Sinopse

Um atentado é preparado e um homem será assassinado. A ordem parte do Brasil, mas a vítima está em Palermo, na Itália. É Tony Castellamare, um brasileiro de origem italiana que é suspeito de ligações com a máfia. Mas o crime é interceptado por Téo, delegado da Polícia Federal Brasileira e chefe da operação que investiga uma poderosa conexão do narcotráfico. Numa ação rápida, o delegado impede que Tony morra com a explosão de uma bomba em seu carro, mas não consegue evitar a morte da mulher de Tony e de suas filhas gêmeas. Tony não consegue chegar a tempo de impedir que sua mulher entre no carro e vê a familia morrer na terrível explosão criminosa. Atingido pela tristeza e sem saber o motivo pelo qual querem matá-lo, Tony descobre que a ordem partiu do Brasil e decide se vingar. Ele vem para o país acompanhado do filho Eduardo e se hospeda na casa dos pais, os italianos Dom Caló e Mama Freda.

Tony é misterioso e não deixa claro a ninguém a sua relação com a máfia. É exatamente essa a questão que mais instiga o delegado Téo, que quer desbaratar a rede de narcotráfico que liga Brasil e Itália. Téo sabe que Tony pode ser o elo que precisa para chegar até o misterioso Capo, ou seja, o líder de toda essa organização, e para isso, conta com um moderno aparato policial e tem em sua equipe profissionais extremamente qualificados, como seu principal parceiro Renato e Marília, uma especialista em tecnologia capaz de invadir qualquer sistema operacional. Por outro lado, os envolvidos com a máfia não querem que a polícia se aproxime de seus negócios. Iago, porta-voz de Capo, cuida disso comandando seus contraventores no Brasil, com a ajuda de Lucas e Tucci, e na Itália, por meio de Brasiliano. Iago faz o que pode para atrapalhar as investigações de Téo.

Mas a vida de Tony não está envolta apenas em crimes e tragédias. Pouco antes da morte de sua família, ele conhece a jornalista brasileira Lígia, que inicialmente se aproxima dele para conseguir um furo jornalístico para a revista que trabalha, mas acaba se apaixonando e se sensibilizando com o sofrimento de Tony ao perder a família, passando então a viver uma crise ética por ter se apaixonado por um homem que supostamente é um criminoso. Ao mesmo tempo, Lígia é cobrada ostensivamente por seu editor-chefe, Baruel, para conseguir uma matéria bombástica. Tony, por sua vez, fica fascinado por Lígia, mas também se irrita ao saber que ela é jornalista e quer fazer uma matéria sobre a vida dele.

Num outro núcleo da história está Maura Orlim Villar, que casou-se cedo com Bruno Vilar e deixou de lado o desejo de ser atriz, por insistência do próprio marido. Dedica sua vida a cuidar dele e dos filhos, Luísa, Pedro e Júnior. Ele, por sua vez, enriqueceu ao se casar com Maura e passou a trabalhar nos negócios da família. Apesar de não ter realizado seu maior sonho, Maura é muito feliz. O que ela não imagina é que o marido há anos mantém um caso extraconjugal com a famosa atriz Fernanda Lira, que se sente atraída pelo comportamento imprevisível de Bruno, mas está cansada de ser “a outra”. Até o dia em que a atriz conhece o misterioso Tony Castellamare.

Record – 22h / 23h
de 14 de abril de 2009 a 2 de março de 2010
237 capítulos

novela de Lauro César Muniz
livremente inspirada no romance Honra ou Vendetta de Silvio Lancelotti
escrita por Lauro César Muniz e Dora Castellar
colaboração de Aimar Labaki, Mário Viana, Newton Canitto e Rosane Lima
direção de Ignácio Coqueiro, Sacha Celeste, José Carlos Piéri, Leonardo Miranda e Marcus Coqueiro
direção geral de Ignácio Coqueiro

GABRIEL BRAGA NUNES – Tony Castellamare
MARCELO SERRADO – Bruno Vilar
PALOMA DUARTE – Fernanda Lira
MIRIAM FREELAND – Lígia Brandão
TUCA ANDRADA – Téo (Telônio Meira)
ADRIANA GARAMBONE – Maura Vilar
PETRÔNIO GONTIJO – Rudi (Rodolfo Castellamare)
PATRÍCIA FRANÇA – Nina Santanna
GUILHERME BOURY – Pedro Vilar
GRACINDO JR. – Dom Caló (Calógero Castellamare)
LÚ GRIMALDI – Mamma Freda (Freda Castellamare)
MARIA RIBEIRO – Marília de Castro
NICOLA SIRI – Paulo Garzia
FERNANDO PAVÃO – Khalid
LUCIANA BRAGA – Laila
FLORIANO PEIXOTO – Rafael Cortez
BETE COELHO – Vânia Orlim
ELIANA GUTMANN – Dulce Orlim
CECIL THIRÉ – Armando Orlim
BRUNO PADILHA – Renato Jardim
KAREN JUNQUEIRA – Gigi (Regina Castellamare)
MIGUEL THIRÉ – Dog (Douglas Arno)
FERNANDA NOBRE – Luisa Vilar
ANDRÉ BANKOFF – André Campos
MANUELITA LUSTOSA – Lurdes Leme
NILL MARCONDES – Felício Nogueira
MARIA CAROLINA RIBEIRO – Neide Queiroz
ANTÔNIO ABUJAMRA – Marco Iago
LUIZ GUILHERME – Lucas Sampaio
RICARDO PETRÁGLIA – Sérgio Barreto
ROBERTO BIRINDELLI – Francesco Tucci
CARLOS BONOW – Roberto Baruel
PAULO GORGULHO – José Santana
CASTRINHO – Leonel Pavão
JOSÉ DARTAGNAN JR. – Deputado Juraci Ramos
LUMA COSTA – Bebel (Isabel Borges)
ADRIANA LONDOÑO – Nícia Silva
SÔNIA LIMA – Tereza Garzia
JOÃO VITOR SILVA – Eduardo Castellamare
LEANDRO LÉO – João Mendes
JÚLIA SABUGOSA – Mimi (Miquelina Vaz)
AUGUSTO ZACCHI – Domi Santino
MARTHA MELINGHER – Helena Miranda
BETHY ERTHAL – Nida (Damiana)
SÔNIA GUEDES – Berenice de Castro
MARLY BUENO – Sônia Meira
CLÁUDIO TOVAR – Orlando
LÚCIO FERNANDES – Wagner Martins
ADRIANO DICARVALHO – Rodrigo Lins
MARCELO ESCOREL – Silvio Carlo
XANDÓ GRAÇA – Felipe Caroté
BRUNA PIETRONAVE – Bruna Maria Tucci
RODRIGO SIMAS – Bruno Vilar Jr.
RENAN PITANGA – Nando (Armando Neto)
FANY GEORGULEAS – Daniela
CRISTINA FAGUNDES – Maria
LUCAS COTRIM – Gustavo Silva
JULIANA ALMEIDA – Joana Dias
JÚLIA OLIVA – Juliana Silva
CLÁUDIO ANDRADE
e
ALEXANDRE DACOSTA – Delegado Antunes
BEMVINDO SIQUEIRA – Vitor Danesi chef do Hotel Diana)
CACO BARESI – Jorge (marido morto de Nícia)
CÉSAR AMORIM – Delegado Regional César Bittencourt
CHARLE MYARA – Valdir Cruz (promotor no julgamento de Nina)
DANIELA GALLI – Marina Salaparuta (esposa de Tony morta na explosão em Palermo)
DANIEL BARCELLOS – Odair Fernandes (banqueiro bandido que foi sequestrado a mando de Sérgio)
DAVID THAMI – Macute (empregado de Pavãozinho)
EDUARDA TEIXEIRA – Graziela (filha de Tony morta na explosão em Palermo)
EDUARDO DASCAR – Pierre
EDYR DUQUE – Donata (senhora que hospeda Nina quando esta foge para dar a luz)
FERNANDO ARZE – Camilo Cennizas (bandido das FARC que estabeleceu negócios com Tony e Bruno)
FERNANDO VIERI – Jura
FLÁVIO LOUVEIRO – Ton Ton (empregado de Pavãozinho)
FRANCISCA QUEIROZ – Antônia (ex-mulher de Rafael)
GERALDO PESTALOZZI – Osmar da Nazaré (bandido recomendado a Pavão por Geraldo)
GISELE TIGRE – Vilma (obstetra contradada por Bruno para cuidar de Fernanda)
ISADORA TEIXEIRA – Alessandra (filha de Tony morta na explosão em Palermo)
KARINA SACCHELI – Katherine (médica americana do grupo de Capo e Santana)
LAFAYETTE GALVÃO – Dr. Figueroa (membro do grupo de Bruno)
JOAQUIM LOPES – Marcelo (ator que contracena com Fernanda na novela Mascaradas)
JORGE PONTUAL – ator que contracena com Fernanda na novela Mascaradas
JÚNIOR PRATA – Miro (sequestrador do banqueiro Odair Fernandes, acaba assassinado por policiais)
LEONARDO SERRANO – diretor da novela Mascaradas
LUIZ CARLOS DE MORAES – Tavares (concorrente de Bruno na candidatura de secretário de turismo)
MARCELO BORGHI – Carlão (irmão de Luis Moura Filho, um suposto Guri que a polícia investigava)
MARCELO TORREÃO – homem contratado para matar Tony
MÁRCIO KIELING – Alberto de Castro (irmão de Marília assassinado devido ao envolvimento com o tráfico)
MÁRCIO ROSÁRIO – Brasiliano (Leonilson Pini) (contraventor da quadrilha do Capo na Itália, nos primeiros capítulos da novela)
MARCOS BARRETO – Delegado Xavier
MÁRIO GOMES – Pavãozinho (irmão de Pavão, morre assassinado por Zé Formoso, um contraventor inimigo)
MARK GARY LAND – Gary Scott (agente estrangeiro)
MICHELE MARTINS – Amanda (estagiária de Lígia que investiga o tráfico de mulheres e acaba assassinada)
MIGUEL KELNER – ator que contracena com Fernanda no filme Barriga
MILHEM CORTAZ – Clóvis Fernandes (cunhado de Nina que a estuprou, é morto por Khalid)
NELITO REIS – Cosme
PAULO ASCENÇÃO – jornalista italiano do Corriere Della Sera
PAULO CÉSAR FERREIRA – Flávio
RODOLFO DE FREITAS – Capo (Ary Monteiro de Mello) – jovem
ROGÉRIO FRÓES – Capo (Senador Ary Monteiro de Mello) (chefe da Máfia no início, assassinado pelos próprios comparsas para impedir que ele passasse o cargo para Tony)
SACHA BALI – Artur (sobrinho de Lurdes que vai morar com ela após cumprir pena)
SÉRGIO MONTE – motorista da ambulância que ameaça Vilma
TIÃO D’ÁVILA – Geraldo (malandro amigo de Pavão)
VICENTE COELHO – Sem-Noção (traficante que acaba morto por Macute)
WILLIAM VITA – Zé Formoso (presidente da Escola de Samba Deixa Falar, rival de Pavão)
Arlindo (segurança de Pedro e Nina no hotel Diana)
Cleonice (mulher que se envolve com Wagner)
Diva (mãe de André)
Jairo (traficante fornecedor de Rudi, de quem Laila compra armas e drogas)
Nilton de Barros Filho (juiz no julgamento de Nina)
Verinha (organiza uma festa no hotel Diana)
Vitório (finge ser marido de Joana num plano de Pavãozinho para que a mulata seduza Bruno)
Wagner (policial da equipe de Téo assassinado dentro da delegacia)
advogado de Nina em seu julgamento

O título Poder Paralelo foi escolhido por concurso interno entre empregados da Record. Por coincidência, um funcionário da equipe de contra-regra e um caboman sugeriram o nome vencedor e, como prêmio, levaram – cada um deles – uma TV de LCD. O autor, Lauro César Muniz, pode não ter gostado da mudança de nome de Vendetta (“vingança” em italiano) para Poder Paralelo, mas desde setembro de 2008 (quando a enquete na Record começou) ele sabia que o título não poderia ser Vendetta. Sobre o título, comentou o autor:
Por mim, seria Vendetta, gosto tanto desse título! Mas há um grupo dentro da emissora, com poder de decisão, que acha que uma palavra estrangeira pode criar ruído nas classes C, D e E, que são classes que a Record precisa privilegiar.

História ambiciosa e frenética, Poder Paralelo prometeu explorar todo o potencial de produção dos estúdios RecNov para falar das conexões criminosas entre a Máfia italiana e o narcotráfico na América do Sul.

Em entrevista, Lauro César Muniz comentou sobre a novela:
“A intenção era fazer uma outra novela, baseada na série chilena Machos, mas a Record não chegou a um acordo sobre os direitos autorais. Daí, me lembrei do livro Vendetta, do Silvio Lancelotti, que li há vinte anos, e retomei. Mas ele é insuficiente para uma novela – tem poucas personagens femininas. Então, bolei uma outra história, ampliando o universo feminino, e liguei à história do Silvio. Assim, nasceu a novela.”

Os primeiros capítulos foram gravados na Itália e contaram até com a explosão de um carro e perseguições na região central de Roma e outras cidades da costa do país. Flávio Ricco e José Armando Vannucci em “Biografia da Televisão Brasileira”.

Para simular a Villa de Tony (Gabriel Braga Nunes), que inicialmente também seria gravada na cidade de Palermo, na Itália, foi locada uma mansão na cidade de Serra Negra, no interior de São Paulo.

Apesar de se passar em São Paulo, a maioria das locações da novela foram o Rio de Janeiro. O Palácio das Laranjeiras, residência oficial do governador do Estado, foi usado para gravação de cenas de ação com os mafiosos da trama.

Poder Paralelo teve alguns acidentes de percurso. Como as gravidezes das atrizes Patrícia França, Maria Ribeiro e Bete Coelho, que obrigou o autor a desviar o rumo de suas personagens. Lauro César Muniz ainda teve um estresse por volta do capítulo 70, de acordo com o que comentou em entrevista:
“(…) fiquei um pouco afastado da novela, que sofreu uma queda de qualidade e, consequentemente, de audiência. Cheguei a pensar que tivesse perdido a novela, mas, sob cuidados médicos recuperei minha vitalidade e aos poucos fui retomando a trama até colocá-la de novo nos trilhos.”

A novela ainda foi espichada por causa do atraso da produção seguinte no horário (Ribeirão do Tempo). E sofreu com as alterações de horário de exibição. Estreou às 22 horas, mas na sequência trocou várias vezes de horário: 21h30, 22h20, 22h30, 23h00 e 23h15. Sobre o fato, o autor chegou a criticar a emissora:
“Não se pode prejudicar uma novela como Poder Paralelo alterando constantemente seu horário de exibição e fracionando o tempo dos capítulos para servir a reality shows que não são a base fundamental da programação.”

O diretor Ignácio Coqueiro concordou com o autor:
“A variação de horário foi o lado negativo dessa experiência. Sempre ouvia muita reclamação nas ruas.”

Questionado sobre as cenas de violência da novela, o autor declarou:
“Não houve exagero. Poder Paralelo se insere em um gênero que agrada pela ação forte (tiroteios, bombas, lutas, etc): o gênero policial, vertente gangsterismo/mafia tão explorado pelo cinema. O público que se interessa e acompanha este tipo de novela quer ver ação forte, explosiva. É verdade que sempre tem alguém segurando uma arma nessa novela, assim como em Chiquinha Gonzaga, minha minissérie, sempre havia alguém tocando piano… Ou se assume o gênero ou se trai o público.”

Rendeu a visita que o então presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Gilmar Mendes, fez ao RecNov. Ele conseguiu emplacar um personagem em Poder Paralelo para fazer merchandising social dos mutirões carcerários do Conselho Nacional de Justiça, órgão do qual também era presidente. Os mutirões revisam processos penais no país. Desde agosto de 2008, soltaram 18.359 pessoas presas irregularmente e cadastraram 1.200 vagas de qualificação e 300 de trabalho em empresas que se dispõem a aceitar esses ex-presidiários.
“O ministro citou com ênfase esse esforço para recolocar essas pessoas. Simpatizamos com a ideia e vimos a possibilidade de apoiar o trabalho”, disse Hiran Silveira, diretor de dramaturgia.
Foi Silveira quem levou a sugestão a Lauro César Muniz.
“Decidi criar um personagem ligado ao núcleo do fotógrafo Douglas [Miguel Thiré]. Ele vai tentar emprego como segurança, vão descobrir que ele saiu da cadeia e começarão as dificuldades”, disse Muniz. O personagem foi Artur, interpretado pelo ator Sacha Bali.

Primeira novela do ator Rodrigo Simas.

Trilha Sonora

podert
01. BELÍSSIMO COSI – Laura Pausini (tema de abertura)
02. L´AMORE CHE VIENNE – Andrea Sisti e Paula Morelenbau (tema de Toni e Lígia)
03. FALANDO SÉRIO – Mauricio Manieri (tema de Toni e Fernanda)
04. LUIZA – Gabriel Guerra (tema de Luiza)
05. MIGLIORE ANNI DELLA NOSTRA VITA – Jim Porto e Coral
06. ESTOU MORRENDO AOS POUCOS – KLB (tema de Nina e Pedro)
07. FIRMAMENTO – Opinião Publica – Tony Garrido
08. RONDA – Mariana Belém
09. LUCEVAN LE STELLE – Carlos Slivskin
10. INSENSATEZ – Fernanda Takai (tema de Fernanda)
11. CEGOS DO CASTELO – Milena Monteiro (tema de Rudi)
12. CHUVAS DE VERÃO – Mariana Bravo (tema de Dulce e Armando)
13. SAINDO DE MIM – Aline Muniz
14. FIM DE TARDE – Soraia Bauer
15. AMAR ASSIM – Mauricio Gasperini (tema de Maura)
16. VOU GANHAR VOCÊ – Franco Levine

Tema de Abertura: BELISSIMO COSÌ – Laura Pausini

Ricomincio da qui
E battezzo i miei danni
Con la fede in me
Senza illudermi
Ma con un principio da difendere
Punto a pieno su noi
È bellissimo così
Meglio tardi che mai
Ascoltami
Posso essere io
L’occasione che aspetti da una vita
Il mio
Sarò di più
Io sarò la certezza che chiedevi tu
È innegabile
Che da quando tu mi vuoi
Punto tutto su noi
Sorprendimi

Lascia il tuo passato com’è
E porta il meglio da me
Nel tuo presente
Spezza le parole di chi non t’ama e ti dice si
Non è sufficiente
E lasciati guardare un po di più
Come un bagliore
Splendi di rivoluzione tu
Bellissimo così

Vieni a me come sei
Fallo immediatamente non voltarti mai
L’essenziale l’hai tu
Lo nascondi ai miei occhi
Ma vale di più
Sei perfetto così
Coi tuoi denti lucidi
Punto a capo da qui
Ascoltami

Lascia il tuo passato com’è
Lo porterai insieme a me
Nel tuo presente
Mezza vita è molto per chi
Ti vuole e ti dice si
E lo fa per sempre
Lasciati ammirare un po di più
Senza pudore
Provochi la mia reazione tu
Bellissimo così

Sono trasparente lo sai
Io quando parlo di noi
Quasi indecente
Canto sottovoce ma c’è
Un suono dentro di me
Così prepotente
E lasciati guardare un po di più
Come un bagliore
Splendi di rivoluzione tu
Bellissimo così…

Veja também

  • aquareladobrasil_logo

Aquarela do Brasil

  • cidadaobrasileiro_logo

Cidadão Brasileiro

  • mascaras_logo

Máscaras