Sinopse

Nina, uma jovem professora do interior, emprega-se em um dos mais tradicionais colégio de São Paulo, onde a moral da década de 1920 está instalada em todos os seus conceitos. Ao saber que a escola havia rejeitado a matrícula da menina Isadora porque ela é filha de artistas, a professora manifesta-se contra a decisão.

A partir daí, a trama se desenrola contrapondo os ideais de Nina aos dos personagens conservadores. Através de seu liberalismo, ela enfrentará obstáculos intransponíveis, principalmente com a família do barão Antônio Torres Galba, membro ativo do PRP, o Partido Republicano Paulista.

Sua luta para impor novas idéias e o seu amor pelo italiano Bruno di Fiori são duramente contestados, pelos costumes da época em relação à sua posição, e por Arlete, filha do barão, na disputa por Bruno. Ele é um imigrante italiano que administra os bens da família Galba. Arlete se apaixona pelo homem de confiança de seu pai e faz o possível para conquistá-lo.

Mas um crime abala a rotina do colégio. Uma aluna é assassinada e a culpa recai sobre a professora Nina, que passa a lutar por sua inocência.

Globo – 22h
de 27 de junho de 1977
a 13 de janeiro de 1978
142 capítulos

novela de Wálter George Durst
roteiro final de Wálter Avancini
direção de Fábio Sabag
direção teatral (Lyra das Mimosas) de Klaus Vianna
supervisão de Wálter Avancini

Novela anterior no horário
reprise de O Bem Amado

Novela inédita anterior no horário
Saramandaia

Novela posterior
O Pulo do Gato

REGINA DUARTE – Nina
ANTÔNIO FAGUNDES – Bruno di Fiori
ROSAMARIA MURTINHO – Arlete
MÁRIO LAGO – Barão Antônio Torres Galba
MARIA FERNANDA – Mariana
JOSÉ AUGUSTO BRANCO – Lourival
REGINA VIANNA – Marta
ELZA GOMES – Madame Naná
MARIA CLÁUDIA – Doralda
MARCOS PAULO – Miguel
OSMAR PRADO – Morungaba
JOSÉ LEWGOY – Professor Frasão
ARY FONTOURA – Fialho
MARIA ZILDA – Mimi
FÁBIO JÚNIOR – Anjo (Alvinho)
CARLOS GREGÓRIO – Nélio
LÚCIA ALVES – Chiquinha
MARIA HELENA VELASCO – Geni
ANA MARIA NASCIMENTO E SILVA – Iracema
MARÍLIA BARBOSA – Mazinha
MÁRIO CARDOSO – João Cláudio
KÁTIA D’ANGELO – Maria Clara
SÔNIA REGINA – Ana Cândida
CRISTINA MULLINS – Maria Eugênia
LAURO GÓES – Clemente
PAULO RAMOS – Afrânio
VANÍSIO MELLO – Clóvis
FERNANDO JOSÉ – Fonsequinha (Anacleto Fonseca)
SÔNIA OITICICA – Angélica
ARACY CARDOSO – Dalva
MARIA POMPEU – Clorinda
NORMA SUELY – Sagrada
BRANDÃO FILHO – Simão
ROSITA TOMAZ LOPES – Marcolina
LÚCIA MELLO – Tetéia
PAULO GONÇALVES – Arturo
REGINA MACEDO – Dona Antonela
TELMO AVELAR – José Alípio Sá
FERREIRA LEITE – Sinésio
CHICA XAVIER – Escolástica
LINA ROSSANA – Rosário
ROSANA PENNA – Luci
a menina ISABELA GARCIA – Isadora
e
ANA ARIEL – Haydée
CLÁUDIO CAVALCANTI – Grimaldi
FERNANDO GONÇALVES – Godofredo
FLÁVIO SANTHIAGO – inspetor
KLAUS VIANNA – Seu Juca
LUIZ ARMANDO QUEIRÓZ – Dr. Agripino
MIÉLE AMADO – carcereira
MÍRIAN PIRES – Dona Nicota
NEUZA AMARAL – Doralice
PATRÍCIA FIGUEIREDO – Dulce
SILVIO MARTINS – Meio-Quilo
VINICIUS SALVATORE – Salvatore

– núcleo de NINA (Regina Duarte), jovem professora que luta contra o conservadorismo em um dos mais tradicionais colégios de São Paulo. Seu comportamento, autêntico e íntegro, entra em choque com a moral da época:
seu amor BRUNO (Antônio Fagundes), imigrante italiano, administrador dos bens da família Galba, um homem leal e sóbrio
a mãe de Bruno, DONA ANTONELA (Regina Macedo)
a dona da pensão onde Nina mora, TETÉIA (Lúcia Mello)
a empregada da pensão ESCOLÁSTICA (Chica Xavier).

– núcleo do BARÃO ANTÔNIO TORRES GALBA (Mário Lago), homem conservador, membro do Partido Republicano Paulista (PRP). Não acredita na capacidade de sua família para continuar os negócios, por isso apóia-se em Bruno, seu administrador:
as filhas ARLETE (Rosamaria Murtinho), solteira, mulher sensível e inteligente, apaixonada por Bruno, disputa-o com Nina,
MARIANA (Maria Fernanda), viúva, mulher altiva e orgulhosa, herdou o comportamento aristocrático da família,
e MARTA (Regina Vianna), toda a sua capacidade é anulada pelo marido, o que a deixa frustrada. Com isso, projeta na filha as suas aspirações
o genro LOURIVAL (José Augusto Branco), marido de Marta, um homem conservador e oportunista. Dirige o colégio onde Nina leciona e se torna um dos maiores perseguidores da professora
os netos: JOÃO CLÁUDIO (Mário Cardoso), filho de Mariana, rapaz simpático. Apesar de ter sido educado para ser o sucessor ao avô, não se interessa pelos negócios da família,
MARIA CLARA (Kátia D’Angelo), filha de Mariana, moça bonita e ambiciosa, tem gosto pelas artes,
e ANA CÂNDIDA (Sônia Regina), filha de Marta e Lourival, objeto de todas as atenções da mãe.

– núcleo da MADAME NANÁ (Elza Gomes), atriz decadente, comanda um teatro mambembe e vive das lembranças do passado. Mantém relações estreitas com fazendeiros, jornalistas e os Mordedores, que compõe grande parte de seu público frequente. Dirige um grupo de vedetes chamado Lyra das Mimosas:
as Mimosas: DORALDA (Maria Cláudia), moça de personalidade forte, primeira atriz do grupo. Semianalfabeta, precisa que outras pessoas leiam suas falas para que possa interpretar seus personagens. Torna-se amiga de Nina,
CHIQUINHA (Lúcia Alves), GENI (Maria Helena Velasco), MAZINHA (Marília Barbosa) e IRACEMA (Ana Maria Nascimento Silva)
o “ponto” do teatro SINÉSIO (Ferreira Leite), quem sussurra o texto para as atrizes em cena.

– núcleo dos Mordedores, frequentadores do teatro de Madame Naná, vivem de aplicar pequenos golpes:
MIGUEL (Marcos Paulo), rapaz carente e incapaz de suportar a rotina de um trabalho diário, preferindo viver de expedientes e pequenos artifícios
MORUMGABA (Osmar Prado), típico malandro, trabalha na seção de encomendas dos Correios, onde limita-se a bater o ponto. Ao descobrir que Naná guarda uma valise cheia de dinheiro, arma um plano para roubá-la fingindo estar apaixonado por ela
NÉLIO (Carlos Gregório), trabalha no cartório, mas deseja ser artista, apesar de não ter qualquer talento. Sonha em participar dos primeiros filmes que começam a ser feitos
ALVINHO, conhecido como ANJO (Fábio Jr.), rapaz sonso, tem uma expressão angelical da qual se valem os amigos para os mais variados golpes.
o pai de Miguel, SIMÃO (Brandão Filho), funcionário público, um homem feio, porém bem-sucedido entre as mulheres, seu ponto fraco. Não reconhece o filho, que mora em sua casa como hóspede
a mulher de Simão, MARCOLINA (Rosita Tomaz Lopes), conselheira da vila em que moram. Reclama frequentemente das atividades dos Mordedores.

– núcleo dos professores do colégio dirigido por Lourival:
ANACLETO FONSECA (Fernando José), ANGÉLICA (Sônia Oiticica), DALVA (Aracy Cardoso), SAGRADA (Norma Suely) e CLORINDA (Maria Pompeu).

– núcleo dos estudantes da Faculdade de Direito do Largo de São Francisco:
CLEMENTE (Lauro Góes), defensor ardoroso do recém-criado Partido Democrático
AFRÂNIO (Paulo Ramos), lidera o grupo ligado ao Partido Republicano Paulista
CLÓVIS (Vanísio Mello), líder da terceira facção do diretório, pertence ao Partido da Mocidade.

– demais personagens:
PROFESSOR FRASÃO (José Lewgoy), viúvo, pai de uma menina, ex-integrante de uma famosa dupla de bailarinos. Atualmente, sem a mesma agilidade de outrora, é obrigado a dar aulas de dança de salão. Quer matricular a filha no colégio de Lourival, atendendo a um pedido da mãe da menina, feito pouco antes de morrer
ISADORA (Isabela Garcia), filha de Frasão, tem sua matrícula no colégio negada por Lourival, tornando-se o pivô de uma das principais discussões da trama
FIALHO (Ary Fontoura), apresenta-se como bacharel e cineasta, mas, na verdade, aplica golpes atraindo incautos com a promessa de participações em grandes filmes
MIMI (Maria Zilda), comparsa de Fialho em seus golpes
ARTURO (Paulo Gonçalves), membro da conservadora União Operária, se opõe ao trabalho de Bruno
JOSÉ ALÍPIO SÁ (Telmo Avelar), fazendeiro em Itu, visita com frequência a capital.

Na segunda metade de 1976, Wálter George Durst preparava a novela substituta de Saramandaia no horário das dez da Globo: Despedida de Casado. A novela estava com produção adiantada, capítulos gravados e editados e chamadas de estreia no ar quando foi vetada pelos censores do Regime Militar, que julgavam o tema – separação de casais – impróprio. Durst teve que preparar às pressas uma trama substituta.
Enquanto a Globo colocou uma reprise de O Bem Amado como tapa-buraco no horário, o autor começou a escrever Nina, que aproveitava a mesma equipe de Despedida de Casado.

Estrelada por Regina Duarte, no papel-título, afastada há três anos e meio de novelas, Nina começava a apagar da atriz a imagem de “namoradinha do Brasil”, o que se consolidaria definitivamente em 1979, com a série Malu Mulher.

Um dos mais apurados trabalhos de criação dos que tiveram acesso à televisão até então. Tão apurado que não motivou o grande público.

Uma mudança na história, a partir do assassinato de uma aluna no colégio (no capítulo 73), motivou uma nova fase: Nina, à la Garçonne, assim intitulada devido ao corte de cabelo que a personagem foi obrigada a fazer.
Mesmo assim, a novela continuou muito prejudicada pela ação da censura, que quase deixava impraticável o seguimento da ação.

De acordo com os scripts enviados para a apreciação da Censura Federal, a personagem Nina, a princípio, seria uma religiosa, e o colégio onde ela lecionava, um colégio de freiras. De acordo com o pesquisador Cláudio Ferreira no livro “Beijo Amordaçado – A Censura às Telenovelas Durante a Ditadura Militar”:
“(…) mais uma substituição confirmada, desta vez num dos ambientes da estória: o colégio religioso tinha se transformado num colégio leigo e particular e o tratamento dos professores (entre eles Nina, personagem de Regina Duarte) mudaria de ‘irmã’ para ‘dona’.”

As cenas externas de época foram gravadas na Estação da Luz, na capital paulista; em Bananal, limite dos estados do Rio de Janeiro e de São Paulo; e em Santa Teresa, Praça Mauá, Centro e Alto da Boa Vista, na cidade do Rio de Janeiro.

Primeira novela do ator-cantor Fábio Júnior e das atrizes Cristina Mullins, Ana Maria Nascimento e Silva e Sônia Regina.

Cláudio Marzo, que integrava o elenco de Despedida de Casado, gravou 20 capítulos de Nina e saiu. Seu personagem ficou com Marcos Paulo.

Para o logotipo da novela, o designer gráfico Hans Donner usou o alfabeto que havia criado anos antes, onde, em cada letra, aparecia o rosto de uma melindrosa. A colunista social do jornal O Globo, Nina Chaves, correspondente na Europa, usava o mesmo alfabeto, que havia comprado na França, como sua marca registrada. A jornalista exigiu que a Globo mudasse o logotipo da novela, ou lhe pagasse pela utilização das letras, até que conheceu o criador do alfabeto e teve que voltar atrás em seu pedido.
“Hans Donner e seu Universo”, 1996, Editora Escala.

Nina recebeu os seguintes prêmios da APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) referente à edição de 1977: melhor roteiro de novela, para o autor, Walter George Durst; melhor ator, para Antônio Fagundes e Mário Lago (juntamente com Lima Duarte, por Espelho Mágico, e Carlos Augusto Strazzer, por O Profeta); e melhor atriz, para Rosamaria Murtinho (juntamente com Nicette Bruno, por Éramos Seis).

Não confundir Nina com Gina, novela exibida no ano seguinte, às 18 horas, escrita por Rúbens Ewald Filho, com Christiane Torloni no papel-título.

Trilha Sonora Nacional
ninat1
01. VAMOS DEIXAR DE INTIMIDADE – João Nogueira
02. PACIENTE – César Costa Filho
03. BREJEIRO – A Cor do Som
04. EU DEI – Marília Barbosa (tema da Lyra das Mimosas)
05. NÊGO VÉIO QUANDO MORRE – Os Originais do Samba
06. APANHANDO PAPEL – Luiz Ayrão
07. PRIMEIRO AMOR – Altamiro Carrilho (tema de abertura)
08. QUEM É – Sônia Santos e Grande Othelo (tema de Morungaba e Naná)
09. ATRAENTE – Os Turunas da Paulicéia
10. HÁ UMA FORTE CORRENTE CONTRA VOCÊ – Os Frajolas
11. CHORO E POESIA – Altemar Dutra
12. URUBU MALANDRO – Netinho e Seu Conjunto
13. FLOR AMOROSA – Maria Marta (tema de Nina)
14. O ALMOFADINHA – Ivon Cury

Trilha Sonora Internacional
ninat2
01. CHARLESTON – Enoch Light & The Light Brigade
02. WHISPERING – Bing Crosby
03. YES SIR, THAT’S MY BABY – The Good Old Times
04. SWANEE – Al Jolson
05. 12TH STREET RAG – Jerry Smith
06. MARIE – Enoch Light & The Light Brigade
07. BABY FACE – The Gatsby Brothers
08. EDELWEISS – Myron Floren
09. BLUE SKIES – Frank Sinatra & Tommy Dorsey Orchestra
10. SWEET GEORGIA BROWN – Traditional Jazz Band
11. IT HAD TO BE YOU – Sammy Kaye
12. ON THE SUNNY SIDE OF THE STREET – Louis Armstrong
13. ’29 – Ralph Richardson
14. MALA FEMMENA – Giacomo Rondinella (tema de Nina e Bruno)
15. I’M ALONE – Fleming
16. COME BACK PLEASE – Danny Davis

Sonoplastia: Paulo Ribeiro
Pesquisa: Arnaldo Schneider
Produção Musical: Guto Graça Mello
Direção Musical: Júlio Medaglia

Veja também

  • gabriela75_logo

Gabriela (1975)

  • despedidadecasado_logo2

Despedida de Casado

  • cargapesada79_logo

Carga Pesada (1979)