Sinopse

O teatro mambembe de Giuliano chega à pacata cidadezinha e altera a rotina dos moradores. Gabriela, a estrela da companhia, paixão de Giuliano, volta à terra natal de sua mãe e conhece três simpáticos velhinhos, Candinho, Romeu e Napoleão, que disputam entre si a atenção da bela moça. O que Gabriela não sabe é que, no passado, os velhinhos haviam se casado com trigêmeas e uma delas era a sua mãe. Quem será o verdadeiro pai? O romântico Candinho, o distraído Romeu ou o autoritário Napoleão?

A poderosa Donana é uma mulher arrogante e moralista, dona de uma tecelagem e exerce grande influência sobre o povo da cidade. Viúva, ela tem dois filhos: a tímida Sofia, a quem hostiliza, por considerá-la culpada pela morte do marido, e o inconsequente Sérgio, que estuda na cidade grande, o seu preferido. Quando volta à cidade, Sérgio se envolve com Luísa, menina simplória, filha da empregada Rosário, para o desespero de Donana, que fará de tudo para inviabilizar essa união.

Tupi – 18h30
de 1º de setembro de 1971
a 4 de março de 1972

novela de Ivani Ribeiro
direção de Carlos Zara

Novela anterior no horário
O Meu Pé de Laranja Lima

Novela posterior
Signo da Esperança

EVA WILMA – Gabriela
GIANFRANCESCO GUARNIERI – Giuliano
IVAN MESQUITA – Candinho
ABRAHÃO FARC – Romeu
CLÁUDIO CORRÊA E CASTRO – Napoleão
LÉLIA ABRAMO – Donana
FAUSTO ROCHA JR. – Sérgio
WILSON FRAGOSO – Marcos
KARIN RODRIGUES – Irene
ANA ROSA – Baby
EDGARD FRANCO – Laerte
ANNAMARIA DIAS – Sofia
LÉA CAMARGO – Mocinha
DENIS CARVALHO – Rodrigo
BETE MENDES – Rosana
ANALU GRACI – Luísa
SERAFIM GONZALEZ – Fratelo
LUÍS CARLOS DE MORAES – Dr. Wálter
EUDÓSIA ACUÑA – Tetéia
RENATO MASTER – Joel
GENY PRADO – Rosária
RÉGIS MONTEIRO – Viriato
COSME DOS SANTOS – Jiló
SILVIO ROCHA – Américo
JACYRA SAMPAIO – Conceição
DIRCE MILITELLO – Jurema
ALEXANDRE ARAÚJO – Boca Mole
OSWALDO CAMPOZANA
LUTERO LUIZ
TEREZINHA CUBANA

as crianças
DOUGLAS MAZZOLA – Pé-de-Meia
HAROLDO BOTTA – Júnior
GENÉSIO DE ALMEIDA JR. – Lalau
MARCOS BIETOSO – Tavinho
ISABEL CRISTINA BOTTA – Nini
PEDRO PAULO MIRON CORDEIRO – Edinho

e
CARLOS ZARA – Tito

– núcleo do teatro mambembe de GIULIANO (Gianfrancesco Guarnieri), que chega à pacata cidadezinha e movimenta o local. Sempre na pindaíba, Sandro cria mil situações para poder sustentar o teatro e seus funcionários. Ama a principal atriz da companhia, mas ela o trata como amigo e irmão:
a estrela da companhia GABRIELA (Eva Wilma), por quem é apaixonado. Doce e terna, mas de temperamento forte. Fica sabendo que a cidade é a terra natal de sua falecida mãe e alimenta o desejo de descobrir a identidade de seu pai
a segunda atriz BABY (Ana Rosa), apaixonada por ele. Já está cansada da vida itinerante que leva com a companhia e não se contenta em ser a “segunda atriz”
o galã RODRIGO (Denis Carvalho), que se torna locutor na rádio local e arranca suspiros da moças da cidade
o “faz-tudo” e amigo FRATELO (Serafim Gonzalez)
o ator mirim e mascote PÉ-DE-MEIA (Douglas Mazzola)
a ex-namorada IRENE (Karim Rodrigues), chega na cidade atrás dele.

Os três supostos pais de Carina, que disputam entre si a atenção – e a paternidade – da moça. Primos e viúvos, vivem juntos em uma fazenda:
CANDINHO (Ivan Mesquita), romântico e intelectual
ROMEU (Abrahão Farc), ingênuo e distraído, ama os animais
NAPOLEÃO (Cláudio Corrêa e Castro), esportista, metódico e autoritário, põe todo mundo na fazenda para fazer exercícios físicos. É rígido com horários e com a alimentação.

– núcleo de DONANA (Lélia Abramo), a toda poderosa da região, dona de uma tecelagem. Cultua a memória do falecido marido. Mulher arrogante, autoritária e moralista. Candidata-se à prefeitura da cidade:
o filho preferido SÉRGIO (Fausto Rocha Jr.), um playboy inconsequente e mulherengo. Interessa-se por Gabriela
a filha SOFIA (Annamaria Dias), que ela hostiliza e responsabiliza pela morte do marido. Tímida, romântica e sonhadora, apaixona-se pelo radialista Rodrigo e envia-lhe cartas de amor com pseudônimo
a irmã MOCINHA (Léa Camargo), o oposto dela, é autêntica, despachada, alegre e de bem com a vida. Vive a provocá-la por não concordar com seu modo de vida, o que causa muitos atritos entre as duas
o motorista LAERTE (Edgard Franco), de caráter duvidoso, a chantageia porque sabe de segredos de seu passado. Pressiona Donana e casa-se com Sofia, por interesse.

– núcleo de LUÍSA (Analu Graci), garota simplória. Ela e todos os seus familiares são empregados na fazenda dos três velhinhos. É seduzida por Sérgio, por quem se apaixona, para o desespero de sua mãe e de Donana:
a mãe ROSÁRIA (Geny Prado), severa com a filha, não aceita o seu namoro com Sérgio
o irmão VIRIATO (Régis Monteiro), rapaz revoltado por sua condição subalterna
o amigo JILÓ (Cosme dos Santos), afilhado de Rosária.

– núcleo de MARCOS MENDONÇA (Wilson Fragoso), dono do hotel da cidade. Viúvo, está à procura de uma mulher para administrar seu lar e os filhos pequenos. Os rebentos põe para correr toda candidata a governanta e ao coração do pai:
os filhos: ROSANA (Bete Mendes), a mais velha, mimada e voluntariosa. No início era namorada de Sérgio, mas passa a interessar-se por Rodrigo quando ele chega à cidade,
e os menores JÚNIOR (Haroldo Botta), TAVINHO (Marcos Bietoso), LALAU (Genésio de Almeida Jr.), EDINHO (Pedro Paulo Miron Cordeiro) e NINI (Isabel Cristina Botta)
o sogro AMÉRICO (Silvio Rocha), rabugento
a empregada CONCEIÇÃO (Jacyra Sampaio), ajudou a criar seus filhos.

– núcleo do DR. WALTER (Luiz Carlos de Moraes), médico da cidade, homem justo, preocupado com os mais pobres e extremamente paciente. Suporta o casamento fracassado:
a mulher TETÉIA (Eudósia Acuña), beata e fofoqueira, vive na janela espiando a vida de todos, o que causa muitos desentendimentos com o marido.

– núcleo da delegacia:
o delegado JOEL (Renato Master),
o carcereiro BOCA MOLE (Alexandre Araújo).

Com praticamente o mesmo elenco de sua novela anterior – O Meu Pé de Laranja Lima -, Ivani Ribeiro apresentou mais uma simples e deliciosa história.

A Globo reeditou Nossa Filha Gabriela em 1986, com outro título: Hipertensão. Tratava-se de uma adaptação.
Maria Zilda viveu Carina, a personagem equivalente a Gabriela na versão original.
E Cláudio Corrêa e Castro voltou a viver o mesmo personagem da primeira versão: Napoleão, um dos três velhinhos da história.

Simultaneamente, o ator Serafim Gonzalez gravava Nossa Filha Gabriela e se apresentava em uma peça de teatro na qual seu personagem usava cabelos compridos e maltratados.
“Assistindo os primeiros capítulos, Ivani mandou um recado para que eu cortasse os cabelos. Passado um tempo, eu continuava com os cabelos longos e desgrenhados. Chegou um capítulo em que toda a trupe de saltimbancos, liderada por Gianfrancesco Guarnieri, me pegava à força e me cortava os cabelos”, relatou o ator no livro “Essa Louca Televisão”, de Ana Rosa.

O primeiro título pensado para a novela foi A Fazenda.

Vinícius de Moraes e Toquinho fizeram a trilha sonora especialmente para a novela, a convite de Cayon Gadia, então diretor musical da TV Tupi. Eles escolheram músicas e poemas já prontos, que poderiam ser adaptados, e compuseram outras canções. Entre elas, “Sei Lá”, que se tornou um dos maiores sucessos da dupla – no disco, gravada pelo Quarteto Em Cy, creditado apenas como Coro porque o quarteto era de outra gravadora.
Fizeram sucesso também as canções infantis “O Pato Pateta”, “Valsa para uma Menininha” e “A Casa”, três letras que pertenciam a um livro de poemas infantis escrito por Vinícius, “A Arca de Noé”, musicadas por ele e Toquinho. As canções foram relançadas em 1980 para o especial infantil da TV Globo Vinícius para Crianças – A Arca de Noé. (*)
Toquinho e Vinícius fizeram ainda a trilha da novela O Bem-Amado (Globo, 1973) e a maioria das músicas da trilha de Fogo Sobre Terra (Globo, 1974).

O álbum com a trilha sonora da novela, lançado originalmente pela gravadora Phonogram, foi relançado em 2001, pela Universal Music, como parte integrante da caixa “Como Dizia o Poeta”, que continha 27 CDs reunindo a obra de Vinícius de Moraes. (*)

(*) “Teletema, a História da Música Popular Através da Teledramaturgia Brasileira”, Guilherme Bryan e Vincent Villari

01. SEI LÁ – Coro
02. AMOR EM SOLIDÃO – Toquinho
03. ELE E ELA – Toquinho & Laís
04. MODINHA NÚMERO UM – José Briamonte
05. O CÉU É O MEU CHÃO – Vinícius
06. A CASA – (DIÁLOGO) – Vinícius & Toquinho
07. A CASA – Vinícius
08. VALSA PARA UMA MENININHA – Vinícius
09. ROSA DESFOLHADA – José Briamonte
10. O PATO PATETA – Vinícius
11. MODINHA NÚMERO UM – Toquinho
12. O CÉU É O MEU CHÃO – José Briamonte

Músicas de Toquinho & Vinícius
Produção de Cayon Gadia

Veja também

  • bruxas

As Bruxas

  • camomilaebemmequer

Camomila e Bem-Me-Quer

  • mulheresdeareia73_3

Mulheres de Areia (1973)

  • hipertensao

Hipertensão