Sinopse

Um acidente automobilístico em direção a São Paulo põe a única sobrevivente, Marcela, em contato com a família do motorista, Osmar, um amigo. Ela é confundida com Júlia, a noiva do rapaz, que também morrera. Grávida, fugindo do passado em Minas Gerais, e para não ficar desamparada em uma cidade onde não conhece ninguém, Marcela apresenta-se como noiva de Osmar. A moça passa, então, a desfrutar de todas as regalias da rica família, liderada pela matriarca Bruna, que a recebe com desconfiança, e pelo simpático Gustavo.

Edgar, o filho mais velho de Bruna e Gustavo, apaixona-se pela falsa cunhada e, antes que possam completar essa união, Marcela reencontra uma antiga paixão de Minas: Paulo, o pai de sua bebê. Paulo a conheceu em uma boate de strip-tease, onde Marcela se apresentava como Roseli. Porém, ela não sabia que ele mesmo mentira seu nome: Paulo é na realidade Renato, namorado da modelo Amanda, que havia se tornado sua amiga em São Paulo e com quem ela dividia um apartamento com outras duas modelos, Dorinha e Veroca.

Do outro lado da história está Rebeca, uma rica empresária que se vê obrigada a cuidar da confecção que herdou do marido após sua morte, mesmo não entendendo nada do negócio. Ela é assediada insistentemente por seu assessor Márcio, mas descobre o amor sincero de Gino, segurança em sua fábrica. Rebeca ainda toma conta da vida afetiva de seu único filho, o irresponsável Jorge Luís, impedindo seu envolvimento com a simplória Nadir, copeira da empresa, e com Veroca, modelo interesseira que desfilava suas confecções.

Globo – 19h
de 8 de setembro de 1980
a 25 de abril de 1981
191 capítulos

novela de Cassiano Gabus Mendes
escrita por Cassiano Gabus Mendes e Silvio de Abreu
direção de Mário Márcio Bandarra
direção geral de Jardel Mello e Reynaldo Boury
supervisão de Gonzaga Blota

Novela anterior no horário
Chega Mais

Novela posterior
O Amor é Nosso!

ELIZABETH SAVALA – Marcela / Roseli
CLÁUDIO MARZO – Edgar
JOSÉ WILKER – Renato / Paulo
MARIA CLÁUDIA – Amanda
EVA WILMA – Rebeca
PAULO GOULART – Gino
MILA MOREIRA – Dorinha
LÚCIA ALVES – Veroca
NEUZA AMARAL – Bruna
JOSÉ LEWGOY – Gustavo
PAULO GUARNIERI – Jorge Luís
SOLANGE THEODORO – Nadir
JOHN HERBERT – Márcio
MYRIAN PÉRSIA – Bianca
ARY FONTOURA – Raul
CLEYDE BLOTA – Yara
SURA BERDITCHEVSKY – Lidia
MÁRIO GOMES – Ângelo
ELIZÂNGELA – Sandra
HERALDO GALVÃO – Zeca
SÍLVIA SALGADO – Melina
EDSON CELULARI – Kurlan
ANGELINA MUNIZ – Cláudia
MARIA HELENA DIAS – Luísa
EDUARDO CONDE – Francis
MÁRIO LAGO – Cristiano
MONAH DELACY – Irene
LÍDIA MATTOS – Zenaide
FELIPE CARONE – Clóvis
ELOÍSA MAFALDA – Zeni
NESTOR DE MONTEMAR – Padre Clodovil
WÁLTER STUART – Seu Chico
ELZA GOMES – Dona Nina
e
ALCEBÍADES BANDEIRA – empregado do condomínio
ANTÔNIO POMPEO – amigo de Renato nos primeiros capítulos
BRANDÃO FILHO – Adolfo
CARLOS GREGÓRIO – médico que cuidou de Marcela no acidente do início da novela
CRISTINA ACHÉ – Júlia (amiga de Marcela de Belo Horizonte, noiva de Osmar, morre no acidente do início da novela)
CRISTINA PROCHASKA
DINA FLORES
ILKA SOARES – Marilena Galvão
ÍSIS DE OLIVEIRA – Biba (modelo)
LÍDIA IÓRIO – Mercedes
LÍGIA RINELLI
MARINI – mordomo de Gustavo
MILTON MORAES
NELSON DANTAS – médico que cuidou de Marcela no acidente que lhe causou a morte, no final da novela
ROGACIANO DE FREITAS – Adauto (patrão de Roseli em Belo Horizonte)
SOLANGE MASCARENHAS – empregada de Gustavo
STEPAN NERCESSIAN – Osmar (filho de Bruna e Gustavo, irmão de Edgar e Melina, morre no acidente do início da novela)
VERA BRITO – Isaura (secretária de Rebeca na empresa)
Paulinha (bebê de Marcela/Roseli e Renato/Paulo)

– núcleo de MARCELA (Elizabeth Savala), sozinha no mundo, trabalhava em Belo Horizonte, em uma boate onde era conhecida como ROSELI. Grávida, em busca de vida nova, parte para São Paulo com a amiga JÚLIA (Cristina Aché, participação) e o noivo dela, OSMAR (Stepan Nercessian, participação). Mas um acidente no caminho mata o jovem casal e Marcela é levada aos pais do rapaz, que pensam que ela é a noiva do filho e que a criança que ela espera é neta deles. Marcela se faz então passar pela amiga, planejando revelar a verdade em breve. Sua filha nasce e recebe o nome de PAULINHA.

– núcleo das modelos, com quem Marcela vai morar em São Paulo:
DORINHA (Mila Moreira), a mais experiente e sensata delas, uma excelente profissional, atuando como instrutora das mais novas. Acha que não tem sorte na vida amorosa
AMANDA (Maria Cláudia), jovem de garra, leal e dedicada,
VEROCA (Lúcia Alves), destrambelhada, avoada, inconsequente e ambiciosa. A mais engraçada
FRANCIS (Eduardo Conde), diretor da agência de modelos, vai envolver-se com Dorinha
e LUÍSA (Maria Helena Dias), também atua na direção da agência. Mulher exigente e autoritária. Descobre o passado de Marcela e vai usar essa informação a seu favor.

– núcleo de EDGAR (Cláudio Marzo), irmão de Osmar, apaixona-se por Marcela. É alvo da chantagem de Luísa, apaixonada por ele, que não quer vê-lo envolvido com Marcela:
os pais: GUSTAVO (José Lewgoy), homem alegre e bondoso, recebe Marcela de coração aberto,
e BRUNA (Neuza Amaral), sisuda, preconceituosa e severa, recebe Marcela com desconfiança. Com o nascimento de Paulinha, se enche de amores pela criança, achando que é sua neta
a irmã mais nova MELINA (Silvia Salgado), aspirante a modelo.

– núcleo de RENATO (José Wilker), que envolveu-se com Marcela em Belo Horizonte, para quem ele se apresentou como PAULO. É o pai da filha dela, Paulinha. De temperamento irrequieto, desaparece de casa por longas temporadas, sem dar satisfação. Vive buscando um caminho a seguir na vida. Em São Paulo, Marcela descobre que Renato é o namorado de sua amiga Amanda:
os pais: RAUL (Ary Fontoura), não aceita a vida que ele leva e o trata sempre com seriedade, o que gera conflito entre eles,
e YARA (Cleyde Blota), a apaziguadora. Incentiva a liberdade dos filhos
a irmã LÍDIA (Sura Berditchevsky), aspirante a modelo que não obtém sucesso, pois é baixinha.

– núcleo da família de Amanda, gente humilde, moradores da periferia:
os pais: CLÓVIS (Felipe Carone), propagandista de remédios, passa o dia inteiro andando pelas ruas e está sempre cansado. Não gosta da ideia de Amanda ser modelo e se chateia ainda mais por ela ter saído de casa,
e ZENI (Eloísa Mafalda), mulher esforçada, bem humorada e de bom caráter
o irmão ÂNGELO (Mário Gomes), mulherengo, é disputado por três belas jovens, entre elas Lídia
a irmã NADIR (Solange Theodoro), tímida e retraída, se acha feia e sem graça. Copeira em uma tecelagem
o PADRE CLODOVIL (Nestor de Montemar), frequentador da casa. Glutão, sempre aparece à hora das refeições.

– núcleo de CLÁUDIA (Angelina Muniz), modelo, ex-noiva de Edgar, vai apaixonar-se por Ângelo e disputá-lo com duas outras moças:
os pais CRISTIANO (Mário Lago), empresário bem sucedido, é um homem rígido, espera que a filha faça um bom casamento,
e IRENE (Monah Delacy), dondoca, amiga de Bruna.

– núcleo de REBECA (Eva Wilma), uma bela mulher. Com a morte do marido, herdou uma tecelagem, deixou de ser dondoca e decidiu assumir os negócios da família. Divide suas atenções entre a fábrica e o filho, a quem vigia de perto:
o filho JORGE LUÍS (Paulo Guarnieri), um playboy inconsequente e mulherengo incorrigível. A mãe até tenta fazê-lo trabalhar ao seu lado, mas não obtém sucesso. Apaixona-se pela simplória Nadir, que trabalha como copeira na fábrica. Entre os planos de Rebeca para melar o namoro, está Veroca. Mas logo se arrepende também de tê-la envolvido com o filho, já que a modelo está mais interessada no dinheiro da família
a amiga e confidente ZENAIDE (Lídia Mattos), que mora em sua mansão
o sobrinho de Zenaide, KURLAN (Edson Celulari) que vem de Santa Catarina para tentar uma carreira de modelo. Apaixona-se por Melina.

– núcleo de MÁRCIO (John Herbert), executivo da empresa de Rebeca, interesseiro, puxa-saco e apaixonado por ela. Faz de tudo para chamar a atenção da patroa:
os filhos ZECA (Heraldo Galvão), rapaz bem humorado, toca violão, é apaixonado por Amanda no início,
e SANDRA (Elizângela), gosta de cantar e pensa em seguir carreira artística. Garota impulsiva e determinada. Apaixonada por Ângelo, disputa o rapaz com Lídia e Cláudia.

– núcleo de GINO (Paulo Goulart), segurança na tecelagem de Rebeca, apaixonado pela patroa. Um italiano simples e de bom coração. Mora no térreo do edifício onde também residem Márcio e as modelos. Desperta o amor de Rebeca e Márcio faz de tudo para separá-la dele:
a irmã solteirona BIANCA (Myrian Pérsia), tímida, tem uma paixão platônica por Márcio, que nem repara nela
a vizinha DONA NINA (Elza Gomes), chata, fofoqueira e reclamona
o porteiro SEU CHICO (Wálter Stuart), um senhor lerdo e meio surdo que vive trocando os recados dos moradores, causando muita confusão.

A espinha dorsal de Plumas e Paetês – a trama de Marcela (Elizabeth Savala), que se infiltra em uma família rica assumindo outra identidade – era a mesma de uma antiga novela da TV Tupi: A Intrusa (1967), que contava exatamente a mesma história.

Cassiano Gabus Mendes reuniu mais uma vez a dupla Eva Wilma e John Herbert, do antigo seriado Alô, Doçura!, que ele mesmo escreveu e dirigiu na TV Tupi, entre 1953 e 1964. À dupla, uniram-se Paulo Goulart e Myrian Pérsia, formando um divertido quadrilátero amoroso.

Plumas e Paetês não ia lá muito bem no Ibope quando Cassiano Gabus Mendes sofreu um enfarte (em 11/01/1981), ficando impossibilitado de levar a novela adiante. Foi então eficazmente substituído por Silvio de Abreu, que assumiu o texto a partir do capítulo 138 (um mês depois do enfarte de Cassiano). Silvio provocou algumas alterações na trama e concluiu Plumas e Paetês alavancando a audiência da novela. (“Gabus Mendes: Grandes Mestres do Rádio e Televisão”, Elmo Francfort)

Ao livro “Autores, Histórias da Teledramaturgia” (do Projeto Memória Globo), Silvio de Abreu contou que Cassiano, mesmo sem conhecê-lo pessoalmente, o indicou para continuar a novela. Neste depoimento, Silvio afirma ter assumido a novela no capítulo 103. Ele se reuniu com sua esposa, Maria Célia, em um fim de semana e o casal leu os mais de cem roteiros para se inteirar (eles não assistiam à novela). Em uma semana, Silvio entregou 6 capítulos à produção.

O supervisor de direção, Gonzaga Blota, também teve problemas de saúde e foi afastado da novela.

Foi a primeira vez que Cassiano Gabus Mendes conseguiu desenvolver uma novela em sua terra natal, São Paulo. Todas as anteriores, por imposição da Globo, se passavam no Rio de Janeiro.
Não era a primeira ocasião que uma novela das sete da Globo era ambientada na capital paulista. Porém, foi a primeira vez em que locações paulistanas foram fartamente usadas em uma novela das sete, uma prática que se tornou comum na faixa a partir de então. Serviram de locação para Plumas e Paetês vários lugares que estavam na moda na capital paulista e que revelavam os padrões da sociedade de consumo da época.

Um destaque foi Lúcia Alves, como a divertida manequim (modelo) Veroca, que chamou para si toda a atenção dos telespectadores ao disputar com a simplória Nadir (Solange Theodoro) o amor – e o dinheiro – do playboy mulherengo Jorge Luís (Paulo Guarnieri).

Maria Cláudia havia perdido para a atriz Débora Duarte o papel de Catucha, uma das protagonistas da novela das oito da época, Coração Alado. Como consolação, Maria Cláudia ganhou Amanda, uma das modelos protagonistas de Plumas e Paetês.

Estreia de Eva Wilma e Paulo Guarnieri na Globo. Os dois vinham das novelas da TV Tupi (que encerrara suas atividades pouco antes, em julho de 1980).

De acordo com o depoimento de Eva Wilma a Flávio Ricco e José Armando Vannucci, para o livro “Biografia da Televisão Brasileira”, a atriz havia sido inicialmente reservada para a novela das oito Coração Alado, enquanto Irene Ravache iria para Plumas e Paetês viver a personagem Rebeca. Como Coração Alado estrearia antes e Eva tinha compromissos com teatro, a Globo a deixou para a novela das sete, substituindo Irene Ravache.

José Wilker voltava a atuar na televisão, após um hiato de quatro anos sem aparecer em novelas. A última havia sido Anjo Mau, em 1976, também de Cassiano Gabus Mendes, na qual o ator tivera problemas.

O último capítulo terminava com um desfile na Gallery, sofisticada casa noturna de São Paulo na época, com a presença, entre outros, do costureiro Clodovil Hernandes. Ao final, o cantor e bailarino Ronaldo Resedá cantou a música-tema de abertura da novela enquanto as modelos do elenco desfilavam.

O figurinista Marco Aurélio se preocupou em criar estilos bem diferentes para as personagens da novela. Dorinha (Mila Moreira) tinha uma personalidade forte e suas roupas tinham um toque engraçado e original. Já Lídia (Sura Berditchevsky) sofria por não ser alta e ter pouco jeito para desfilar, dando margem a um lado mais cômico: ela acabava escolhendo tudo o que estava na moda, mesmo sem saber se combinava com seu tipo físico. Amanda (Maria Cláudia) seguia uma linha exuberante. Enquanto Veroca (Lúcia Alves) tinha um visual mais sensual e arrojado – seu rabo de cavalo penteado na lateral fez sucesso.
Dona de uma fábrica de jeans, Rebeca (Eva Wilma) representou o universo de confecção e produção de moda. A executiva se vestia com roupas clássicas, práticas, com peças básicas incrementadas por toques de sofisticação. (Site Memória Globo)

Único trabalho na Globo do então ator e músico Heraldo Galvão, irmão de Fábio Jr., pai do ator Guilherme Boury (de seu casamento com a a atriz e novelista Margareth Boury).

Por seu papel na novela, Paulo Guarnieri foi eleito pela APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) o ator revelação na televisão em 1981 (juntamente com então garoto Ulisses Bezerra, pela novela Os Imigrantes, da TV Bandeirantes).

O cantor, compositor e produtor musical americano Davitt Sigerson, aproveitando a repercussão de sua música “I Never Fall in Love” (da trilha internacional da novela), veio ao Brasil e fez uma participação em Plumas e Paetês, cantando seu hit em uma festa. (“Teletema, a História da Música Popular Através da Teledramaturgia Brasileira”, Guilherme Bryan e Vicent Villari)

Antes de se lançar como atriz, Silvia Pfeifer foi uma modelo de sucesso. Com outras manequins, ilustrou a abertura de Plumas e Paetês.

O alfabeto que originou o logotipo da novela é criação de Hans Donner e sua ex-mulher Sylvia Trenker, artistas gráficos – ele, responsável pelas aberturas dos programas da TV Globo. O desenho da capa do LP “Plumas e Paetês Internacional” é de Sylvia, que, com o seu traço característico criou várias vinhetas para a Globo na época.

O primeiro título pensado para a novela foi Carrossel de Ilusões. (“Almanaque da TV”, Bia Braune e Rixa)

Em 2010, Maria Adelaide Amaral adaptou Ti-ti-ti, de Cassiano Gabus Mendes, em uma nova versão desta novela. Às tramas da Ti-ti-ti original, juntaram-se também personagens e tramas de Plumas e Paetês – as duas novelas têm em comum o universo da moda como pano de fundo.
De Plumas e Paetês, a autora retirou a história de Marcela-Renato-Edgar e também a trama do casal Rebeca e Gino. No remake, estes personagens foram vividos pelos atores Ísis Valverde, Guilherme Winter, Caio Castro, Christiane Torloni e Marco Ricca, respectivamente.

Plumas e Paetês foi reapresentada no Vale a Pena Ver de Novo, de 03/01 a 02/09/1983.
A novela praticamente não foi editada para essa reprise, o que era raro na época. De seus 191 capítulos originais, teve cerca de 180 no horário da tarde.

O mundo da moda também serviu de pano de fundo para outras produções, como as novelas Ti-ti-ti (1985-1986 e 2010), Top Model (1989-1990), Razão de Viver (1996), Um Anjo Caiu do Céu (2001), Desejos de Mulher (2002) e Verdades Secretas (2015), e a minissérie Sex Appeal (1993).

Assumir a identidade de uma amiga – desaparecida ou dada como morta – é um filão já bastante explorado em nossa Teledramaturgia. Além de A Intrusa (1967): Vida Roubada (1983-1984), Cara e Coroa (1995-1996), Pérola Negra (1998-1999), Esplendor (2000), e outras.

Trilha Sonora Nacional

01. NOSSO ESTRANHO AMOR – Marina e Caetano Veloso (tema de Amanda e Renato)
02. NOVA MANHÃ – 14 Bis (tema de Jorge Luís e Nadir)
03. QUEM TEM A VIOLA – Boca Livre (tema de Renato)
04. QUERO QUERO – Cláudio Nucci (tema de Gino)
05. DE ONDE VEM – Black Rio (tema de Veroca)
06. SEMENTE DO AMOR – A Cor do Som (tema de Lídia e Ângelo)
07. A MESMA PORTA – Gilson (tema de Dorinha)
08. PRÊT-À-PORTER – Robson Jorge (tema geral e tema da vinheta de “estamos apresentando”)
09. MEU AMIGO, MEU HERÓI – Zizi Possi (tema de Marcela)
10. FRACASSO – Gilliard (tema de Rebeca)
11. AROMA – Lúcia Turnbull (tema de Sandra)
12. MELÔ DE AMOR – Luiz Maurício (tema de Zeca)
13. TE DEI DEMAIS – Felipe Neto (tema de Marcela e Edgar)
14. PLUMAS E PAETÊS (A ÚLTIMA MODA) – Ronaldo Resedá (tema de abertura)

Trilha Sonora Internacional

01. I NEVER FALL IN LOVE – Davitt Sigerson (tema de Ângelo)
02. GIVE ME THE NIGHT – George Benson (tema de locação e dos desfiles de moda)
03. SHADOW IN THE SUN – Silvia Mason (tema de Melina)
04. NEVER KNEW LOVE LIKE THIS BEFORE – Stephanie Mills (tema de Cláudia)
05. THE STRANGERS – Genghis Khan (tema de Luísa)
06. NO NIGHT SO LONG – Dionne Warwick (tema de Marcela e Edgar)
07. MODERN GIRL – Sheena Easton (tema de Veroca)
08. SURE SHOT – Crown Heights Affair
09. MAGIA – Pippo y Monica (tema de Rebeca e Gino)
10. GOODNIGHT MY LOVE – Mike Pinera (tema de Renato e Amanda)
11. NOW’S THE TIME – Stephan (tema de Dorinha e Francis)
12. SUN OF JAMAICA – Goombay Dance Band (tema de locação e dos desfiles de moda)
13. SPECIAL LADY – Ray, Goodman and Brown (tema de Amanda)
14. DO RIGHT – Paul Davis (tema de Jorge Luís e Nadir)

Temas instrumentais das novelas Coração Alado e Plumas & Paetês

01. TAKE FIVE – Quartet (tema de Coração Alado)
02. PRÊT-À-PORTER – Robson Jorge (tema geral e tema da vinheta de “estamos apresentando” de Plumas e Paetês)
03. YOU´LL NEVER KNOW – Golden (tema de Coração Alado)
04. SQUASH – Robson Jorge (tema de Plumas e Paetês)

Sonoplastia: Paulo Ribeiro
Pesquisa de Repertório: Lulu dos Santos
Direção de Produção: Guto Graça Mello

Tema de Abertura: PLUMAS E PAETÊS (A ÚLTIMA MODA) – Ronaldo Resedá

Você sabe? Você sabe?
Qual é a última moda da Terra
Você sabe? Você sabe?
O que é o grito, o que choca, o que berra?

Meu bem, agora o corte é profundo
Essa é a nova moda do mundo
Trocar de roupa é como trocar de marido
Pois o amor não vale mais que um vestido

Muito quepe, muita touca, muita boina
Mas por favor, não seja doidona
De se esquecer e de marcar
É na cabeça que se tem que usar

Você sabe? Você sabe?
Qual é a última moda da Terra
Você sabe? Você sabe?
O que é o grito, o que choca, o que berra?

Saias largas com pouca costura
Já que a última é a abertura
E se torture naquele macacão
Já que o quente é a ilusão

Muita boca, muita cara de modelo
Senão você acaba nua em pelo
E vê se faz aquela pose ao desfilar
Talvez assim você se torne superstar
E vê se faz aquela pose ao desfilar
Talvez até você se torne superstar…

Veja também

  • tecontei

Te Contei?

  • marron_glace

Marron-Glacé

  • elasporelas_logo2

Elas por Elas

  • champagne_logo

Champagne

  • tititi2010_logo

Ti-ti-ti (2010)