Sinopse

Neném, jogador de futebol de sucesso no passado, viu a carreira abreviada pela boemia e lesões no joelho. Em mais uma tentativa de voltar aos gramados, ele precisa viajar para fazer um teste em um time paulista. Paula, uma bem-sucedida empresária, quer contratar um modelo para uma nova linha de produtos, sua aposta para salvar a empresa da crise. Guilherme, médico renomado, vai receber na capital paulista mais um título de melhor cirurgião do país. E Flávia, dançarina de pole dance, depois de se envolver em um assalto, se passa por aeromoça para não ser pega pela polícia com uma mala cheia de dólares.

Ao saber que o aeroporto está fechado pelo mau tempo e que o único avião a levantar voo será o jatinho de Guilherme, Paula pede ajuda ao médico para chegar a tempo em São Paulo. Enquanto isso, o piloto reconhece o ídolo Neném e intercede para que ele possa viajar com eles. Flávia, que roubou um uniforme de aeromoça, faz parte da tripulação. A aeronave decola e o piloto tem um infarto durante o voo, o que faz o avião cair, em meio a uma tempestade, na mata fechada. Sem contato com a aeronave, equipes de salvamento são enviadas para o local.

No Rio, as respectivas famílias são avisadas do acidente. Dona Nedda (Elizabeth Savala), mãe de Neném, suas duas ex-mulheres, Jandira (Michele Machado) e Betina (Carol Garcia), com as respectivas filhas, Martina (Agnes Brichta) e Bianca (Sara Vidal), mais o agente Osvaldo (Marcos Caruso) correm para o aeroporto em busca de notícias. Lá, conhecem Rose (Bárbara Colen), mulher de Guilherme, Celina (Ana Lúcia Torre), mãe dele, e a médica amiga Joana (Mariana Nunes). Por último chegam, Ingrid (Nina Tomsic) e Tuninha (Jussara Freire), filha de Paula e sua governanta.

Após o acidente, os quatro viajantes se deparam com a Morte (A Maia) e recebem mais uma chance de vida. Porém, a Morte alerta que, em um ano, um deles vai de fato morrer. Em seguida, os quatro são encontrados vivos pelas equipes de emergência e retornam para suas famílias com muitas urgências. Neném precisa voltar a jogar e ganhar dinheiro para recuperar o salão de beleza de sua mãe, despejada por aluguel atrasado, e custear o tratamento de Bianca, a filha caçula, que tem um problema no coração. Além disso, precisa se safar das armações do irmão Roni (Felipe Abib), um boa-vida que acabou preso.

Guilherme precisa se acertar com o filho Antônio (Mateus Abreu) e com a mulher Rose (Bárbara Colen). Ela não aguenta mais o marido possessivo, mas também sofre por um amor do passado, que é justamente Neném, com quem namorou quando era modelo na Europa. Guilherme ainda precisa lidar com sua mãe Celina, tão controladora quanto ele, que não suporta a nora. A família de Flávia sequer sabia que ela estava em um avião. O pai Juca (Fabio Herford) é surpreendido quando a polícia a procura, acusada de roubar 20 mil dólares. Flávia participou do assalto para conseguir sua independência financeira.

Além das dívidas da empresa, Paula precisa melhorar sua relação com a filha Ingrid. A empresária volta determinada a derrubar Carmem Wollinger (Júlia Lemmertz), sua concorrente nos negócios, uma rixa que começou no passado, quando Paula se casou com o ex-namorado de Carmem, morto em um acidente. Desde então, Carmem promete se vingar de Paula, a quem culpa pela morte de seu grande amor. Paula ainda tenta administrar a incontrolável atração por Neném. A princípio, ela quer seu rosto para uma campanha, mas, com o tempo, percebe que deseja mais que um relacionamento profissional com o jogador.

Globo – 19 horas
de 22 de novembro de 2021
a 28 de maio de 2022
161 capítulos

novela de Mauro Wilson
escrita com Marcelo Gonçalves, Mariana Torres e Rodrigo Salomão
direção de Ana Paula Guimarães, Natalia Warth, Dayse Amaral Dias e Bernardo Sá
direção geral de Pedro Brenelli
direção artística de Allan Fiterman

novela anterior no horário
reprise de Pega Pega

novela inédita anterior
Salve-se Quem Puder

novela posterior
Cara e Coragem

VLADIMIR BRICHTA – Neném
GIOVANNA ANTONELLI – Paula Terrare (Eliete)
MATEUS SOLANO – Guilherme Monteiro
VALENTINA HERSZAGE – Flávia
BÁRBARA COLEN – Rose
JÚLIA LEMMERTZ – Carmem Wollinger
ELIZABETH SAVALA – Nedda
MARCOS CARUSO – Osvaldo
ANA LÚCIA TORRE – Celina Monteiro
TATO GABUS MENDES – Daniel Monteiro
JUSSARA FREIRE – Tuninha
MATHEUS ABREU – Tigrão (Antônio)
AGNES BRICHTA – Tina (Martina)
MARIANA NUNES – Joana
BRUNO CABRERIZO – Marcelo
FELIPE ADIB – Roni
STEPAN NERCESSIAN – Edson
MICHELI MACHADO – Jandira
CAROL GARCIA – Betina
SARA VIDAL – Bianca
FÁBIO HERFORD – Juca
LUCIANA PAES – Odete
NINA TOMSIC – Ingrid
CAIO MANHENTE – Gabriel
VALENTINA BANDEIRA – Cora
EVELYN CASTRO – Deusa
THARDELLY LIMA – Odaílson
ZEZEH BARBOSA – Tetê
NANY PEOPLE – Lurdes (Madame Lu)
A MAIA – a Morte
JAFFAR BAMBIRRA – Murilo
ANA HIKARI – Vanda
CAMILA ROCHA – Soraia
SUZY LOPES – Valdirene / Val da Pepita
MARCELO FLORES – Trombada
KARINA DOHME – Teca
SÉRGIO MENEZES – Chicão
PEDROCA MONTEIRO – Prado
FELIPE HINTZE – Torres
CRIDEMAR AQUINO – Delegado Nunes
TADEU MELLO – Nilton Braga
ALESSANDRO BRANDÃO – Chefe
ANDRÉ SILBERG – Leco
CARLOS SILBERG – Neco
FABRÍCIO ASSIS – Cabeça
DIEGO FRANCISCO – Denis
CAROL MARRA – Alice
GABRIEL SANCHES – Roberto
VAL ABRANCHES – Lorena

e
ADÍLIO como ele mesmo, jogador na peneira no Flamengo em que Tina participa
AKIN GARRAGAR – Lázaro (executivo da Terrare)
ALESSANDRO ANES – motorista do ônibus no qual Neném viaja quando Paula bloqueia a estrada de helicóptero
ALÉSSIO ABDOM – motorista do ônibus em que Tigrão pega carona de skate
ALEXANDRE MORENNO – juiz que inocentou Cora e Flávia na questão do roubo dos dólares
ALEX ESCOBAR como ele mesmo, entrevistando Neném algumas vezes, para o Globo Esporte
ALEX NADER – Conrado (miliciano em quem Cora e Flávia tentam aplicar um golpe)
ANNA PAULA BLACK – Vera Lúcia (professora da turma de Tina)
ARMANDO PAIVA – comerciante da Tijuca a quem Neném vende seus prêmios do passado
AUGUSTO MUCKE – drag queen com quem Betina pega o panfleto da boate e tem a ideia de dançar
BIANCA JOY – Nedda (jovem)
CÂNDIDO DAMM – Celso Terrare (falecido marido de Paula)
CARLOS SIMÕES – André Luis (oficial de justiça que informa a Nedda o despejo do salão)
CAROL MACEDO – Rose (jovem)
CLÁUDIO CINTI – homem no aeroporto que tem sua mala roubada por Flávia
DÉBORA LAMM – Drª Simone (advogada de Rose no divórcio com Guilherme)
DIEGO CRUZ – Zezinho da Van (se veste de São Judas Tadeu e distribui santinhos pelas ruas da Tijuca)
DIOGO NOGUEIRA – Zé do Pasto (namorado de Val da Pepita, no final)
EVANDRO MELLO – homem no bar a quem Flavia desafia para uma partida de sinuca valendo dinheiro
FRED GARCIA – Roni (criança)
FLÁVIA MILIONI – médica com quem Paula faz um procedimento na mama para avaliar um nódulo
GILLRAY COUTINHO – Jairo (piloto do avião que morre de infarto causando o desastre aéreo, no início)
GIULIA COSTA – Paula (adolescente)
INEZ VIANNA – Arlete Siqueira (juíza no divórcio de Guilherme e Rose)
INGRID GAIGHER – Leona Wollinger (sobrinha de Carmem)
ÍTALO VILLANI – Jura (um dos capangas de Roni na boate Pulp Fiction)
JACK BERRAQUERO – Claudinho Feijoada (chefe do morro a quem Conrado manda Neném entregar dinheiro)
JOÃO BRAVO – Neném (criança)
JOÃO FENERICH – Soares (médico da Clínica Monteiro Bragança)
JOELSON MEDEIROS – Jonas (encarregado de escolher o jogador para o exame antidoping)
JORGE VERCILO – garçom que atende Deusa e Odaílson no motel Arriba Karakas, no último capítulo
JOSÉ VICTOR PIRES – Roni (jovem)
JÚLIO LEVY – presidente do América, na reunião em que Paula assume o patrocínio do clube
LEONARDO ZANCHIN – Neném (jovem)
LOH como ela mesma, cantando na exposição de Toz
LÚCIO MAURO FILHO – Dr. Cardoso (advogado de Guilherme no divórcio com Rose)
MAÍRA SÁ RIBEIRO – Jandira (jovem)
MARCELO CAVALCANTI – importuna Flávia no jantar com Guilherme, pois lembra dela na boate
MARCELO MELO – Churumim (ex-jogador do Flamengo, agora responsável pelas peneiras)
MARCELO ROCHA PEREIRA – PM que prende Tigrão por pegar carona no ônibus de skate
MARIA SILVIA RADOMILLE – Regina (secretária da Clínica Monteiro Bragança)
MARIO FAINI – cliente na boate que arranja briga com Juca
NICOLAS AHNERT – Guilherme (jovem)
NUNES como ele mesmo, jogador na peneira no Flamengo em que Tina participa
OSVALDO BARAÚNA – Marcão (um dos capangas de Roni na boate Pulp Fiction)
PIERRE SANTOS – Edson (jovem)
RENATA BENICÁ – Odete (jovem)
RENATO LIVEIRA – Tucão (bandido a quem Roni se reporta)
ROBSON SANTOS – Peixoto (PM vascaíno que reconhece Neném em uma blitz)
SÉFORA RANGEL – Rute (diretora do colégio)
TOZ como ele mesmo, recebendo Cabeça e Bia em sua exposição, em São Paulo
VANDERSON PETÃO – policial na delegacia da Tijuca
ZÉ MÁRIO FARIAS – cliente no bar de Tuninha que assedia Paula adolescente, em flashback
Juca (jovem)
Osvaldo (jovem)

NENÉM (Vladimir Brichta), PAULA TERRARE (Giovanna Antonelli), GUILHERME MONTEIRO (Mateus Solano) e FLÁVIA (Valentina Herszage) não se conhecem. Os quatro são vítimas em um desastre aéreo, mas são poupados pela MORTE (A Maia) e ganham uma nova chance de vida. Porém, a Morte avisa: ao final de um ano, um deles morrerá. A partir daí, suas vidas se entrelaçam e mudam completamente.

– núcleo de Neném, nascido e criado na Tijuca, ex-ídolo do Flamengo e da seleção brasileira, com passagens por times da Europa. A rotina de noitadas e bebedeiras contribuiu para o declínio de sua forma física e consequente aposentadoria precoce dos gramados. Os problemas financeiros o obrigaram a voltar a morar com a mãe, as duas filhas e as mães de suas filhas, que vivem todas juntas. Em mais uma tentativa de voltar aos gramados, precisa viajar para fazer um teste em um time paulista. Porém, o acidente aéreo muda sua vida:
a mãe NEDDA (Elizabeth Savala), matriarca forte e altiva, é o coração da família. Adora os dois filhos acima de tudo. Cabeleireira, deu o nome do filho famoso ao seu salão de beleza, situado na Tijuca, o Neném Coiffeur. Com a crise financeira do filho, abraçou as noras como se fossem suas filhas. Também é louca pelas duas netas, filhas de cada namorada de Neném. Carrega a tristeza pelo sumiço do marido e sonha com a sua volta. Também sofre pelo filho mais novo, que está preso. É a responsável por ter transformado todos da família em fiéis devotos de São Judas Tadeu
o irmão RONI (Felipe Abib), rapaz problemático. Invocado, cresceu com inveja de Neném e deseja ter tudo o que o ele tem, mas sem se esforçar para isso. Depois de tanta encrenca, vai preso. Seu sonho é sair da cadeia para seguir perturbando a vida do irmão
o pai EDSON (Stepan Nercessian), que há anos saiu de casa como quem ia comprar cigarros e nunca mais voltou, abandonando a mulher e os filhos. Malandro, pouco afeito ao trabalho, retorna se fazendo de coitado, como se nada tivesse acontecido. Apesar da benevolência de Nedda e da parceria com Roni, reencontra Neném magoado consigo
as ex-namoradas, que moram na casa de sua mãe: JANDIRA (Micheli Machado), que convive em harmonia com a outra ex-namorada. Depiladora do salão, é uma mulher batalhadora. Na crise, arregaça as mangas e vai vender as “quentinhas do Neném” para ajudar no sustento da família,
e BETINA (Carol Garcia), retribui o carinho de toda a família, inclusive de Jandira. Fazia o tipo periguete e chegou por lá ainda grávida. Vive preocupada com a saúde frágil da filha. Quando a crise financeira aperta, deixa o serviço de manicure no salão para se tornar dançarina de pole dance
as filhas: MARTINA, a TINA (Agnes Brichta), a mais velha, filha com Betina. Tem o pai como ídolo e sonha seguir a carreira dele. Além do talento para os gramados, também tem a personalidade estourada do pai e não leva desaforo para casa,
e BIANCA (Sara Vidal), filha com Jandira. Por conta de uma malformação congênita no coração, se cansa rápido e sente falta de ar. Com isso, preocupa a todos, principalmente, o pai, que quer voltar aos gramados para custear o tratamento médico da filha
o amigo e agente OSVALDO (Marcos Caruso), uma espécie de segundo pai. Nunca se casou, vive dedicado à sua família e cultiva uma paixão platônica por Nedda. Com muito custo, consegue se declarar
a vizinha TETÊ (Zezeh Barbosa), fofoqueira, pão-dura e vaidosa. Sempre tenta pendurar os pagamentos pelos serviços no Neném Coiffeur. É apaixonada por Osvaldo e logo se mete entre ele e Nedda, quando percebe que os dois engatinham um romance
o técnico TROMBADA (Marcelo Flores), ex-jogador contemporâneo de Neném. Os dois se reencontram quando Neném vai jogar no América
a noiva de Trombada, TECA (Karina Dohme), periguete, tenta seduzir Neném. Seu sonho é fazê-lo quebrar a promessa de não se envolver com ninguém enquanto não voltar a jogar em um time profissional e marcar um gol
o jogador CHICÃO (Sérgio Menezes), apaixona-se por Betina.

– núcleo de Paula Terrare, mulher ambiciosa que não revela as histórias de seu passado. Ainda jovem, veio para o Rio de Janeiro onde conseguiu emprego como secretária na Terrare Cosméticos. Subiu na empresa e se casou com o presidente. Com a morte dele, assumiu a presidência e tornou-se uma megaempresária, competente e mandona, do tipo que adora ser odiada pelos próprios funcionários. Também mergulha de cabeça quando está apaixonada e é capaz de realizar as maiores loucuras por amor. De viagem a São Paulo para contratar um modelo para uma nova linha de produtos, sofre o desastre aéreo onde também está Neném. Os dois vão viver uma atribulada paixão:
a filha INGRID (Nina Tomsic), jovem solitária e problemática que sofre com a pressão da mãe para agir e se vestir como ela
a governanta TUNINHA (Jussara Freire), conhece a fundo os seus segredos. Cuida de Ingrid com extremo amor e zelo. Ao longo da trama, é revelado que Tuninha é mãe de Paula
a arqui-inimiga CARMEM WOLLINGER (Júlia Lemmertz), presidente da Wollinger Comésticos, cuja sede fica no edifício ao lado do prédio onde está sediada a Terrare Cosméticos. Vigia a rival de sua própria sala, com um binóculo. Sonha acabar com o império de Paula, a quem culpa pela morte do grande amor de sua vida, o falecido marido da rival
o filho de Carmem, GABRIEL (Caio Manhente), retorna de Nova York, onde estudou mixologia. Ganha de presente da mãe um requintado bar para colocar seus conhecimentos em prática
o vice-presidente da Terrare MARCELO (Bruno Cabrerizo), mau caráter e oportunista, se faz amante de Paula, mas na verdade é aliado de Carmem. Ainda assim, dependendo da situação, muda de lado, para ficar aonde for mais vantajoso
os funcionários da Terrare: ALICE (Carol Marra), ROBERTO (Gabriel Sanches) e LORENA (Val Abranches), que morrem de medo de Paula e de perder o emprego.

– núcleo de Guilherme Monteiro, cirurgião renomado, herdeiro de uma família abastada. Filho único, tornou-se um adulto mimado e arrogante. Vive uma crise no casamento com a mulher e mantém com o filho uma relação distante. Embarca na viagem a São Paulo para receber, mais uma vez, o título de melhor cirurgião do país. Porém, o avião, onde também estão Neném e Paula, cai:
a mulher ROSE (Bárbara Colen), ex-modelo internacional, parou de trabalhar a pedido do marido. Sofisticada e viajada, teve uma vida de luxo graças ao casamento, mas carrega um amor mal resolvido. Quando desfilava na Europa, conheceu e viveu uma paixão avassaladora com Neném, mas que durou pouco por causa da vida boêmia que ele levava. Quando se separaram, reencontrou Guilherme, que logo a pediu em casamento. O acidente aéreo com o marido a faz reencontrar seu amor do passado, o que piora ainda mais seu casamento, que está em crise
o filho ANTÔNIO, conhecido na escola como TIGRÃO (Matheus Abreu), rebelde, vai estudar no colégio estadual na Tijuca depois de ter sido expulso de todos os colégios particulares onde estudou, na Zona Sul. Por lá, conhece Tina, por quem se interessa. Skatista, encontra no esporte a válvula de escape para a relação conturbada que tem com sua família, principalmente, com o pai
os pais: DANIEL (Tato Gabus Mendes), advogado aposentado. De temperamento pacífico, é quem apazigua os ânimos da casa, tem bom diálogo com o filho, a nora e o neto,
e CELINA (Ana Lúcia Torre), apesar de psicanalista, tem uma relação nada saudável com o filho único. Mima-o mesmo depois dele ter se tornado adulto. Controla seus passos, os da nora, e, aos poucos, vai ajudando a piorar a crise entre o casal. Megera, faz da vida da nora um inferno
a amiga JOANA (Mariana Nunes), que trabalha em sua clínica. Carrega uma paixão platônica por ele. Sonha montar uma ala para atendimento gratuito e tem apoio de Rose no projeto
a empregada DEUSA (Evelyn Castro), divertida, a cada refeição deixa escapar uma “verdade” sobre a família. Gosta de pagode, de cerveja e de sair à noite
o motorista ODAÍLSON (Thardelly Lima), arrasta asa para Deusa, que não resiste em ceder aos seus apelos
a ex-empregada VALDIRENE (Suzy Lopes), que foi cacho de Odaílson no passado. Após ter encontrado uma pepita de ouro em seu terreno, no Nordeste, retorna rica, como VAL DA PEPITA, para recuperar seu amor, rivalizando com Deusa.

– núcleo de Flávia, moça criada pelo pai, que foi abandonado pela mulher assim que ela nasceu. Dançarina de pole dance da boate Pulp Fiction, além de dançar, canta bem. Outro talento é se meter em confusão. Depois de se envolver em um assalto, se passa por aeromoça para não ser pega pela polícia com uma mala cheia de dólares. Estava no mesmo acidente aéreo que Neném, Paula e Guilherme. Vai desenvolver uma relação conturbada com Guilherme:
o pai JUCA (Fábio Herford), no passado, foi abandonado por ELIETE, mãe de Flávia, e criou sozinho a filha. Um tipo manso, é manipulado pela atual mulher e não impõe suas vontades. Escondido dela, dá seu jeito de ajudar a filha e tentar salvá-la das confusões em que se mete. Ao longo da trama, é revelado que Eliete é Paula, logo, a empresária é a mãe de Flávia
a madrasta ODETE (Luciana Paes), sustenta o lar vendendo quentinhas, já que o marido vive desempregado. Em constante atrito com a enteada, as duas não se suportam. Rivaliza com Betina quando ela começa a vender suas quentinhas. Põe o marido para trabalhar vestido de pato, anunciando as “Quentinhas Qüem Qüem”
os funcionários da Pulp Fiction, onde trabalha:
a dançarina CORA (Valentina Bandeira), que a convida a participar de um assalto no aeroporto. O golpe não dá certo, Cora acaba presa e fica louca para se vingar da parceira, que escapou da polícia. Na prisão, se envolve com Roni
o músico MURILO (Jaffar Bambirra), com quem se apresenta quando troca a barra de pole dance pelo palco. Apaixonado por ela, mas não é correspondido
a cantora e instrumentista VANDA (Ana Hikari), faz dupla com Murilo e sofre ao vê-lo se apaixonar por Flavia
a CHEFE (Alessandro Brandão), administradora da boate. Contrata Jandira para o lugar de Flávia no pole dance
os gêmeos LECO (André Silberg) e NECO (Carlos Silberg), irmãos de Cora, dois marginaizinhos. Ficam responsáveis por tentar enquadrar Flávia, a mando da irmã quando ela vai presa.

– demais personagens:
LURDES (Nany People), recepcionista do movimentado motel Arriba Karakas, point da pegação na Tijuca
NILTON BRAGA (Tadeu Mello), funcionário de um restaurante chique que vive levando calote dos fregueses
DELEGADO NUNES (Cridemar Aquino), investiga os golpes aplicados por Cora e Flávia
os policiais PRADO (Pedroca Monteiro) e TORRES (Felipe Hintze), dupla atrapalhada que investiga os crimes na área da delegacia em que atuam
os amigos de colégio de Tigrão, Tina e Bianca: SORAIA (Camila Rocha), rivaliza com Tina no futebol e no coração de Tigrão,
CABEÇA (Fabricio Assis) e DENIS (Diego Francisco).

Primeira novela solo de Mauro Wilson, roteirista experiente na televisão, de seriados e programas de humor a programas de auditório e de variedades. Em novelas, foi colaborador de Antônio Calmon em O Beijo do Vampiro (2002-2003) e Começar de Novo (2004-2005), e de Carlos Lombardi em Pé na Jaca (2006-2007).

A trama de Mauro Wilson foi inspirada em seu especial Os Amadores, de 2005, em que quatro homens de 40 anos se conheciam no CTI, com a morte clínica declarada, e tinham uma segunda chance de vida.
“Isso é um pouco do que tem na novela, mas como eu coloquei dois homens e duas mulheres, com idades diferentes, tenho um universo maior, muito mais rico. Também comecei a misturar os núcleos deles, vai virando um mundo só, o mundo dos quatro”, explicou o autor.

Mauro Wilson também não negou referências em outras obras suas, como os seriados Mulher Invisível, na relação de Neném (Vladimir Brichta) e Paula (Giovanna Antonelli); Aline, na personagem Flávia (Valentina Herszage); e A Grande Família, na família de Neném.

A novela foi aprovada antes da pandemia de Covid-19 e deveria estrear em julho de 2020, sob o título A Morte Pode Esperar. Com a pandemia, sua estreia acabou protelada (para final de 2021) e o título foi alterado para Quanto Mais Vida, Melhor!, a fim de evitar a associação com as mortes causadas pela pandemia.

Foi a última novela que estreou já praticamente pronta, gravada e editada, impedindo-a da intervenção do público – o que, talvez, teria melhorado seu desempenho no Ibope: foram 20 pontos de média na Grande São Paulo, considerada abaixo da esperada.

Mauro Wilson criou tramas que dosaram bem humor com folhetim rasgado, drama, romance e ação, ingredientes presentes na personagem que precisava de um transplante médico para sobreviver, na mulher indecisa entre o marido e uma paixão da juventude, nas paternidades e maternidades desconhecidas, na disputa entre duas concorrentes do ramo cosmético, nos vilões barra pesada e nos casais de alívio cômico.

Pena que o autor pesou a mão em dois personagens centrais, que fizeram a novela dar voltas no mesmo lugar. Guilherme, vivido por Mateus Solano, era taciturno em demasia e, muitas vezes, um marido tóxico. Um contraponto exagerado com os outros três protagonistas, calcados na leveza. Guilherme só se soltou após a troca de corpo com Flávia, quando passou a aceitar sua paixão pela dançarina.
Já Rose, papel de Bárbara Colen, empacou uma novela inteira com sua indecisão, crises de consciência e apatia, prejudicando dois protagonistas (Guilherme e Neném) e a própria repercussão da trama.
Ressalta-se que Mateus Solano e Bárbara Colen levaram seus personagens com bravura, profissionalismo e talento até o fim.

Por outro lado, Quanto Mais Vida, Melhor! também entregou leveza e bom entretenimento. A fase de troca de corpos entre os protagonistas foi um golpe de mestre do autor para levantar o moral da novela – que andava caído por causa da trama que andava em círculos. Foi um gás providencial para a reta final da história.
Mateus Solano como Flávia, Giovanna Antonelli como Neném e Vladimir Brichta como Paula fizeram o público se divertir, tanto com os cacoetes e trejeitos dos personagens que os atores precisavam reproduzir, quanto pelas situações inusitadas a que cada personagem foi obrigado a se submeter.
Valentina Herszage foi o descompasso, já que ficou com Guilherme, um tipo sem muitos recursos para trabalhar, a não ser a sisudez e a cara amarrada.
Destaque para as mudanças nos créditos da abertura: Mateus Herszage, Valentina Solano, Vladimir Antonelli e Giovanna Brichta.

No mais, uma galeria de tipos bem defendidos por seus intérpretes, com destaque para – além dos quatro protagonistas: Júlia Lemmertz (Carmem), Elizabeth Savala (Nedda), Ana Lúcia Torre (Celina), Jussara Freire (Tuninha), Fábio Herford (Juca), Luciana Paes (Odete), Evelyn Castro (Deusa), Thardelly Lima (Odaílson), Valentina Bandeira (Cora), Zezeh Barbosa (Tetê), Nany People (Lurdes) e Suzy Lopes (Valdirene).

Para narrar a trama de forma leve e descontraída, o diretor artístico Allan Fiterman lançou mão de diversos recursos de linguagem. Semanalmente, os protagonistas estrelavam clipes musicais em que interpretavam a mesma música, cada um com seu problema e em seu respectivo universo.
Por diversas vezes, os quatro apareceram em cena com a tela dividida, para evidenciar o que sentiam de forma simultânea, ou quando estavam acordando em um novo dia, representando a contagem regressiva para a morte de um deles.
A Morte – vivida pela atriz transexual A Maia – apareceu encarnada na figura de uma mulher linda e sedutora, mas que, graças a recursos de computação gráfica, à vezes surgia em uma superproporção em relação aos personagens mortais.
“A aparição dela é uma inspiração no filme Querida, Encolhi as Crianças, disse o diretor.

O ator Vladimir Brichta, que na novela viveu o jogador Neném, teve aulas de futebol. Nas cenas, a edição reuniu passes feitos por ele mesmo, alguns com dublês e outros com uma bola virtual.

O acidente de avião no primeiro capítulo foi gravado em um galpão de chromakey, só com as cadeiras do avião. A aeronave vista na novela era em 3D, inclusive paredes e teto. Não poderia ser feito em um avião real porque a câmera precisava de uma movimentação em 360º. Foi usada uma câmera robótica, que passava por todos os protagonistas, apresentando os quatro, em um plano sequência, rodando com eles, até a queda do avião.

As equipes de cenografia e produção de arte, lideradas por Anne Bourgeois e Eduardo Feijó, respectivamente, receberam da direção um briefing a respeito dos quatro protagonistas, que deveriam ter espaços bem marcados.
“O Neném, por exemplo, tem uma coisa mais vintage, suburbana, com muita vivência, com cor. O Guilherme, uma estética mais limpa. A Paula é o mundo do display. É aquela pessoa que parece que produz tudo para uma foto no Instagram. A vida dela é assim. E a Flávia é aquela menina desmiolada, inconsequente, que vive num mundo colorido e perigoso”, explicou Edu, acrescentando que a escrita de Mauro Wilson também encaminhou a produção desses espaços: “O estilo dele não é uma novela realista. Tem um pouco de linguagem dramática de história em quadrinhos. E a gente procurou achar um mundo meio estilizado dentro de um realismo da Tijuca”.

A casa de Nedda (Elizabeth Savala) foi inspirada em casas antigas típicas do bairro carioca da Tijuca.
“Tem uma azulejaria dentro da casa, a presença do art déco, dentro da paleta de tons terrosos. Apesar de ter toda aquela coisa tão afetuosa da casa da mãe, ali dentro habita uma certa decadência, habita também a amargura das derrotas”, contou Anne.
A boate Pulp Fiction e o motel Arriba Karakas foram trabalhados nos letreiros e iluminação em neon, tinham um visual futurista, dos anos 1970. Ainda na Tijuca cenográfica ficava o bar Karaokê. Feito com peças do acervo da Globo, ele tinha um teto todo feito de sapatos tipo Dancin’ Days, e uma pista de dança no meio, além de uma parede de capas de LPs. “Ali, temos referências desde Santa Teresa até Barcelona. Fomos misturando na nossa pesquisa coisas de karaokês mundo afora”, revelou Anne.
A mansão dos Monteiro Bragança ficava no Leblon, enquanto Paula morava em uma cobertura na Barra.
“O Guilherme (Mateus Solano) é um cara rico, bem-sucedido, narcisista. Ele tem o que é de melhor. A casa dele tem obras de arte, tem arquitetura, tem design brasileiro. Já a de Paula, que é uma nova rica, abusa nas cores e tudo”, comentou Eduardo.
“O cenário que eu mais me divirto é o cenário da Paula. Isso se deve ao fato de ela ser um pouco ‘color block’. Ela anda ou só de rosa, ou só de amarelo. Look total. Quando ela está de amarelo, a bolsa é amarela, o sapato é amarelo, o celular é amarelo. E aí, a gente começou a combinar a camisola que ela usa com a cor do suco que ela toma no café da manhã. Tudo nela tem esse jogo de cores. E a Terrare, a empresa, é também outra extensão da casa. Na sala de reuniões, a mesa com as cadeiras parece um estojo de canetinhas coloridas. Uma de cada cor, superbem definido, superbonito”, explicou Eduardo.
A sala de Carmem (Julia Lemmertz), presidente da Wollinger Cosméticos, tinha mais madeira, cor de pinho, mais natural e menos plástico e colorido que o universo de Paula.
A casa de Flávia (Valentina Herszage), que morava com o pai e a madrasta, não tinha nada que refletisse a sua personalidade.
“Ela é meio nômade. Mas a opção pela estética e pela paleta dela está na boate. A casa é do pai e da madrasta e tem lá suas histórias, o universo dos dois, daquela depressão crônica dele, parecem coisas mais velhas, é uma miscelânea”, definiu Anne.

A figurinista Natalia Duran comentou sobre a encomenda do diretor Allan Fiterman: “O Allan me deu uma paleta de cores para seguir com os protagonistas. A Paula Ferrari é look total. É meio anos 80, mas que está sempre voltando. Mas sugeri que em vez de ser só uma cor, trabalhássemos com cores muito vibrantes. Ela é luz, é positiva, e a Giovanna Antonelli carrega isso muito bem”.
Já Neném era um esportista tijucano, aquele do chinelo slide, da calça de helanca, estava sempre com uma camiseta de material mais sintético, de camiseta de esporte. “Tive dificuldade também, porque a maioria das roupas de esporte têm tons muito fortes. Eu tive que diminuir e abaixar o tom todo, porque o Allan o queria entre os marrons, ocres, mostardas; tons mais terrosos”, explicou Natalia.
Para montar o figurino de Guilherme, Natalia explicou que fez uma pesquisa pelo universo dos cardiologistas e usou como referência algumas séries americanas e levou para a novela um trench coat. Guilherme estava trabalhado no preto, nos cinzas e azuis, de camisaria, até os azuis marinho. Usava sempre um casaco sete oitavos, um casaco mais longo, tipo uma capa, uma parca; camisa, gravata e colete. Andava com calças retas, com um tênis azul marinho ou um tênis branco.
Natalia enxergou o figurino de Flávia como o de uma jovem de vanguarda. Seu guarda-roupa não era extenso, ela tinha poucas peças e muita atitude de composição de roupa, usava meia arrastão e botas acima do joelho, de dia. Não eram opções de roupa para sair de dia ou de noite.
Para montar o figurino de Carmem (Julia Lemmertz), Natalia desenvolveu várias peças de couro em parceira com marcas do Sul do país.
“Precisava que a Carmem fosse uma mulher que usasse jaquetas de couro, calça de couro, que usasse bota (…) Para o cabelo, a gente se inspirou na Tilda Swinton, mas eu queria esse clima meio Berlim nela, sabe? Eu queria essa coisa meio gélida, essa pessoa fria. Eu falei: ‘Julinha, você tem coragem de raspar o cabelo aqui? Vamos descolorir o seu cabelo?’”, descreveu Natalia, que contou com a adesão total da atriz.

Os produtores musicais Ricardo Leão e Daniel Tauszig explicaram como formataram a música-tema da abertura da novela, que mesclava quatro variações da 5ª Sinfonia de Beethoven:
“A gente pensou em uma música em que pudéssemos fazer, na mesma música, quatro gêneros diferentes, cada um correspondente a um protagonista. A música clássica e erudita para o Guilherme, o pop para a Paula, o rock para a Flávia e o samba para o Neném”, disse Ricardo Leão.
Quase 50 músicos estiveram envolvidos na produção do tema. Para gravar as cordas, a orquestra de São Petersburgo, da Rússia; para a percussão, André Siqueira e o percussionista carioca Mafram do Maracanã; e, para as guitarras do rock, os guitarristas Billy Brandão e Júlio Raposo.

AMARILLO – J. Balvin
BELIEVE – Jade Beraldo (tema de Paula)
BÉSAME MUCHO – Consuelo Velázquez e Andrea Bocelli
CAN´T GET YOU OUT OF MY HEAD – Ayrton Montarroyos (tema de Rose e Neném)
CAN´T GET YOU OUT OF MY HEAD – Kylie Minogue (tema de Rose e Neném)
CONVERSA MOLE – Xande de Pilares e Rael (tema de Neném)
DEIXA – Lagum (participação de Ana Gabriela)
DESCE PRO PLAY (PA PA PA) – MC Zaac, Anitta e Tyga
E ENTÃO – Ayrton Montarroyos (tema de Nedda e Osvaldo)
EL ALDEN – Bajofondo e Mala Rodríguez
ELA MANDA – Mumuzinho (tema de Juca e Odete)
ESQUADROS – Jaloo
EU QUERIA TER UMA BOMBA – Cazuza
FINAL FELIZ – Jorge Vercillo (tema de Odailson e Deusa)
GANGORRA – Haikaiss (tema do núcleo jovem)
NECESSARY EVIL – The Dresden Dolls (tema de Flávia)
PRETTY SAVAGE – Blackpink (tema da locação: boate Pulp Fiction)
QUANDO FUI SEU PAR – Jaffar Bambirra (tema de Murilo e Flávia)
QUELQU´UN M´A DIT – Carla Bruni (tema de Guilherme e Rose)
QUINTA SINFONIA (DE BEETHOVEN) – Daniel Tauszig e Ricardo Leão (tema de abertura)
RIDE IT – Geri Halliwell
SÓ TINHA DE SER COM VOCÊ – Elis Regina
TIJOLO POR TIJOLO – Alcione
TODA TODA – Castello Branco (tema de Ingrid)
TOGETHER – Sia (tema de Guilherme e Flávia)
VEM QUENTE QUE ESTOU FERVENDO – Duda Beat (tema de Paula)
VEM NENÉM – Harmonia do Samba (tema de Neném)
WEIRD FISHES / ARPEGGI – Radiohead

Veja também

  • cara_e_coragem

Cara e Coragem

  • bomsucesso

Bom Sucesso

  • verao90_1

Verão 90

  • rockstory

Rock Story