Sinopse

Apesar de seu clima pacato de cidade do interior, onde avanços tecnológicos como internet e telefonia celular ainda não chegaram, Serro Azul tem algumas peculiaridades. A principal delas é uma fonte com propriedades curativas e rejuvenescedoras protegida por sete guardiães que têm como missão garantir que essa riqueza não chegue a mãos erradas.

Os sete guardiães são: o prefeito Eurico (Dan Stulbach), o mendigo Feliciano (Leopoldo Pacheco), o médico José Aranha (Paulo Rocha), o delegado Joubert Machado (Milhem Cortaz), a esotérica Milu (Zezé Polessa), a cafetina Ondina (Ana Beatriz Nogueira) e o solitário Egídio (Antonio Calloni), o guardião-mor.

Sempre por perto deles está Leon, o gato de Egídio. Alguns comentam que o animal tem poderes, outros que ele não é apenas um gato. Quando o guardião-mor percebe que o animal sumiu, logo trata de avisar aos companheiros da irmandade, pois Egídio sabe muito bem o que isso significa: é um sinal de que sua morte se aproxima. E Leon foi em busca daquele que ocupará seu posto.

Leon, de forma mágica, aparece em São Paulo e cruza com o jovem Gabriel (Bruno Gagliasso), filho da empresária do ramo de cosméticos Valentina Marsalla (Lília Cabral). Esse encontro enigmático acontece justamente no dia do casamento do rapaz. Para Valentina, a união é importante, principalmente porque a noiva é filha de um milionário e a união das famílias representa a salvação de sua situação financeira, que não é das melhores.

Porém, para desespero da empresária, pouco antes da cerimônia, Gabriel, de uma forma absolutamente inesperada, desiste de se casar e vai embora sem dizer para onde, nem o motivo. Essa atitude faz com que Valentina rememore uma tristeza de seu passado: ela foi abandonada no altar por Egídio e fugiu de Serro Azul jurando nunca mais voltar.

Depois de decidir, mesmo que de maneira inconsciente, mudar os rumos de sua vida, Gabriel dirige em direção a Serro Azul, sem nunca sequer ter ouvido falar do local. Seu único objetivo é descobrir o que o atrai para aquele lugar. Quando o rapaz está chegando à cidade, sofre um acidente e é socorrido pela misteriosa Luz (Marina Ruy Barbosa).

A jovem, aliás, tem uma ligação muito forte com Leon e se entende com o animal através do olhar. E é conduzida pelo gato que Luz consegue salvar Gabriel. Criada pelo avô Sóstenes (Marcos Caruso) como uma menina comum, Luz sabe, no entanto, que sempre esteve longe disso. Desde pequena, ela tem sonhos misteriosos e alguns deles são visões de algo que está prestes a acontecer.

Em pouco tempo, Luz e Gabriel percebem que algo forte os une: o amor. Disposto a viver esse sentimento, o jovem será capaz de enfrentar a fúria da mãe Valentina. E o casal ainda terá um obstáculo maior para encarar: Gabriel terá que escolher entre o amor de Luz e sua missão de ser o novo guardião-mor da fonte.

Quando Valentina descobre que Gabriel foi parar em Serro Azul, é tomada por uma enorme fúria. Contrariada, ela decide retornar à cidadezinha. A primeira coisa que faz é procurar Egídio e revelar que, quando ele a abandonou no altar, ela estava grávida. Egídio, que está predestinado a morrer, não tem tempo de se aproximar de Gabriel, mas Valentina usa essa história triste de seu passado para tentar sensibilizar o filho e convencê-lo a voltar para São Paulo.

Não demora muito para que Valentina descubra que retornar a Serro Azul pode ter sido um golpe de sorte. Sua irmã, a primeira-dama Marilda (Letícia Spiller), lhe revela a existência de uma misteriosa e secreta fonte da juventude na cidade. Crendo ter descoberto um mapa da mina, Valentina fará de tudo para se apossar do casarão de Egídio, sob o qual a fonte está escondida. Aos poucos, ela se dá conta de que cada um dos guardiães tem um ponto fraco e passa a usar isso em benefício próprio.

Ao sentir que a irmandade e o segredo da fonte estão ameaçados, os guardiães precisam correr contra o tempo para descobrir logo quem é o novo guardião-mor. Só que essa busca não será fácil: pessoas ambiciosas, como o enigmático Sampaio (Marcello Novaes), capanga de Valentina, percebem que existe alguma riqueza escondida na cidade e tentam se passar pelo novo escolhido. Enquanto isso, Gabriel segue planejando seu futuro com Luz, sem desconfiar de que em breve se verá diante desse grande conflito.

Globo – 21h
estreia: 12 de novembro de 2018

novela de Aguinaldo Silva
colaboração de Joana Jorge, Maurício Gyboski e Zé Dassilva
direção de Luciana Oliveira, Fabio Strazzer, Davi Lacerda, Guto Arruda Botelho, Pedro Brenelli e Caio Campos
direção geral de Allan Fiterman
direção artística de Rogério Gomes

Novela anterior no horário
Segundo Sol

BRUNO GAGLIASSO – Gabriel
MARINA RUY BARBOSA – Luz
LÍLIA CABRAL – Valentina Marsalla (Marlene)
TONY RAMOS – Olavo de Aragão Duarte
EDUARDO MOSCOVIS – Leon / Murilo
ISABELA GARCIA – Judith
DAN STULBACH – Eurico
LETÍCIA SPILLER – Marilda
LEOPOLDO PACHECO – Feliciano Pataxó
MARCELLO NOVAES – Sampaio
MARCOS CARUSO – Sóstenes
JOSÉ LORETO – Júnior
MILHEM CORTAZ – Joubert Machado
FLÁVIA ALESSANDRA – Rita de Cássia
ZEZÉ POLESSA – Milu
ANA BEATRIZ NOGUEIRA – Ondina
PAULO ROCHA – José Aranha
VANESSA GIÁCOMO – Stella
ELIZABETH SAVALLA – Mirtes
PAULO VILHENA – João Inácio
CAROL DUARTE – Stefânia
FERNANDA DE FREITAS – Louise Marie
NANY PEOPLE – Marcos Paulo
HEITOR MARTINEZ – Robério
BRUNA LINZMEYER – Lourdes Maria
CAIO BLAT – Geandro
MARCELO SERRADO – Nicolau
CAROLINA DIECKMANN – Afrodite
YANNA LAVIGNE – Laura
VIVIANE ARAÚJO – Neide
GUIDA VIANNA – Firmina
THEODORO COCHRANE – Adamastor
AÍLTON GRAÇA – Padre Ramiro
ROBERTO BIRINDELLI – Tobias
ADRIANA LESSA – Clotilde
PAULO MIKLOS – Jurandir
CAIO MANHENTE – Guilherme
JAFAR BAMBIRRA – Leonardo
GIULIA BUSCACCIO – Elisa
MATHEUS ABREU – Maltoni
INÊS PEIXOTO – Socorro
JÚLIA KONRAD – Raimunda
LUCCI FERREIRA – Patrício Nasser
FELIPE HINTZE – Peçanha
MARCELLO MELO JR. – Fabim
LARYSSA AYRES – Diana
GABRIEL STAUFFER – Walid
EDUARDO SPERONI – Bebeto
GIULIA GAYOSO – Rivalda
SIMONE ZUCATO – Liliane
LIZA GOMES – Lucilene
SABRINA KORGUT – Djenane
TALITA FUSCO – Roseane
JOSIE PESSOA – Luciana
LYV ZIESE – Katiucha
MILA CARMO – Januária
MAUREEN MIRANDA – Dida
ANA PAULA NOVELLINO – Jane
ROBSON SANTOS – Alfredo
FÁBIO TOKAY – Jorge
as crianças e adolescentes
CAUÊ CAMPOS – Feijão
ANA CLARA COUTO – Margareth
VITTÓRIA SEIXAS – Cristiana
e
ADRIANA BELLONGA – Irmã Piedade (tenta controlar Lourdes Maria quando ela é colocada a força num convento)
ÁGATHA FÉLIX – amiguinha de Cristiana, do colégio
ALEX TEIX – Dr. Reinaldo (médico de Greenville que atende Gabriel e depois Mirtes)
ANDREA BASSIT – Marli (empregada de Valentina em São Paulo)
ANJA BITTENCOURT – dá informações a Laura sobre Maria do Ó, nome que no cartório consta como sendo a mãe de Luz
ANTÔNIO CALLONI – Egídio (guardião-mor, pai de Gabriel, morre no início)
ANTÔNIO GONZALEZ – Dr. Cardoso (advogado da prefeitura de Serro Azul e advogado de Egídio, auxilia Gabriel na herança do pai)
CRISTINA AMADEO – Sueli Fusco (diretora da Dance Academy, onde Bebeto faz teste como dançarino)
FÁBIO GUARÁ – pergunta a Fabim sobre a venda de celulares
GIULIA BERTIOLLI – Marlene (jovem)
GUSTAVO NOVAES – Atala (treinador de caratê interessado em investir na carreira de Diana)
JOÃO ZOLI – Murilo (jovem)
LAÉRCIO FONSECA
LARISSA RODRIGUES
LUCIANA BORGHI – juíza que define com quem fica o casarão da fonte
LUCÍLIA DE ASSIS – secretária de Olavo no escritório em São Paulo
LUIZA TOMÉ – Scarlet Mackenzie Pitiguari (mulher de Ipiranga Pitiguari)
MARCO MARCONDES – diretor da escola onde Diana estuda, dá informações a Atala sobre a menina
MIGUEL NADER – Lima (segurança de Olavo)
MILLA FERNANDEZ – Neide (jovem)
PAULO BETTI – Ipiranga Pitiguari (coordena obras em Serro Azul)
REGIANA ANTONINI – Maria do Ó, a filha (homônima da mãe de Luz, conforme ela informa a Olavo)
REGINA SAMPAIO – Maria do Ó, a mãe
RONALDO REIS – homem que enfrenta Nicolau quando este tenta tirar Diana a força dos treinos
TUCA ANDRADA – Matoso (ex-amante de Mirtes, amigo de Marcos Paulo)
VINÍCIUS SOARES

Novela que marcou a volta de Aguinaldo Silva ao realismo fantástico, perpetuado em trabalhos como Pedra Sobre Pedra (1992), Fera Ferida (1993-1994) e A Indomada (1997). A última neste estilo foi Porto dos Milagres, em 2001.

Questionado do porquê do retorno ao realismo mágico, o autor declarou na época do lançamento da novela:
“Comecei a perceber que a realidade estava ficando dura demais, e que nenhuma ficção poderia competir com isso. Além do mais, me divirto nesse estilo, onde tudo é possível, onde o escritor é senhor absoluto dos acontecimentos. Onde, se eu quiser, posso fazer até um carro voar.”

Aguinaldo recheou O Sétimo Guardião de referências e citações a personagens e tramas de trabalhos anteriores. Trouxe de volta Paulo Betti e Luiza Tomé, em uma participação, com seus personagens Ipiranga Pitiguari e Scarlet, da novela A Indomada.
E a fictícia cidadezinha de Serro Azul deixou de ser apenas a vizinha de Tubiacanga (de Fera Ferida) e Greenville (de A Indomada) – citada nestas novelas -, e apareceu em O Sétimo Guardião como cenário principal da história.
“Essas cidades sempre estiveram no meu imaginário. Fazem parte da memória que tenho da minha infância no interior de Pernambuco. Serro Azul sempre existiu dentro do meu universo geográfico”, disse Aguinaldo Silva.

Porém, o retorno do autor ao realismo fantástico não foi dos mais satisfatórios, pelo menos para o público. Passada mais de sua metade, O Sétimo Guardião acumula 28 pontos de média no Ibope da Grande São Paulo. Não é nenhum desastre, mas está abaixo do que se espera para a faixa (30 pontos) e abaixo das novelas anteriores (Segundo Sol, 32 pontos, e O Outro Lado do Paraíso, 35 pontos, no mesmo período).
Apesar do elenco de grande estrelas e da produção de primeira, a trama de Aguinaldo Silva não empolga e mal repercute. As maiores críticas são ao casal romântico central (Bruno Galiasso e Marina Ruy Barbosa), sem química, à falta de carisma do protagonista Gabriel, vivido por Bruno Gagliasso, e à vilã que deveria ter sido, mas não aconteceu, Valentina Marsala, personagem de Lília Cabral.

Não bastasse a audiência abaixo da esperada, a novela movimentou revistas e sites de fofocas com bastidores problemáticos e para lá de movimentados.

O Sétimo Guardião iniciou com uma polêmica fora da novela muito antes de sua estreia: no final de 2017, quando foi noticiada a aprovação de O Sétimo Guardião para a grade de 2018, o roteirista Silvio Cerceau, ex-aluno da oficina ministrada por Aguinaldo em 2015, reivindicou a coautoria da novela, já que a sinopse havia sido desenvolvida coletivamente. Cerceau se negou a aceitar a devolução da taxa de inscrição paga pelo curso em troca da assinatura de um novo contrato em que cederia gratuita, total, irrevogável e exclusivamente os diretos sobre a sinopse de O Sétimo Guardião. O caso foi parar na Justiça. Do outro lado, Aguinaldo Silva moveu um processo contra o ex-aluno por quebra de uma cláusula de confidencialidade. Essa trama vem, desde então, sofrendo novos desdobramentos e, parece, com desfecho para além da novela fictícia.
Após toda polêmica autoral, a Rede Globo passou a creditar, no encerramento, os 26 roteiristas criadores da sinopse.

Em 27/02/2019, o figurante Joseph Lima dos Santos, de 23 anos, passou mal durante uma gravação da novela nos Estúdios Globo. Após atendimento médico, o figurante voltou ao set, teve um infarto e veio a óbito.

Bruno Gagliasso afastou-se das gravações por um período para uma cirurgia de retirada de cálculo renal. Sem seu protagonista, Aguinaldo Silva teve que reescrever várias cenas para atender o cronograma de gravações, já apertadíssimo.

A novela ainda teve desentendimentos entre os atores. Lília Cabral, incomodada com um atraso de Marina Ruy Barbosa para uma gravação, chamou a atenção da atriz.

Porém, o buchicho maior que agitou os bastidores de O Sétimo Guardião teve início no final de fevereiro de 2019, uma trama picante que, apesar de alguns entrechos ficcionais, envolve, influencia e altera a realidade. A fofoca de “uma atriz”, suposta amiga de Débora Nascimento, a “um jornalista” sobre “um caso” de José Loreto (então marido de Débora) com “uma atriz” do elenco de O Sétimo Guardião despertou mais a atenção do público do que a história da novela. Marina Ruy Barbosa acabou apontada como o pivô da separação de Débora Nascimento e José Loreto. Bruno Gagliasso, cujo personagem formava um triângulo amoroso na novela com os de Marina e Loreto, tomou partido do amigo, o que gerou um tremendo mal estar entre Marina e os atores.
A fofoca ganhou proporções gigantescas, misturando realidade com ficção. A “novela fora da novela” tem todos os ingredientes que levam os noveleiros aos delírio: triângulo amoroso, dramalhão barato, lágrimas, declarações de amor, vilã maledicente, mocinho (ou vilão) arrependido, intrigas, suspense, separação de casais, comédia, memes e até apelo sexual. A trama da vida real foi batizada pejorativamente de Surubão de Noronha – uma referência ao destino preferido dos atores amigos de Gagliasso e sua mulher Geovanna Ewbanck, que têm uma casa na ilha de Fernando de Noronha.

Lá pela metade da novela, Aguinaldo Silva deu uma nova função à megera Mirtes, vivida por Elizabeth Savala. Por trás de um perfil falso na internet, Mirtes passou a espalhar fake news e fofocas envolvendo os moradores de Serro Azul. Uma versão de saias a um personagem anterior do autor, o jornalista viperino Téo Pereira, vivido por Paulo Betti na novela Império (2014-2015).

Destaque para as atuações de Isabela Garcia (Judith), Elizabeth Savala (Mirtes), Letícia Spiller (Marilda) e Nany People (Marcos Paulo), em sua estreia em novelas.

O desafio de Natália Duran Stepanenko e sua equipe ao desenvolver o figurino da novela foi criar uma atmosfera atemporal para os personagens, com toques de realismo fantástico, que era a proposta estética da produção. Para chegar neste formato, ela idealizou o que denominou de “neorrealismo fantástico”: montou para cada núcleo um figurino com referências de uma década do século passado.
“Serro Azul é uma cidade que parou no tempo. O desafio desse figurino é colocá-lo entre Tubiacanga e Greenville, num lugar que não chegou a televisão nem a internet. Para as pessoas acreditarem nessa história, a gente criou uma estética que fica entre o realismo mágico e o real”, contou, exemplificando em seguida. “O bordel, por exemplo, tem referência na década de 70. Já a família do doutor Aranha passeia pelas décadas de 40 e 50. E os jovens são contemporâneos”.
A pesquisa para a montagem do guarda-roupa dos personagens contou também com um trabalho de imersão pelas obras de realismo mágico de Aguinaldo Silva, como Fera Ferida e A Indomada.
“Conversei muito com a Beth Filipeck, que trabalhou com o autor, para entender algumas referências”, disse Natália.

A cidade cenográfica de Serro Azul foi construída numa área de 18 mil metros quadrados nos Estúdios Globo, com 38 edificações. A fonte protegida pelos guardiães também foi construída lá: seis metros de queda d’água dentro de uma gruta cenográfica de cerca de mil metros quadrados.
A cenógrafa Anne Bourgeois afirmou que, apesar de Serro Azul não estar localizada geograficamente em nenhum estado brasileiro, tinha uma arquitetura colonial marcada, que remetia às construções do interior de Minas Gerais.
Uma curiosidade em relação à produção de arte foram os carros e celulares utilizados em cena.
“Como a modernidade não chegou completamente a Serro Azul, conseguimos alguns veículos antigos, como um Galaxie e um Opala. Os celulares também são de modelos fora de moda. Na cidade, só a Marilda (Letícia Spiller) tem um telefone um pouco melhor. Nenhum outro morador, além dos que chegam de São Paulo, tem smartphone, por exemplo”, contou a produtora de arte Mirica Viana.

Quatro gatos da raça Bombaim foram trazidos dos Estados Unidos para que fossem adestrados e pudessem representar o gato Leon na trama. Para o desenvolvimento do gato, a equipe de Tecnologia da Globo iniciou três frentes de pesquisa: utilizando gatos reais, desenvolvendo um animatronic e modelando um gato realista totalmente 3D.
“A versão virtual do animal levou um semestre para ser concluída e contou com a contribuição de parceiros internacionais. Para o dia a dia, teremos seis animadores dedicados a este projeto, e o trabalho é tão minucioso que cada profissional entrega 30 segundos de animação por mês”, contou Fernando Alonso, gerente de operações de Tecnologia da Globo.
Além disso, foram feitos testes de captação e composição com gatos reais nos Estúdios Globo. A maior parte das cenas com o felino, cerca de 70%, foi feita com o gato de verdade. As outras foram feitas em 3D ou com um animatronic, que é manipulado pela equipe de efeitos especiais.
“Para as cenas em que o animal real aparece, foram feitas imagens em nosso galpão de efeitos visuais e, com isso, começamos a criar uma biblioteca de footage de imagens em movimento no chromakey”, explicou Alonso. Em seguida, essas imagens passaram por composição com as cenas gravadas com atores, reproduzindo iluminação e interferências do ambiente para uma integração mais precisa na cena.

Além de Leon, a equipe de efeitos visuais construiu toda Serro Azul em ambiente virtual, sobre a topografia da Serra da Canastra (MG). Também foram feitos stockshots em 3D.

A coruja que Milu (Zezé Polessa) tinha em sua loja de produtos esotéricos foi outro elemento em que a equipe de efeitos trabalhou.
“Existe a versão da coruja empalhada, feita pela produção de arte, mas, como em alguns momentos da história o animal ganhará movimentos, estamos nos preparando para que isso também seja feito na computação”, disse Fernando Alonso.

O Sétimo Guardião homenageou falecidos diretores de novelas que fizeram história na televisão. No casarão do guardião-mor, havia uma sala de retratos de antigos guardiões, representados por um diretor: Carlos Manga, Herval Rossano, Gonzaga Blota, Roberto Talma e Roberto Farias. Esses retratos apareciam também na abertura da novela.

Trilha Sonora Volume 1

01. VIM PRA FICAR – Iza
02. RAP DU BOM PARTE 2 – Rappin Hood (participação de Caetano Veloso)
03. AI, AMOR – Anavitória
04. NOSSA MÚSICA – Um44K
05. ENTRE A SERPENTE E A ESTRELA (AMARILLO BY MORNING) – Zé Ramalho
06. PRINCÍPIO ATIVO – Paulo Miklos
07. AIN´T NO REASON – Brett Dennen
08. A ESTRADA ME CHAMA – Zeca Baleiro
09. CORRENTE – Fuze
10. WHEN THE CURTAIN FALLS – Greta Van Fleet
11. WHITE RABBIT – Haley Reinhart
12. OUTRA VEZ – Lanna Rodrigues
13. MELATONIN – Phoria
14. PRA SUINGAR – Som Nosso de Cada Dia
15. DONA DA MINHA CABEÇA – Geraldo Azevedo

Trilha Sonora Volume 2

01. THESE BOOTS ARE MADE FOR WALKIN´- Lewonda
02. TUDO VIRA BOSTA – Rita Lee
03. FLOR DA PELE – Rachell Luz (participação de Zeca Baleiro)
04. NUNCA FOI SORTE – Luísa Sonza
05. TRUTH – Alex Ebert
06. BEYOND – Leon Bridges
07. 17+ FOREVER – William Fitzsimmons
08. HOMEM COM H – Ney Matogrosso
09. TANGO NOSTALGIA – Roberta Lima
10. PINK UP – Spoon
11. TOO BAD – Giulia
12. CLICHÊ – Ludmilla (participação de Felipe Araújo)
13. TODA HORA É HORA – Sorriso Maroto

ainda
DAYDREAMING – Radiohead
ESSA – Outros Aires
PEOPLE GET UP AND DRIVE YOUR FUNKY SOUL (Remix) – James Brown
SOBRE NÓS – Delacruz, Maria, Ducon, Luiz Lins, Diomedes, Chinaski, BK e Kayuá
THE CHAIN – Fleetwood Mac

Tema de Abertura: THE CHAIN – Fleetwood Mac

Listen to the wind blow
Watch the sun rise
Run in the shadows
Damn your love, damn your lies

And if you don’t love me now
You will never love me again
I can still hear you saying
You would never break the chain

And if you don’t love me now
You will never love me again
I can still hear you saying
You would never break the chain

Listen to the wind blow
Down comes the night
Run in the shadows
Damn your love, damn your lies

Break the silence
Damn the dark, damn the light

And if you don’t love me now
You will never love me again
I can still hear you saying
You would never break the chain

And if you don’t love me now
You will never love me again
I can still hear you saying
You would never break the chain

Chains keeps us together
Running in the shadows…

Veja também

  • pedrasobrepedra_logotipo

Pedra Sobre Pedra

  • feraferida_logo

Fera Ferida

  • indomada_logo

A Indomada

  • portodosmilagres_logo

Porto dos Milagres