PERCIVAL GARCIA (Antônio Pompeo), médico renomado. Consegue, a muito custo e insistência, desenvolver uma boa relação com sua paciente. Desperta o interesse de Vitória, quando o casamento dela vai mal. Encontra preconceito por ser negro
a governanta (Zilka Salaberry), que ajudou a criar todos os seus filhos. Dedicada à família, procura suavizar a solidão do patrão, ouvindo seus desabafos e sempre encontrando desculpas para o afastamento dos filhos, a quem procura proteger, um a um
a cunhada LAURA (Vera Fischer), irmã de sua falecida esposa. Mulher bela e charmosa com quem acaba se envolvendo
os netos, filhos de Vitória e Ernani, RUBINHO (Luã Ubacker) e NANDINHO (Luis Cláudio Jr.), crianças.

– núcleo de EUNICE (Cássia Kiss), mulher de classe média, elegante, de finos modos, entediada com o casamento e a ausência do marido, que vive viajando a trabalho. Acaba se relacionando com um homem que a envolve em um assalto a um banco. A mala com o dinheiro é esquecida no táxi de Carlão, quando o casal fugia do assalto. O amante acaba morto pela polícia e o comparsa dele acredita que ela ficou com a mala de dinheiro. Ao procurar Carlão, na tentativa de reaver a mala, acaba apaixonada por esse homem rude, tão diferente de seu mundo. É processada como cúmplice do assalto. O sentimento de culpa de Carlão por ter ficado com o dinheiro que não lhe pertencia e por não ter inocentado Eunice o levam a se casar com ela, mesmo ainda amando Lucinha. Porém, os dois são infelizes nessa união:
o marido RICARDO (Luís Mello), piloto de vôos internacionais, passa vários dias fora de casa. Desconfia que isso seja a causa do nervosismo crescente da mulher. Ao descobrir o envolvimento dela no assalto, pede divórcio. Acaba morrendo em um desastre aéreo
o filho adolescente PAULO ROBERTO (Patrick de Oliveira), que gosta muito de Carlão quando o conhece
a tia HORTÊNCIA (Ilka Soares, participação), mulher posuda e esnobe, não aceita seu casamento com Carlão, com quem tem desentendimentos, por seus modos grosseiros e sem classe
o renomado advogado DR. AMATTO (Mário Lago, participação), a defende quando ela é processada como cúmplice no assalto. Porém, larga a causa quando descobre que Carlão, com quem ela se casou, era o taxista que ficou com a mala de dinheiro
a empregada CREUZA (Pia Manfroni)
o amante MIGUEL (Marco Ricca, participação), que a envolve no assalto, no início da trama. Acaba morto no confronto com a polícia
o comparsa de Miguel, JURANDIR (Guilherme Karan), a chantageia por desconfiar que ela está de posse da mala com o dinheiro. Acaba morto por ela, que não suporta a sua pressão.

– núcleo de NÉLIO PORTO RICO (Alexandre Borges), proprietário da Cítara, agência que faz a publicidade da Centauro. Sujeito boa-praça, engraçado, às vezes desajeitado. Porém, extremamente profissional e exigente. Seu maior sonho era conseguir o contrato com a Centauro. Para tanto, teve que conquistar a confiança de Salviano. É quem percebe em Lucinha o potencial para tornar-se modelo. Ensina tudo a ela e a apresenta a Salviano como a moça que representará a Centauro nas passarelas. Desperta o interesse de Vilminha, que primeiro se apresenta a ele como TELMA, candidata a uma vaga de desenhista na Cítara. Aos poucos, Nélio vai se apaixonar por ela e envolver-se com seu problemas. Os dois acabam se casando:
a modelo GIGI (Cláudia Liz), sua namorada no início, com quem mantinha uma relação tempestuosa, mais pelo ciúme dela. Mesmo depois do fim do namoro, o persegue e não aceita sua relação com Vilma. Aos poucos, vai acabar esquecendo-o. Torna-se grande amiga de Lucinha, que vai morar com ela, e lhe ensina tudo sobre a profissão
o fotógrafo LOBATO (Henri Castelli)
a secretária VERINHA (Malu Valle).

– núcleo da Centauro, tecelagem de Salviano Lisboa:
o seu braço direito VALDIR (Tato Gabus Mendes), começou como um simples vendedor. Soube conquistar as graças do patrão, que hoje o considera como um filho. Muito eficiente no trabalho, acredita que fará parte da herança de Salviano, a quem é extremamente leal e dedicado. Interessa-se por Vilma, vislumbrando um casamento, mas ela o trata com desprezo
os assessores DJANIRA (Suely Franco), solteirona despachada, mantém um nada secreto desejo de casar-se com o patrão, que desconfia de suas intenções e procura tratá-la apenas como profissional,
ROGÊ (Walter Verve) e ESCOREL (Renato Rabello)
a secretária ELBA (Ana Paula Guimarães)
o copeiro TATU (Duda Ribeiro), amigo de Vilminha.

– núcleo de MILA (Betty Lago), amiga de Eunice, mulher moderna e espirituosa. Professora universitária de Filosofia, envolve-se com Válter, bem mais jovem que ela:
os filhos adolescentes: LU (Juliana Aguiar) e PEPÊ (Java Mayan).

– núcleo de CLÓVIS (Pedro Paulo Rangel), dono de um boteco em Marechal Hermes, um tipo pacato e sossegado:
a esposa OTÍLIA (Íris Bruzzi), dona de um salão de beleza. Por trás da fachada de mulher direita e moralista, há uma devassa que sai todas as tardes à caça de um amante. Tem um caso com o bicheiro Boca
a filha RITINHA (Camila Pitanga), moça bela, alvo do amor de Marciano. Ao longo da trama, envolve-se com Carlão e Vicente
o filho TENORINHO (Eri Johnson), sujeito malandro e bom de papo. Frequenta as praias da Zona Sul, onde joga futevôlei e se passa por playboy, usando outro nome, MARCELO
o menino de rua PASTEL (Diego Codazzi), faz chantagem com Tenorinho ao descobrir seu segredo na Zona Sul.

– núcleo de AURORA (Darlene Glória), ex-vedete que vive das boas lembranças do passado. Aluga quartos para moças em sua casa de Copacabana, entre elas Elizeth:
a inquilina DAGMAR (Juliana Silveira), companheira de quarto de Elizeth, garota de programa como ela.

– núcleo dos amigos clubbers de Vilminha:
DEINHA (Ana Furtado)
RAFA (Clara Garcia)
JOMINHO (Matheus Petinatti)
MICAELA (Vanessa Dantas).

Novela lançada com grande expectativa, por tratar-se do remake de uma obra clássica de Janete Clair (exibida entre 1975 e 1976), escrito por Glória Perez, sua pupila – com o qual pretendia-se prestar uma homenagem a Janete, cujo falecimento completava 15 anos em novembro de 1998, pouco antes da estreia.

Glória Perez atualizou a história, acrescentou novos personagens em tramas inéditas. Infelizmente o resultado ficou aquém do esperado e o remake passou longe de repetir o sucesso da versão dos anos 1970.

Francisco Cuoco, o taxista Carlão da novela original, retornou nessa nova versão como o empresário Salviano Lisboa.
O triângulo amoroso Carlão-Lucinha-Salviano, vivido aqui por Eduardo Moscovis, Carolina Ferraz e Francisco Cuoco, pouco interessou ao público. Diferente do que acontecera com o elenco original, onde cada personagem – Carlão (Francisco Cuoco), Lucinha (Betty Faria) e Salviano (Lima Duarte) – marcou a carreira de seu intérprete.

Além de enfrentar rejeição, Pecado Capital teve problemas que culminaram com uma crise nos bastidores: Carolina Ferraz e Francisco Cuoco, o par romântico Lucinha e Salviano, se desentenderam. Na época, foi noticiado que Carolina se negava a beijar Cuoco em cena. Para acalmar os ânimos, Glória criou um novo interesse amoroso para Salviano, Laura, personagem que não existia na novela original. Vera Fischer entrou então na novela para contracenar com Cuoco.

Por causa do quiproquó envolvendo os atores protagonistas, Glória Perez mudou o final da história. Na versão original, enquanto Lucinha casava-se com Salviano, Carlão era baleado nas obras do metrô, no Largo da Carioca, centro do Rio. Glória mudou para que Salviano ficasse com Laura, enquanto Carlão morria assassinado no metrô da Praça Cardeal Arcoverde, em Copacabana, e Lucinha chorava a sua morte.

Carolina Ferraz e Eduardo Moscovis estrelaram Pecado Capital graças ao sucesso do par romântico que viveram no trabalho anterior: Milena e Nando da novela Por Amor.

Betty Faria e Lima Duarte, do elenco da novela original, gravaram participações especiais afetivas neste remake. Betty participou como ela mesma, em uma cena em que dá dicas a Lucinha (Carolina Ferraz) sobre a carreira de modelo. Lima foi o assaltante que matou Carlão (Eduardo Moscovis), no último capítulo.

Mário Lago, em uma pequena participação, atuou nas duas versões da novela vivendo o mesmo personagem, o advogado que defende Eunice (Rosamaria Murtinho em 1975 e Cássia Kiss em 1998) no inquérito sobre o assalto ao banco.

Na novela original, a saudosa atriz Elza Gomes interpretou Bá, a governanta dos Lisboa. Nesta nova versão, a personagem foi vivida por Zilka Salaberry, em cujo quarto havia um retrato de sua mãe – uma foto de Elza Gomes, em uma homenagem à atriz.

Paloma Duarte interpretou Vilminha, personagem defendida na primeira versão por sua mãe, Débora Duarte.

Em 1975, Janete Clair batizou a irmã de Lucinha de Emilene (interpretada por Elizângela), homenagem dos pais da personagem às cantoras Emilinha Borba e Marlene. No remake, Glória Perez modernizou e a personagem passou a se chamar Clarelis (Leandra Leal), nome baseado nas cantoras Clara Nunes e Elis Regina.

Na primeira versão, Carlão encontrou oitocentos mil cruzeiros na maleta esquecida em seu táxi. Na nova novela, o valor foi atualizado para dois milhões de reais.

A música-tema da abertura era a mesma da novela dos anos 1970 – “Pecado Capital”, de Paulinho da Viola -, agora em uma gravação do grupo Só Pra Contrariar.

Em 1975, o núcleo pobre morava no bairro carioca do Méier. Na segunda versão, este núcleo foi transferido para outro bairro, Marechal Hermes. As gravações modificaram a rotina do lugar. Diversos moradores alugaram as fachadas de suas casas para a produção, outros trabalharam como figurantes. A equipe de cenografia criou ainda outros 16 complexos cenográficos para a novela, incluindo um trecho comercial de Marechal Hermes e a mansão de Salviano Lisboa, construídos na cidade cenográfica no Projac. (*)

Os figurinos (assinados por Helena Brício e Marina Alcântara) seguiram a concepção estética da novela: tinham como referência uma retratação poética do subúrbio, inspirada na Madri dos filmes do cineasta espanhol Pedro Almodóvar e no Rio de Janeiro descrito pelas histórias do escritor Nelson Rodrigues. Na criação dos figurinos, as figurinistas se empenharam, ainda, em distinguir o subúrbio de Marechal Hermes de Copacabana, na Zona Sul, também retratada na novela. (*)

Carlão (Eduardo Moscovis) era um tipo do povo, meio grosseirão, mas de bom coração, devoto de São Jorge. O personagem, em sua caracterização, vestia camisas lisas, usava uma barba cerrada e um cordão com um crucifixo, uma medalhinha de agnus-dei e uma figa. Sua noiva, Lucinha (Carolina Ferraz), usava roupas coladas. O vestido jeans e a calça pega-caranguejo fizeram sucesso entre as telespectadoras. Representando a típica mocinha do subúrbio, os cabelos de Lucinha eram longos, despontados com mechas douradas – para distanciar-se do look de Carolina Ferraz em seu trabalho anterior, a Milena de Por Amor, que usava cabelos curtos e escuros. (*)

Gloria Perez abordou questões sociais: próximo à praia onde Tenorinho (Eri Johnson) jogava futevôlei havia um posto fictício onde pessoas reais davam depoimentos denunciando a impunidade. Entre elas, estavam a mãe do estudante Frederico Guimarães – morto em novembro de 1998 por uma gangue em Ipanema -, e Raimundo Pereira, do grupo Atobá, que lutava pelos direitos dos homossexuais. Também participaram da novela as vítimas da tragédia do edifício Palace 2, que desabou em fevereiro de 1999.

Por meio do drama vivido pela personagem Rafa, amiga de Vilminha (Paloma Duarte), que descobre que tem câncer, a autora desenvolveu mais uma campanha social na história. A atriz Clara Garcia, que teve de raspar a cabeça em função do papel, visitou alguns hospitais especializados em câncer e acabou conquistando a simpatia das crianças internadas. Glória Perez aproveitou o fato e fez com que a personagem também passasse a visitar hospitais. Para a autora, mostrar a imagem da atriz sem os cabelos, mas com tatuagens na cabeça, era uma forma de fazer com que as crianças lidassem melhor com a perda dos cabelos provocada pelo tratamento da doença. (*)

Primeira novela dos atores Henri Castelli e Márcio Kieling e das atrizes Juliana Silveira e Ana Furtado.
Primeira novela na Globo do ator Jiddú Pinheiro.

A novela nunca foi reprisada. Em 2013, foi cogitada – e chegou a ser anunciada – para reprise no Viva (canal de TV por assinatura pertencente à Rede Globo). Porém, mediante várias reclamações de assinantes do canal, a sua reprise foi substituída pela da novela Anjo Mau (o remake de 1997).

Outros três sucessos de Janete Clair também foram reeditados: Selva de Pedra (de 1972), em 1986; Irmãos Coragem (de 1970-1971), em 1995; e O Astro (de 1977-1978), em 2011.

(*) Site Memória Globo

Trilha Sonora Nacional

01. PECADO CAPITAL – Só Pra Contrariar (tema de abertura)
02. JUVENTUDE TRANSVIADA – Luiz Melodia (tema de Ritinha)
03. SHAKE BOOM – Vinny (tema de Clarelis)
04. PRA PODER TE AMAR – Martinho da Vila (tema de Clóvis e Otília)
05. MERCEDES BENZ – Edson Cordeiro (tema de Nélio)
06. SÁBADO À NOITE – Cidade Negra (tema de Vicente)
07. O GOSTO DO AZEDO – Rita Lee (tema de Vilminha)
08. TIMONEIRO – Paulinho da Viola (tema de Carlão)
09. PIERROT – Marina (tema de Eunice)
10. É PRECISO SABER VIVER – Titãs (tema de Lucinha)
11. SEM ESSA DE MALANDRO AGULHA – Zeca Pagodinho (tema de Tenorinho)
12. EL DIA QUE ME QUIERAS – Luis Miguel (tema de Salviano)
13. QUANDO PAREI NO SINAL – João Nogueira (tema de locação)
14. NÃO SE ESQUEÇA DE MIM – Nana Caymmi (tema de Vitória)

ainda
MELÔ DA CUÍCA (tema das vinhetas de intervalo)

Trilha Sonora Internacional

01. FEELIN’ (LOVE TO INFINITY REMIX) – Gloria Estefan (tema de Clarelis)
02. I WANT TO KNOW WHAT LOVE IS – Tina Arena (tema de Laura)
03. IN ASSENZA DI TE – Laura Pausini (tema de Lucinha e Salviano)
04. WHENEVER YOU’RE NEAR ME (WHENEVER YOU’RE WITH ME) – Ace of Base (tema de Ritinha)
05. THE BOY IS MINE – Brandy & Monica
06. THE ROCKAFELLER SKANK – Fatboy Slim (tema de Nélio)
07. WHAT CAN I DO – The Corrs
08. YOU BELONG TO ME – Kivi Treet (tema de Djanira)
09. CARELESS WHISPER – Tamia (tema de Carlão e Lucinha)
10. WE LIVE – Bosson (tema de Vicente)
11. IF YOU COULD READ MY MIND – STARS ON 54 – Ultra Nate, Amber & Jocelyn Enriquez
12. DAYS OVER DAYS – Union of Souls
13. I LOVE YOU – Debelah Morgan (tema de Vilminha e Nélio)
14. STAND BY ME – 4 The Cause
15. TO MAKE YOU FEEL MY LOVE – Roy Driftwood (tema de Virgílio e Clarelis)
16. DOLANNES MELODIES (FLUTE PAN) – Due Angeli (tema de Vilminha)

Sonoplastia: Nelson Zeitoune
Produção Musical: André Sperling
Direção Musical: Mariozinho Rocha
Seleção Musical da Trilha Internacional: André Werneck e Hélio Costa Manso

Tema de Abertura: PECADO CAPITAL – Só Pra Contrariar

Dinheiro na mão é vendaval, é vendaval
Na vida de um sonhador, um sonhador
Quanta gente aí se engana
E cai da cama com toda ilusão que sonhou
E a grandeza se desfaz
Quando a solidão é mais
Alguém já falou

Mas é preciso viver
E viver não é brincadeira não
Quando o jeito é se virar
Cada um trata de si
Irmão desconhece irmão
E aí, dinheiro na mão é vendaval
Dinheiro na mão é solução
É solidão…

Veja também

  • pecadocapital75_logo

Pecado Capital (1975)

  • selvadepedra86

Selva de Pedra (1986)

  • irmaoscoragem95

Irmãos Coragem (1995)

  • astro2011_logo

O Astro (2011)