Sinopse

Cláudia mudou-se para Curitiba decidida a fugir do marido violento, Geraldo, e recomeçar a vida. Devido às constantes brigas do casal, a jovem perdeu a guarda da filha, a pequena Maria Carolina, para a cunhada Elisa. A menina é deixada pela tia impaciente em um orfanato e, durante uma fuga, conhece o Sr. Mazurgski, o Tio Zé, um velhinho bondoso que se encanta com ela, a quem chama carinhosamente de Laleska. Tio Zé é um artesão que faz brinquedos de madeira e que se torna o grande protetor de Maria Carolina. A menina ainda não sabe, mas tem uma doença grave.

Cláudia vai trabalhar em uma fábrica de brinquedos, onde se envolve com os herdeiros, os irmãos Lucas, por quem se apaixona, e Jorge, que faz tudo para conquistá-la. Eles são netos de Paula Candeias de Sá, que, ao se deparar com os desentendimentos dos rapazes, vê Cláudia como uma ameaça à paz em seu lar. Dona Paula deseja que um dos netos assuma o comando da empresa: Jorge, um médico de carreira promissora, ou Lucas, um playboy boa-praça que preferiu as farras aos estudos. O intuito maior de Paula é tornar Lucas uma pessoa responsável, mas o rapaz é vítima da inveja de Jorge.

Cláudia sofre com a ausência da filha e faz o possível para recuperar sua guarda. Mesmo já sendo casada, oficializa sua união com Lucas no intuito de custear o tratamento de Maria Carolina. Acusada de bigamia, passa a enfrentar um processo judicial, com risco de perder definitivamente a guarda da filha para Geraldo. Cláudia passa então a sofrer a perseguição do primeiro marido e de Jorge, que, rejeitado, se revela um homem inescrupuloso e perigoso, capaz de tudo para prejudicá-la.

Revelando um caráter doentio, Jorge procura, de todas as maneiras, separar Claudia de seu irmão, além de tentar afastar a avó da direção da empresa da família. Seus problemas psicológicos se agravaram quando descobriu que não é um legítimo Candeias de Sá, mas que, ainda criança, foi colocado no lugar do neto morto de Paula. Sua mãe biológica é a humilde Mariana, que está decidida a aproximar-se do filho, mesmo enfrentando a oposição de Paula, que esconde este segredo a sete chaves, e do próprio Jorge, que a despreza.

Globo – 18h
de 27 de setembro de 1993
a 14 de maio de 1994
197 capítulos

novela de Marcílio Moraes
escrita por Marcílio Moraes, Margareth Boury e Maria Adelaide Amaral
supervisão de texto de Lauro César Muniz
baseada nas novelas A Pequena Órfã e Ídolo de Pano de Teixeira Filho
direção de Reynaldo Boury, Roberto Naar e Marcelo Travesso
direção geral de Reynaldo Boury

Novela anterior no horário
Mulheres de Areia

Novela posterior
Tropicaliente

CAROLINA PAVANELLI – Maria Carolina (Laleska)

PATRÍCIA FRANÇA – Cláudia Lins
LEONARDO VIEIRA – Lucas Candeias de Sá
FÁBIO ASSUNÇÃO – Jorge Candeias de Sá / Armando Freitas
BEATRIZ SEGALL – Paula Candeias de Sá
ELIAS GLEIZER – Tio Zé (Roman Mazurgski)
DÉBORA DUARTE – Mariana Freitas
JOSÉ DE ABREU – Geraldo Vieira
NÍVEA MARIA – Elisa Vieira
ERI JOHNSON – Giácomo Madureira / Jaime Candeias de Sá (Pinta)
ISABELA GARCIA – Lúcia Guerra
WALMOR CHAGAS – Dr. Afrânio Guerra
YONÁ MAGALHÃES – Magnólia Guerra (Mag)
FLÁVIO GALVÃO – Dr. João Fontana
FRANÇOISE FORTON – Gilda Fontana
JAYME PERIARD – William Ferraz
CARLOS ALBERTO – Fiapo
CRISTINA MULLINS – Márcia
PRISCILA CAMARGO – Polaca
DANIELA CAMARGO – Francisca Fontana
GISELA REIMAN – Alice
ALEXANDRE LIPIANI – Luís Ortega
KARINA MELLO – Marília
ÂNGELO PAES LEME – Santiago Fontana
CLÁUDIA SCHER – Aída
MAURO MENDONÇA – Dr. Carlos Louzada
NAURA SCHNEIDER – Helena
TÂNIA LOUREIRO – Míriam
NEWTON MARTINS – Mercadoria
JORGE CHERQUES – Ivan
LINA FRÓES – Rosa
CLÁUDIA MAGNO – Jô (Josefina)
BERNADETE LYS – Júlia
SÉRGIO FONTA – Cunha
MAURO GORINI – Feriado
MARIA NATTARI (MAGUINHA) – Iracema
NEDIRA CAMPOS – Ângela
RENATA CASTRO BARBOSA – Carla

as crianças
CARMEN CAROLINE – Ximena
EDUARDO CALDAS – Chico
BETA MADRUGA – Taboinha
FABIANO MIRANDA – Trigo (Nivaldo)
LUIZA CURVO – Aninha
MARINA THOMPSON – Clara
SÉRGIO MANNARINO – Cacá (Carlos Alberto Ferraz)

e
ABRAHÃO RIBEIRO
AGNES FONTOURA – amiga de Paula, das obras de caridade
ALEXANDRE SALCEDO – office boy do Dr. Langoni, advogado amigo do Dr. Fontana
ALFREDO MARTINS – mestre de cerimônias na festa na qual Cláudia trabalhou, no início
ANDRÉA CAVALCANTI – moça que, a mando de Jorge, passa-se por amiga de Cláudia para enganar Lucas
ANDRÉA STELZER
ANDRÉ MUCCI
ANJA BITTENCOURT – policial com Maria Coralina quando Tio Zé é preso
ANTÔNIO FRAGOSO – funcionário do banco onde Polaca tem conta
ANTÔNIO VIANNA
ARMINDA PINHO
AUGUSTO GUTIERREZ – motorista do ônibus no qual Tio Zé viaja para o Rio atrás de Cláudia
BIANCA BLONDE
CARLOS KROEBER – Dr. Varela (advogado mancomunado com Jorge, acaba assassinado)
CARLOS SEIDL – investigador auxiliar do delegado Juarez
CASTRO GONZAGA – Giácomo Madureira (padrasto de Jaime, o falso Giácomo)
CECÍLIA LAGE – gerente da churrascaria onde Cláudia arranja trabalho quando foge para o Rio
CÉSAR AUGUSTO – funcionário da mansão dos Candeia de Sá
CÉVIO CORDEIRO – juiz da guarda de Maria Carolina
CLÁUDIA WAGNER
CLÁUDIO GABRIEL – marido do casal que deixou seu bebê com Elisa e Fiapo
CLAUDIONEY PENEDO – carcereiro quando Lucas vai preso
CLEYDE BLOTA – Verbena Ortega (mãe de Luís Ortega)
DARTAGNAN JÚNIOR – repórter que cobre o escândalo da morte de Varela na clínica do Dr. Fontana
DARY REIS – Machado (contratado por Jorge para achar uma casa no campo para ele, que servirá de cativeiro)
DÉBORA VIANA
DORA FERNANDES
EDUARDO CANUTO – Joel (candidato à compra da casa de Guerra, que está tentando vendê-la) / Mário (rapaz que Francisca leva ao bar da Polaca para fazer ciúmes em Giácomo)
EDUARDO PARANHOS – repórter na sala de Dr. Fontana, após Mariana assumir a culpa pela morte de Varela
ELIANE NARDUCHI – cliente de Madame Rastinova, golpe de Elisa como cartomante russa, no último capítulo
ÊNIO SANTOS – juiz que interroga Guerra
FÁTIMA PATRÍCIO
FERNANDA FERRAZ
FERNANDA MUNIZ – atendente no hospital
FLÁVIA ALESSANDRA – Inês (amiga de Carla, pretendente de Lucas depois que ele se separa de Irene)
FLÁVIO ANTÔNIO – escrivão da delegacia onde Lucas vai preso
GILBERTO PORTO – recepcionista no hotel barato onde Lucas se hospeda
GILSON MOURA – Cidão (bandido que faz o serviço sujo para William e Jorge)
GUILHERME ARANTES como ele mesmo, canta no bar da Polaca
GUILHERME CORRÊA – chefe de Cláudia na loja de sapatos, no início
GUTI FRAGA – gerente do hotel em que Cláudia se hospeda quando foge para o Rio com Maria Carolina
HAYDÉE MIRANDA – amiga de Paula, das obras de caridade
HÉLIO RIBEIRO – delegado Juarez (atua em várias ocorrências durante a trama, inclusive na investigação do assassinato de Jorge)
INGRID FRIEDMAN – criança no orfanato de Fiapo
JACYRA SAMPAIO – Dona Constância (amiga de Cláudia, do Rio de Janeiro, no primeiro capítulo)
JARBAS FONTENELLE – rapaz que Francisca usa para fazer ciúmes em Giácomo
JOÃO VIEITAS – Delegado Oscar (amigo de William, da delegacia para onde Lucas é levado após brigar em um bar)
JOMBA – Serafim (velho pescador com quem Lucas faz amizade, lhe dá conselhos sobre a vida)
JOSÉ AUGUSTO como ele mesmo, canta com Xuxa em um show para crianças, no último capítulo
JOSÉ AUGUSTO BRANCO – Aurélio Vaz (pai de Irene)
JOSÉ STEIMBERG – Milton Duarte (organizador do leilão dos bens de Paula)
JOYCE DE OLIVEIRA – parente de Paula, quando ela vai a um casamento em Londrina
JULIETA WILMAR
JÚLIO BRAGA – Xará (Amadeu Costa, amigo de Giácomo, esteve preso com Lucas)
JUSSARA CALMON – Raimunda (funcionária do orfanato de Fiapo)
KARLA NOGUEIRA – Lídia (secretária da Ludens)
KLEBER DRABLE – padre que realiza o casamento de Lucas e Cláudia
LARISSA QUEIROZ – Bruna (amiguinha das crianças da Rua das Flores)
LAURA DE LA ROQUE
LEONARDO BORGES
LEONARDO SERRANO – piloto do avião que Jorge aluga para fugir do país com Cláudia
LÉO WAINER – Ciro (marido de Fernanda, com quem se hospeda na casa de Fontana e Gilda)
LUCIANA CARVALHO
MANOEL THEODORO
MARA SANDES – Flávia (médica da clínica do Dr. Fontana)
MARCELO COUTINHO
MARIANNE EGBERT – Irene Vaz (namorada de Lucas quando ele e Cláudia estiveram separados)
MARIA TERESA MADEIRA – como ela mesma, pianista no concerto prestigiado pelos Candeias de Sá
MÁRIO FAINI – Felipe (advogado de Tio Zé, quando ele é preso por estar com Maria Coralina, no início)
MIGUEL ROSEMBERG – Dr. José Osvaldo (advogado dos Candeias de Sá)
MIRELA
MÍRIAN PIRES – Cecília (diretora do primeiro orfanato onde estava Maria Carolina, que pegou fogo)
MIWA YANAGIZAWA – gueixa no bordel japonês para onde Lucas é levado depois de ser dopado por Zé Carlos
MOACYR ALVES
MONIQUE MARQUES
MONIQUE LAFOND – Clarisse Vaz (mãe de Irene)
MYRIAN PÉRSIA – Nilda Varela (viúva do Dr. Varela)
NARDEL RAMOS – motorista de Cacá, quando ele convida as crianças da Rua das Flores para uma volta de carro
NESTOR DE MONTEMAR – chef contratado por Magnólia para a recepção do noivado de Lúcia e Lucas
ORION XIMENES – garçom que atende Lucas, quando ele está bêbado, arranja confusão e acaba preso
OTACÍLIO COUTINHO – advogado de Guerra, quando ele se apresenta como culpado pela morte de Varela
PABLO SOBRAL – Canivete (ajudante de Gogó)
PASCHOAL VILLABOIM – porteiro do prédio onde mora Jorge
PAULO CÉSAR GRANDE – Augusto (novo namorado de Márcia, no último capítulo)
PAULO LEITE – pai de Chico
PAULO MARRAYO
PAULO REZENDE – funcionário de William em sua casa
RAFAEL PONZI – Irineu (agiota com quem Cláudia pega dinheiro emprestado ou vende objetos de valor)
RAIMUNDO EMERSON
REGIANA ANTONINI – policial com Maria Coralina quando Tio Zé é preso
RENATO NEVES – advogado que Tio Zé arruma para tirar Geraldo da cadeia, no início
RENATO PINHEIRO
ROBERTO LOPES – Gogó (raptor das crianças)
ROGÉRIO FRANÇA
ROSELAINE PISSAIA
RUBEM DE BEM – investigador Meireles (procura Maria Carolina quando ela foge do orfanato, no início)
RUTHINÉIA DE MORAES – Alcinéia (mãe de Jaime, o falso Giácomo Madureira)
SANDRA BARSOTTI – organizadora da festa na qual Cláudia trabalhou, no início
STELA MARIA RODRIGUES – funcionária da creche onde Cláudia deixa Maria Carolina quando está no Rio
VANDA ALVES – funcionária do mercadinho na Rua das Flores
VICENTE BARCELOS – Zé Carlos (empresário paulista, amigo de William, a pedido dele, arma uma cilada para Lucas em São Paulo)
XUXA MENEGHEL como ela mesma, canta com José Augusto em um show para crianças, no último capítulo
Dom Gaspar (bispo de Curitiba que Paula apresenta a Cláudia)
Fernanda (mulher de Ciro, com quem se hospeda na casa de Fontana e Gilda)
Madalena (empregada de Magnólia)
Marilda (mulher de Cidão, cuida de Cláudia no cativeiro)
Orlando (motorista de Paula)
Patrícia (enfermeira da clínica do Dr. Fontana)
Roberta (secretária da clínica do Dr. Fontana)

– núcleo de CLÁUDIA (Patrícia França), jovem de origem humilde, batalhadora e ousada. Vítima de violência doméstica, perde a guarda da filha pequena para a cunhada, devido às constantes brigas com o ex-marido, um homem violento. Deixa o Rio de Janeiro e parte para Curitiba para mudar o rumo de sua vida:
a filha pequena MARIA CAROLINA (Carolina Pavanelli), menina esperta, de espírito aventureiro. Com a separação dos pais, foi deixada aos cuidados da tia impaciente. Ao longo da trama descobre-se que sofre de leucemia
a amiga e confidente ALICE (Gisela Reiman)
o colega de trabalho de Alice, CUNHA (Sérgio Fonta), gosta dela.

– núcleo do ROMAN MAZURGSKI, conhecido como TIO ZÉ (Elias Gleizer), velhinho bondoso, de origem polonesa, artesão que trabalha com madeira. Torna-se amigo e protetor de Maria Carolina, a quem chama carinhosamente de LALESKA (“bonequinha” em polonês):
os amigos da Rua das Flores, onde mora: POLACA (Priscila Camargo), dona de um bar, MERCADORIA (Newton Martins), ROSA (Lina Fróes) e IVAN (Jorge Cherques)
os amiguinhos de Maria Carolina: CHICO (Eduardo Caldas), XIMENA (Carmem Caroline), TABOINHA (Beta Madruga), filha de Rosa, e o cãozinho TOFE.

– núcleo de PAULA CANDEIAS DE SÁ (Beatriz Segall), matriarca de uma rica família em Curitiba, dona da fábrica de brinquedos Ludens. Mulher generosa e de bom coração, porém conservadora, exigente e autoritária. Seu maior sonho é ver os dois netos encaminhados na vida:
os netos: LUCAS (Leonardo Vieira), bom rapaz, mas ingênuo, boêmio, impulsivo e inconsequente. Apaixona-se por Cláudia, mas os dois passam por vários problemas para concretizar esse amor. A avó deseja que ele gerencie a empresa da família,
e JORGE (Fábio Assunção), médico promissor, sedutor, ambicioso e egocêntrico. Dissimulado, na verdade sente inveja do irmão e faz tudo para afastar ele e a avó da direção da empresa. Descobre que não é um Candeias de Sá legítimo, mas que foi adotado por Paula após a morte dos pais e do irmão de Lucas. Seduz Cláudia – a princípio para rivalizar com Lucas – e passa a ter um sentimento doentio em relação a ela
a ex-governanta da mansão Candeias de Sá MARIANA (Débora Duarte), hoje enfermeira. Revela-se a mãe biológica de Jorge. Volta a Curitiba disposta a viver perto do filho, que a despreza
a secretária MÁRCIA (Cristina Mullins), eficiente e prestativa. Torna-se sócia de Polaca quando ela decide expandir seu bar com atrações musicais
o mordomo GIÁCOMO MADUREIRA (Eri Johnson), paquerador inveterado, um tremendo cara-de-pau. Esconde dois segredos: foi um jogador de futebol de carreira promissora, conhecido como PINTA, e seu nome verdadeiro é JAIME, um Candeias de Sá bastardo infiltrado na família
as empregadas: IRACEMA (Maria Nattari),
e AÍDA (Cláudia Sher), apaixonada por Jorge, encontra-se às escondidas com ele em seu quarto. Torna-se sua cúmplice,
o jardineiro FERIADO (Mauro Gorini)
o motorista ORLANDO.

– núcleo de ELISA (Nívea Maria), cunhada de Cláudia, tutora de Maria Carolina no início. Mulher amarga, impaciente, interesseira e inescrupulosa. Larga Maria Carolina em um orfanato e lucra com a mesada enviada mensalmente por Cláudia, que deveria ser destinada à menina:
o irmão GERALDO (José de Abreu), ex-marido de Cláudia, pai de Maria Carolina. Impulsivo e explosivo, fica violento quando bebe. Vive metido em confusões. Persegue a ex-mulher
o namorado FIAPO (Carlos Alberto), tão mau caráter quanto ela, administra o orfanato para onde Maria Carolina é enviada. Elisa o ajuda a cuidar do orfanato
os amiguinhos de Maria Carolina no orfanato: ANINHA (Luísa Curvo), TRIGO (Fabiano Miranda) e CLARA (Marina Thompson)
a assistente social MÍRIAM (Tânia Loureiro) e a pediatra HELENA (Naura Schneider), cuidam de Maria Carolina quando ela permanece no orfanato
a funcionária do orfanato RAIMUNDA (Jussara Calmon).

– núcleo do DR. JOÃO FONTANA (Flávio Galvão), dono da clínica onde trabalha Jorge. Excelente médico, generoso e franco. A princípio, tem admiração por Jorge, considerando-o um dos melhores médicos que conhece. Sofre com os ciúmes da mulher, injustificáveis. Porém, quando o casamento degringola, revela-se um “don juan”:
a mulher GILDA (Françoise Forton), de família tradicional, herdou considerável fortuna com a qual montou a clínica para o marido, que administra. Ciumenta a ponto de contratar detetives para segui-lo
os filhos: FRANCISCA (Daniela Camargo), namorada de Jorge no início. Em busca de um rumo para sua vida, vai trabalhar em uma agência de publicidade. Interessa-se por Giácomo, com quem vive uma relação tempestuosa devido ao seu gênio difícil e ao fato de não querer reconhecer que ama um mordomo,
e SANTIAGO (Ângelo Paes Leme), adolescente questionador, adepto de alimentação natural e meditação
a namorada de Santiago, CARLA (Renata Castro Barbosa)
o advogado CARLOS LOUZADA (Mauro Mendonça), contratado para defender Jorge. Logo larga seu cliente, ao perceber que ele não é ético. Envolve-se com Gilda
os funcionários de sua clínica: a médica FLÁVIA (Mara Sandes),
a chefe de enfermagem JOSEFINA, a (Cláudia Magno),
e as enfermeiras MARÍLIA (Karina Mello), sonsa, aproxima-se de Santiago, mas é apaixonada pelo pai dele, fazendo de tudo para cercá-lo, o que abala o seu casamento
e ÂNGELA (Nedira Campos), taróloga nas horas vagas.

– núcleo do DR. AFRÂNIO GUERRA (Walmor Chagas), renomado médico, porém pouco ético. Trabalha na clínica do Dr. Fontana e é o médico particular de Paula. Aliado de Jorge, não tem escrúpulos em dar medicação errada à sua cliente, com o objetivo de afastá-la da empresa dos Candeias de Sá:
a esposa MAGNÓLIA (Yoná Magalhães), mulher deslumbrada, um tanto interesseira. Fascinada pelo consumo e pelas aparências, tem horror a envelhecer
a filha LÚCIA (Isabela Garcia), amiga de Lucas, por quem, a princípio, é apaixonada. Ao longo da trama, inicia um envolvimento amoroso com Jorge
o publicitário LUÍS ORTEGA (Alexandre Lipiane), dono da agência onde Francisca vai trabalhar. Namora Alice, mas é na verdade apaixonado por Magnólia e investe nesse amor, com a conivência de Afrânio. Magnólia deixa o marido para viver com ele, mas a relação logo acaba.

– núcleo de WILLIAM FERRAZ (Jayme Periard), homem inescrupuloso, aliado de Jorge. É chefe do departamento jurídico da fábrica de brinquedos Ludens. Envolve-se com Márcia, depois com Gilda:
o filho CARLOS ALBERTO, o CACÁ (Sérgio Mannarino), garoto mimado. Fica amigo das crianças da Rua das Flores
a secretária JÚLIA (Bernadete Lys), com quem tem um caso.

A base para Marcílio Moraes escrever Sonho Meu foram as tramas centrais de duas antigas novelas de sucesso de Teixeira Filho.
De A Pequena Órfã (TV Excelsior, 1968-1969), o autor retirou a história da amizade entre uma menina carente e um bondoso velhinho (interpretados por Patrícia Aires e Dionísio Azevedo na versão original).
De Ídolo de Pano (TV Tupi, 1974-1975), a disputa de dois irmãos pelo amor da mesma mulher (personagens de Tony Ramos, Denis Carvalho e Elaine Cristina nos anos 1970).

Mário Lúcio Vaz, então diretor de dramaturgia da TV Globo, solicitou a Marcílio Moraes uma novela a partir dos dois textos de Teixeira Filho (A Pequena Órfã e Ídolo de Pano), cujos direitos a emissora havia adquirido.
“Li alguns capítulos das duas e tomei uma decisão dramatúrgica: a mãe da pequena órfã vai ser a mulher que os dois irmãos de Ídolo de Pano disputam. Estava feita a fusão. A partir daí, sem perder os personagens principais e algumas tramas, criei uma novela inteiramente nova, muito diferente das originais”, afirmou Marcílio em entrevista a Duh Secco para o portal RD1.
“Em momento algum pensei em fazer um remake, uma repetição ipsis litteris do que o Teixeira havia escrito. Achei que devia mais à dramaturgia, ao talento e à criatividade dele: ou seja, uma obra nova. Foi o que fiz”, concluiu.

Mesmo com uma trama um tanto confusa no início, a novela, aos poucos, foi cativando o telespectador e registrou bons índices de audiência em sua reta final. Durante todo o verão de 1994, a novela das sete horas contemporânea, Olho no Olho, de Antônio Calmon, perdeu para Sonho Meu no Ibope da Grande São Paulo. A partir deste período, Olho no Olho só conseguiu superar o ibope de Sonho Meu em sua última semana, em abril de 1994.

Por pressão da audiência, a protagonista Cláudia (Patrícia França) não poderia enganar o homem que amava. Lauro César Muniz, supervisor do texto, contou que o público teve dificuldade em aceitar a bigamia de Cláudia, o que levou os autores a anteciparem a decisão da personagem em assumir seu romance com Lucas (Leonardo Vieira) e enfrentar um processo judicial. (Site Memória Globo)
O autor Marcílio Moraes comentou em entrevista a Duh Secco, para o portal RD1: “Fui constrangido a acelerar brutalmente e resolver de forma inverossímil uma trama que estava prevista na minha sinopse, onde também estava apontada a solução que daria a ela. (…) Aí vem uma interferência de cima, mal explicada, careta, hipócrita, sobrepondo uma moral abstrata, formal, à ética que a personagem estava construindo para superar o impasse e salvar-se.”

Marcílio Moraes relatou em seu blog pessoal (em dezembro de 2021, por ocasião da reprise da novela no canal Viva) sua frustração com os rumos que a novela tomou:
“Aquela força da história, aquela vitalidade dramática da protagonista [Cláudia], enfrentando Deus e o mundo para preservar sua dignidade de mulher e salvar a filha, se perdeu. A trama se tornou quase um vaudeville de intriguinhas típicas de novelinha das seis, tudo o que tentei evitar ao conceber a sinopse e desenvolver os capítulos. Imagino o quanto deve ter sido difícil para a atriz [Patrícia França] continuar desempenhando a personagem, depois de totalmente esvaziada. Para mim, também foi duríssimo.”

Afastando-se do eixo Rio-São Paulo-Nordeste (prática na época), a trama de Sonho Meu foi ambientada na cidade de Curitiba, o que proporcionou uma beleza extra às locações, com imagens pouco comuns ao telespectador.
No início dos anos 1990, a capital paranaense estava em evidência: o então prefeito Jaime Lerner colocou a cidade nas páginas das revistas (nacionais e estrangeiras) por causa de sua administração voltada ao urbanismo e mobilidade humana. A Globo aproveitou o hype envolvendo a cidade e momentaneamente deixou de lado os costumeiros cenários cariocas, paulistas e nordestinos. Outro bom motivo era o aniversário de 300 anos da fundação de Curitiba, completados em 1993.
A Ópera de Arame, o Jardim Botânico, o Largo da Ordem, a Rua das Flores e a Rua 24 Horas foram alguns dos pontos turísticos da capital paranaense onde os atores gravaram. A novela também deu destaque para as estações-tubo, para transporte urbano, famosas na cidade.
A cidade cenográfica, montada em Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, reproduziu um pedaço de um bairro bucólico de Curitiba, destacando detalhes da arquitetura da cidade.
Já a fachada da mansão da família Candeias de Sá, um casarão em estilo neoclássico – um dos principais cenários da novela -, não ficava na capital paranaense, mas na cidade de Petrópolis, no Rio de Janeiro.

Patrícia França e Leonardo Vieira vinham do sucesso de seus personagens na primeira fase da novela Renascer, e formaram em Sonho Meu novamente um casal romântico.

O destaque foi a menina Carolina Pavanelli (com 6 anos na época), que encantou a todos com sua personagem Maria Carolina – a Laleska, apelido dado por seu protetor Tio Zé (Elias Gleizer), que significa “bonequinha” em polonês.

Por meio da personagem Maria Carolina (Carolina Pavanelli), que sofria de leucemia, Sonho Meu abordou o tema da doação de sangue. A doença da menina propiciou a discussão sobre a qualidade do sangue, doação voluntária e Aids. (Site Memória Globo)

Na época, o ator José de Abreu tornou público o seu descontentamento com os rumos de seu personagem, Geraldo.
“É o pior trabalho que já fiz. A trama não tem pé nem cabeça, está repleta de contradições. O próprio Geraldo é um personagem esquizofrênico. Um dia, dá porrada. No outro, chora como criança. Parece que os autores do texto não conversam entre si”, disparou o ator para o jornal Folha de São Paulo de 23/04/1994.
Lauro César Muniz, o supervisor de texto, não entendeu sua reclamação: “O Zé costumava nos ligar para elogiar o personagem. Não entendo por que mudou de opinião.”

Primeira novela do ator Ângelo Paes Leme.

Último trabalho de Cláudia Magno, que faleceu durante a exibição da novela. A atriz deixou a produção já adoentada, vindo a falecer em 05/01/1994, aos 35 anos de idade, de insuficiência respiratória aguda (em decorrência de Aids).

O encerramento da novela exibiu um show de José Augusto e Xuxa, na Ópera de Arame, em Curitiba, cantando para uma plateia de crianças a música-tema da abertura, “Querer é Poder”. No palco, juntaram-se as crianças do elenco e os atores Leonardo Vieira, Patrícia França e Elias Gleizer.
Também Guilherme Arantes fez uma participação, no capítulo 155, cantando no bar da Polaca a música “Um Pouco Mais”, da trilha nacional da novela.

O primeiro título pensado para a novela foi Pega-Fogo. (“Almanaque da TV”, Bia Braune e Rixa)

A história da pequena órfã voltou à televisão em 2005, como uma das tramas da novela Prova de Amor, da Record TV, escrita por Tiago Santiago, com Rogério Fróes (o velhinho) e Júlia Magessi (a menina).

Curiosamente, apesar de ter tido boa audiência e de ser uma novela lembrada pelo público, Sonho Meu jamais foi reprisada no Vale a Pena Ver de Novo, o que sempre fomentou muitas teorias. A mais aceita é que durante o prazo limite para a sua reexibição (meados da década de 2000), alguns dos principais profissionais nela envolvidos haviam sido contratados pela Record TV no momento em que emissora alavancava a sua dramaturgia e tirava muita gente da Globo: o par romântico central, Patrícia França e Leonardo Vieira, e os roteiristas Marcílio Moraes, Lauro César Muniz e Margareth Boury. Ou seja: a reprise de Sonho Meu foi sendo protelada até que, no momento máximo em que poderia sair, não saiu por causa da Record. Após isso, a novela passou a ser considerada “velha” para a reprise à tarde.

Em 2021, a novela foi finalmente reprisada, no Viva (canal de TV por assinatura pertencente ao Grupo Globo), entre 12/07/2021 e 26/02/2022, às 12h30 (com repeteco do capítulo à 1h15).

Sonho Meu foi disponibilizada no Globoplay (plataforma streaming do Grupo Globo) em 28/03/2022.

Trilha Sonora Nacional

01. BHAJA SHIRI KRISHNA – Homem de Bem (tema de Santiago)
02. ANDO MEIO DESLIGADO – Roupa Nova (tema de Giácomo)
03. MELHORES DIAS – Rita de Cássia (tema de Mariana)
04. FRÁGIL – Guido Brunini (tema de Lúcia)
05. TODAS AS RUAS – Orquestra Harmônicas de Curitiba (tema de locação: Curitiba)
06. QUERER É PODER – José Augusto e Xuxa (tema de abertura)
07. O PREÇO DE UMA VIDA – Selma Reis (tema de Cláudia)
08. UM POUCO MAIS – Guilherme Arantes (tema de Francisca)
09. VIESTE – Ivan Lins (tema de Lucas e Cláudia)
10. UM SONHO MAIOR – Danilo Caymmi (tema de Tio Zé)
11. PRIVAÇÃO DE SENTIDOS – Watusi (tema de Gilda)
12. DANÇANDO COM LÁGRIMAS NOS OLHOS – Orquestra e Coro RGE (tema de Fiapo e Elisa)

Trilha Sonora Internacional

01. WHAT IS LOVE – Haddaway (tema de locação: Curitiba)
02. UNDER THE SAME SUN – Scorpions (tema de Gilda)
03. MR. VAIN – Culture Beat (tema de locação)
04. RIGHT HERE (HUMAN NATURE MIX) – SWV
05. SHOW ME LOVE – Robin S (tema de locação: Curitiba)
06. CRYIN’ – Aerosmith (tema de Giácomo)
07. LIVING WITHOUT YOUR LOVE – Rennie Ladd (tema de William)
08. FOR WHOM THE BELL TOLLS – Bee Gees (tema de Lucas e Cláudia)
09. FELICITÀ – Lucio Dalla
10. MORE AND MORE – Captain Hollywood Project (tema de Francisca)
11. WILD WORLD – Mr. Big (tema romântico geral)
12. HOUSE OF LOVE – Rupaul (tema de Luís Ortega)
13. CON LOS AÑOS QUE ME QUEDAN – Gloria Estefan (tema de Magnólia)
14. DON’T SAY GOODBYE – Oseas (tema romântico geral)

Tema de Abertura: QUERER É PODER – José Augusto e Xuxa

Eu posso ir aonde eu quiser
Rabiscos em algum papel
Chegar bem perto das estrelas e tocar o céu
Sonhando eu posso ser um rei
Quem sabe até um superstar
É só deixar a porta aberta pra ilusão entrar
Eu posso até falar com Deus

De noite em minha oração
E caminhar por entre nuvens feitas de algodão
Eu posso tudo que eu quiser
É só querer acreditar
Se eu fechar bem forte os olhos e quiser sonhar

Sonho meu, sonho meu
Tudo pode acontecer
É só acreditar na vida, acreditar na sorte
E tudo pode ser
Sonho meu, sonho meu
Eu posso tudo que eu sonhar
Se eu levar a vida a sério
Se eu fizer direito
Se eu acreditar…

Veja também

  • pequenaorfa_logo

A Pequena Órfã

  • idolodepano

Ídolo de Pano

  • provadeamor

Prova de Amor