Sinopse

O tumultuado caso de amor da operária Silvana e do jogador de futebol Luca, movimentado pelo gênio esquentado dos dois e pela presença da sensual Verônica, que joga seu charme e poder de sedução sobre Luca. Porém, a complicação maior vem do pai de Verônica, o rico empresário Oliva, dono da fábrica de perfumes CPP, que arma uma verdadeira guerra pela posse do neto, Zeca – filho de Silvana com Victor, falecido filho de Oliva. Viúvo, o empresário quer fazer de Zeca seu sucessor e tenta de todo jeito conquistar o amor e a guarda do menino. Sua determinação acirra a disputa de suas três filhas – Catarina, Verônica e Gabi – pelo controle dos negócios.

Catarina, a mais velha, foi abandonada pelo marido e voltou para a casa do pai com o filho Téo. Durona, orgulhosa e fria, ela é diretora na empresa do pai, mas não suporta a linha de perfumes populares Vereda Tropical, o ponto forte do negócio. Ardilosa, Catarina faz de tudo para impedir que Zeca se torne herdeiro da fortuna de Oliva, já que ela espera que seu filho, o tímido Téo, fique com a herança e a empresa. Téo tenta se aproximar do avô, que o trata com frieza por achá-lo um fraco. Além disso, Téo não sabe como conquistar as mulheres, nem fazer amigos. Gago e solitário, vive em um mundo paralelo, onde imagina ser um super-herói: o Super Téo.

Verônica, por sua vez, é uma mulher que adora provocar os homens e só pensa em curtir a vida boa que leva graças ao dinheiro do pai. Já Gabi, a mais nova, é a que mais se parece com Oliva, embora seja adotada. Irreverente e geniosa, diz o que pensa, o que a leva a se meter em confusões. Rival de Oliva, o químico Jamil é dono de uma pequena indústria de essências e guarda o segredo da fórmula do perfume Vereda Tropical, contrariando Oliva, que depende dessa essência. Jamil apaixona-se por Silvana, que destaca-se como líder operária na fábrica de perfumes de Oliva.

Silvana vai morar na Vila dos Prazeres, onde conhece a família da bela viúva Bina, amiga de Jamil, proprietária da cantina La Tavola di Michele, e passa a ser cortejada pelos dois filhos mais velhos da mamma: o romântico e tímido Marco, e Luca, um sujeito boa-praça, mas azarado, jogador de futebol que perambula por times de várzea sonhando com a primeira divisão. O romance entre Luca e Silvana tem o apoio de Zeca, que encantou-se com Luca a ponto de chamá-lo de pai. Porém, a presença da rica e caprichosa Verônica é uma ameaça constante à felicidade do casal. Enquanto isso, Oliva passa a interessar-se pela fogosa Bina, sempre vigiada de perto pelos filhos.

Globo – 19h
de 23 de julho de 1984
a 2 de fevereiro de 1985
164 capítulos

novela de Carlos Lombardi
argumento e supervisão de texto de Silvio de Abreu
direção de Jorge Fernando e Guel Arraes

Novela anterior no horário
Transas e Caretas

Novela posterior
Um Sonho a Mais

LUCÉLIA SANTOS – Silvana Rocha
MÁRIO GOMES – Luca (Luís Carlos Travatti) / Michele Travatti
MARIA ZILDA – Verônica de Oliva Salgado / Stella
WALMOR CHAGAS – Oliva (Vicente de Oliva Salgado)
GEÓRGIA GOMIDE – Bina (Sabina Travatti)
GIANFRANCESCO GUARNIERI – Jamil Beirute / Genaro
MARIETA SEVERO – Catarina de Oliva Salgado
PAULO BETTI – Marco Aurélio Travatti
ROSAMARIA MURTINHO – Bárbara Heliodora
CRISTINA MULLINS – Léo (Maria Leopoldina Vilela)
KITO JUNQUEIRA – Alfredo Bertazzo
NUNO LEAL MAIA – Mário Bertazzo
CRISTINA PEREIRA – Gabi (Gabriela de Oliva Salgado) / Abigail Medeiros
MARCOS FROTA – Téo (Teófilo de Oliva Salgado) / Super Téo / Cazuza (Epitácio)
PAULO GUARNIERI – Cesco (Francesco Michele Travatti)
ANGELINA MUNIZ – Angelina Travatti
JOHN HERBERT – Celso Vilela
EDUARDO TORNAGHI – Bráulio Vilela
VIC MILITELLO – Theda Bara de Souza
LUIZ FERNANDO GUIMARÃES – Miro (Argemiro Mestieri)
NORMA GERALDY – Maria da Paz
LUÍS CARLOS ARUTIN – Bepe (Giuseppe Ernesto Bertazzo)
MATILDE MASTRANGI – Marilinda Ferreira
NILDO PARENTE – Dr. Rodrigues
CATARINA ABDALLA – Guilhermina
MARINA MIRANDA – Dirce
ÊNIO SANTOS – Péricles

o menino JONAS TORRES – Zeca Pedra (José Carlos Rocha)

e
ADILSON MONTEIRO ALVES como ele mesmo, diretor de futebol do Corinthians, no final
AGUINALDO ROCHA – juiz de paz no casamento de Marco e Bárbara
ALEXANDRE FROTA – jogador do Cabo Frio em um jogo contra o Rubro, se estranha com Luca, no primeiro capítulo
ÂNGELA FIGUEIREDO – Martinha (uma das namoradas de Luca em Araruama, no início)
ÂNGELA TORNATORI – funcionária da fazenda de Marilinda, no final
ANILZA LEONI – Celina (amiga de Bina com quem ela vai escondida à gafieira)
ANTÔNIO PEDRO – Seu Buttiglione (cliente da cantina de Bina)
ARIEL COELHO – louco no hospício onde Oliva é internado pelas filhas
ARTHUR COSTA FILHO – juiz nas audiências de guarda de Zeca
BERTA LORAN – bruxa carcereira no delírio de Catarina em que ela se imagina presa com o pai Oliva
BETH CASTRO
CARLOS AUGUSTO STRAZZER – Ivan (amigo de Verônica, cônsul brasileiro em Palma de Mallorca, no início)
CARLOS GREGÓRIO – Pereira (delegado amigo de Marco, na denúncia contra Oliva por ele ter sequestrado Luca)
CARLOS WILSON – Bedel
CASAGRANDE como ele mesmo, jogando com Luca pelo Corinthians, no último capítulo
CATALINA BONAKI – Dona Cleusa (falsa proprietária da casa alugada por Silvana, mancomunada com Maria da Paz)
CÉSAR AUGUSTO – porteiro no prédio onde moram os irmãos Bráulio e Celso Vilela
CHIQUINHO SCARPA como ele mesmo, na festa de Verônica no Gallery
CHRIS COUTO – filha do Seu Buttiglione, que Luca dá em cima
CINIRA ARRUDA como ela mesma, na festa de Verônica no Gallery
CLÁUDIO GAYA – empregado do restaurante japonês onde Alfredo vai com Verônica e é seguido por Catarina
DANTON JARDIM – namorado de Verônica em Palma de Mallorca, no primeiro capítulo
DARY REIS – juiz no jogo entre o Rubro e o Cabo Frio, que acaba em pancadaria, no início
DAYSE TENÓRIO – chefe de RH com quem Silvana reclama por ter sido demitida, em João Pessoa, no início
ED HEATH – enfermeiro no hospício onde Oliva é internado pelas filhas
EDWIGES GAMA – mulher que reclama com Maria da Paz de um produto que ela vendia na rua
ELIANO MEDEIROS – médico que atende Téo após ele pular da rampa na piscina
ERI JOHNSON – controla a entrada de sócios no clube, é engabelado por Luca
FÁBIO JUNQUEIRA – Juninho (treinador do time de crianças do Corinthians, onde Zeca se inscreve)
FERNANDO CARVALHO – cavalariço
FERNANDO JOSÉ – Marcondes (presidente do Cantareira Esporte Clube)
FRANCISCO SILVA – dono do boteco onde Luca trabalhou antes de seu passe ser comprado pelo Cantareira
GILBERTO MARTINHO – Barbosa (pai de Clotilde, presidente do Rubro Futebol Clube, de Araruama)
GILSON MOURA – superior de Silvana na CPP
GUARACY VALENTE – Assis (jogador do Cantareira)
GUEL ARRAES – Severino (marinheiro impedido por Pedro de revelar a Oliva o que sabe sobre Victor)
HÉLIO RIBEIRO – Zico (um dos quatro irmãos de Marilinda, amigo de Luca)
ÍSIS DE OLIVEIRA – Fernanda Esteves Pinto (socialite amiga de Verônica)
IVAN MESQUITA – delegado que faz a busca por Luca e Silvana, que sequestraram Zeca, no final
JACYRA SILVA – diretora do colégio onde Zeca estuda
JOMBA – Vilar (chefe químico da CPP, com jeito de cientista maluco)
JORGE FERNANDO – Pedro (marinheiro amigo de Victor, em Palma de Mallorca, entrega o seu paradeiro para Verônica)
JOSÉ AUGUSTO BRANCO – Dr. Flávio Barcelos (médico que opera a perna de Luca)
JOSÉ VICTOR OLIVA como ele mesmo, dono da boate Gallery, onde Verônica dá uma festa
JUNINHO FONSECA como ele mesmo, jogador do Corinthians em cenas com Luca
KAKAO BALBINO – popular que palpita para a TV sobre o sequestro de Zeca por Silvana e Luca, no final
LAURO CORONA – Victor de Oliva Salgado (filho de Oliva, pai de Zeca, morre em um acidente de carro em Palma de Mallorca, no início)
LAURO GÓES – Cassiano Gustavo (dirigente do São Paulo F.C., amigo de Verônica para quem ela apresenta Luca)
LEINA KRESPI – Violeta (gerente do Dancing Avenida, onde Silvana vai trabalhar após ser demitida da CPP)
LEONARDO JOSÉ – médico que cuida de Pedro quando ele é atropelado por um carro
LINA FRÓES – Zélia (operária da CPP, amiga de Silvana)
LOURDES MAYER – Dona Ondina (mãe de Marilinda, chega do interior com os filhos para pressionar Cesco a casar com a filha)
LYS BELTRÃO – dançarina do Dancing Avenida
MARCO MIRANDA – delegado que atende uma ocorrência na Vila dos Prazeres
MARCELO IBRAHIM – pago por Catarina para se passar por Luca, para enganar Zeca
MÁRCIA PORTO – modelo no comercial do perfume Vereda Tropical, no início
MARIA ALVES – Dercília (uma namorada de Bepe, no início)
MÁRIO CARDOSO – Cássio (paquera de Verônica com quem ela desabafa sobre Luca)
MÁRIO PETRÁGLIA – segurança que pega Zeca roubando goiaba na propriedade que vigia
MÁRIO LAGO – diretor do colégio interno para onde Oliva manda Zeca
MAURÍCIO MATTAR – rapaz que Catarina assedia, no último capítulo
MAURÍCIO TÁVORA – diretor da Unicamp, expulsa Gabi e Léo da faculdade, no início
MIRA PALHETA – Cleonice Esteves Silva (ex-vizinha de Silvana em Belém, depõe contra ela na audiência da guarda de Zeca)
NEY GALVÃO como ele mesmo, na festa na casa de Oliva, quando Silvana chega e arma uma confusão
NICA BONFIM – mulher do Seu Buttiglione
NÓRIS LISBOA – Eduarda (secretária da diretoria da CPP)
ORION XIMENES – oficial de justiça que entrega uma intimação a Silvana
OSMAR SANTOS como ele mesmo, narrando a estreia de Luca no Corinthians, no último capítulo
OSWALDO LOUREIRO – Viveiros (aspirante a diretor social do Cantareira Esporte Clube)
PAULO BARBOSA (PAULÃO) – Bira (um dos sequestradores de Luca pagos por Oliva)
PAULO CELESTINO FILHO – funcionário da CPP
PAULO FIGUEIREDO – Paulo (dono da boate Lollipop, onde Léo vai pedir emprego de baterista)
PEDRO ROCHA – Pedro (funcionário da cantina de Bina, no início)
REGINA CASÉ – Clotilde (filha de Barbosa, uma das namoradas de Luca em Araruama, o persegue)
RICARDO FRÓES – policial com o delegado em uma ocorrência na Vila dos Prazeres
ROBERTO DINAMITE como ele mesmo, nas lembranças de Luca de quando ele jogou no Vasco da Gama
ROBERTO FAISSAL – Duailibi Petit Zaragoza (assessor de publicidade do Corinthians que Verônica leva para assistir a um jogo do Cantareira)
ROBERTO PIRILO – técnico do Rubro Futebol Clube, time de Luca, no início
RÔMULO ARANTES – professor de natação de Téo
RUBEM DE BEM – motorista de Oliva
SANDRO SOLVIATTI – um dos sequestradores de Luca pagos por Oliva
SERGINHO CHULAPA como ele mesmo, jogador do Corinthians em cenas com Luca
SÉRGIO MOX – oficial de Justiça nas audiências de guarda de Zeca
SIDNEY MARQUES – novo jogador do Rubro que chega a Araruama para substituir Luca, no início
STEPAN NERCESSIAN – Pires (jogador do Rubro amigo de Luca, no início)
TONY VERMONT – locutor de rádio na partida entre o Rubro e Cabo Frio, no início
VICENTE BARCELLOS – rapaz no comercial do perfume Vereda Tropical, no início
VICENTE PEREIRA – diretor do hospício onde Oliva é internado pelas filhas
VICTOR LOPES
ZEZITA MATOS – uma das pessoas que perseguem Maria da Paz, em João Pessoa, após o golpe da loção capilar
Labareda (amiguinho de Zeca)
Marcinha (amiga de Verônica)

– núcleo de SILVANA (Lucélia Santos), ficou órfã cedo, tendo sido criada pela avó. Moça de fibra e personalidade forte, sempre lutou pelo seu sustento. Quando foi abandonada grávida pelo marido, não hesitou em tomar as rédeas de seu destino para prover o melhor que podia para o filho. Chega a São Paulo e vai trabalhar em uma fábrica de perfumes, onde se destaca como líder operária. Por ter sofrido muito na vida, esconde o lado doce e romântico:
o filho ZECA PEDRA (Jonas Torres), garoto esperto, adora futebol. Não conheceu o pai, de quem sabe muito pouco, por isso sente falta de uma imagem paterna
a avó MARIA DA PAZ (Norma Geraldy), interesseira e cambalacheira, sempre se mete em confusões.

– núcleo de OLIVA (Walmor Chagas), rico industrial que veio de baixo e hoje é dono da fábrica de perfumes CPP (Companhia Paulista de Perfumes), onde Silvana emprega-se. O maior patrocinador do Cantareira Esporte Clube, um time da segunda divisão paulista. Homem duro, não mede esforços para conseguir o que quer. Não admite ser contrariado, vivendo em constante atrito com os filhos. Hipocondríaco e tragicômico, tem medo de morrer. Com o desaparecimento do filho, descobre que tem um neto, Zeca, e luta para ter a sua guarda, entrando em conflito com Silvana:
os filhos: CATARINA (Marieta Severo), a mais velha. Seca, orgulhosa e durona, foi abandonada pelo marido e voltou para a casa do pai. Diretora da CPP, não se conforma com a linha de produtos baratos, o perfume Vereda Tropical, o maior sucesso da empresa. Fará de tudo para afastar Zeca de Oliva, já que não quer mais um a dividir a herança da família,
VERÔNICA (Maria Zilda), bela, provocante e sedutora, faz o gênero mulher fatal. Tem consciência da atração que exerce sobre os homens. Perdulária, ama a boa vida que leva, gastando o dinheiro do pai,
VICTOR (Lauro Corona, participação), fugindo da opressão familiar, sumiu no mundo e nunca mais deu notícias por não concordar com o modo de vida do pai rico. Casou-se com Silvana, mas a abandonou grávida por não querer nenhum tipo de compromisso familiar. Morre em um acidente de carro nos primeiros capítulos,
e GABI (Cristina Pereira), a única adotada e, mesmo assim, a mais parecida com o pai. Irreverente e geniosa, não tem papas na língua. É uma estudante brilhante, mas não consegue terminar o curso superior porque é sempre expulsa antes. Ama o pai, mas resiste em submeter-se às suas ordens
o neto TÉO (Marcos Frota), filho de Catarina. Desprezado pelo avô e dominado pela mãe, é um rapaz tímido, tem medo do mundo e nunca se rebela, submetendo-se a tudo. Gago e solitário, não tem amigos e não sabe lidar com as mulheres. É apaixonado por Gabi. Sonha que é um super-herói, o SUPER TÉO, em quem se realiza como a pessoa que gostaria de ser. Em determinado ponto da história, assume outra identidade: CAZUZA, o seu oposto, um tipo alegre, irreverente e hiperativo, que conquista Gabi
o secretário particular MIRO (Luiz Fernando Guimarães), cínico e irônico, um tanto aparvalhado. Incentiva a hipocondria do patrão, divertindo-se com isso. Tem uma queda por Verônica, que faz dele gato e sapato
a empregada GUILHERMINA (Catarina Abdalla), faz tudo o que os patrões ordenam
o médico DR. RODRIGUES (Nildo Parente), que atua no Cantareira. Nada ético, incentiva sua hipocondria com medo de perder o paciente
o advogado PÉRICLES (Ênio Santos), defende seus interesses.

– núcleo de BINA (Geórgia Gomide), viúva bonitona e conservada para a idade, vive sob a vigilância dos filhos, ciumentos dela. A típica mamma italiana: afetuosa, protetora, passional, exagerada, falastrona, de sangue quente. Tenta manter os filhos sob suas asas. Com eles, administra a cantina La Tavola di Michele, na Vila dos Prazeres, aos fundos da fábrica da CPP. Ao longo da trama, envolve-se com Oliva, que se encanta por ela:
os filhos: LUCA (Mário Gomes), o seu favorito. Franco, inquieto, sempre de bem com a vida. Fugiu de casa para jogar futebol, porque o pai não permitia. Tem muitas namoradas e está sempre envolvido em confusões. Jogador fracassado por conta do temperamento explosivo, que o leva a se envolver em brigas nos jogos. Apaixona-se por Silvana, com quem vai viver um romance difícil por causa do gênio dos dois. Ao mesmo tempo, é seduzido por Verônica, que se apaixona de verdade pela primeira vez, disputando-o com Silvana. Desenvolve uma relação fraternal com Zeca, a quem considera um filho,
MARCO (Paulo Betti), o oposto de Luca: sério, calado e um tanto melancólico. Sempre correto, é o único filho que formou-se em faculdade, como advogado. Sente inveja de Luca e não entende como o irmão é o mais querido, já que é certinho demais. Um romântico solitário, apaixona-se por Silvana, mas ela só tem olhos para Luca,
ANGELINA (Angelina Muniz), bela e sensual. Interesseira e ardilosa, sonha casar com alguém que a tire da vida na periferia. Namoradeira, faz-se de comportada para os irmãos e a mãe, que vivem a vigiá-la. Durante o dia, trabalha na CPP e, à noite, ajuda a família na cantina,
e CESCO (Paulo Guarnieri), o caçula. Um tipo esquentadinho e machão. Usa barba para reforçar que já é homem feito e fica incomodado quando zombam por ser baixinho. Trabalha na CPP e na cantina da família. É o que mais controla a mãe e a irmã contra a cobiça masculina, mas derrete-se todo quando vê uma mulher
a agregada MARILINDA (Matilde Mastrangi), que foi morar em sua casa. Moça ingênua, vinda do interior, mal percebe que os homens a desejam. Trabalha na CPP com Angelina, de quem é amiga. É alvo do desejo desmedido de Cesco.

– núcleo de JAMIL (Gianfrancesco Guarnieri), antigo rival de Oliva, que lhe roubou a namorada na juventude e com quem vive às turras, inclusive no conselho do Cantareira Esporte Clube. De origem árabe, é dono da Bagdá Essências, laboratório fornecedor da CPP. Guarda a sete chaves o segredo da fórmula do perfume Vereda Tropical, o maior sucesso da CPP. Oliva sonha em ter a fórmula para livrar-se de seu jugo. Sofre de uma doença grave no coração e, para não ficar internado no hospital, submete-se ao controle rigoroso de uma enfermeira. À noite foge da enfermeira para divertir-se na cantina de Bina, de quem é amigo e confidente, disfarçado do italiano GENARO, músico que toca acordeom no grupo musical que anima os fregueses. Solteirão, apaixona-se por Silvana quando a conhece, tornando-se seu protetor. Morre no decorrer da trama:
a enfermeira THEDA BARA (Vic Militello), que cuida de si como se fosse uma criança, controlando seus horários e vigiando seus passos com disciplina militar. Romântica, a princípio pensa que Jamil a deseja. Acaba envolvida por Miro.

– núcleo de BEPE (Luís Carlos Arutin), vizinho de Bina na Vila dos Prazeres. Italiano viúvo, é um tipo exagerado e tragicômico. Técnico do time de futebol do Cantareira Esporte Clube, é ranzinza e exigente com seus jogadores:
os filhos: MÁRIO, mais conhecido pelo sobrenome, BERTAZZO (Nuno Leal Maia). Jogador do Cantareira, só está no time porque o pai é técnico, pois na realidade já passou da idade para uma carreira. Melhor amigo de Luca. Simples, honesto, meio ingênuo, vive um tórrido romance com Bina escondido dos filhos dela,
e ALFREDO (Kito Junqueira), o oposto do irmão. Para a família, é esforçado, porque tem um diploma universitário de Administração de Empresas. Mas não para em nenhum emprego porque sempre sonha alto. Na verdade, só pensa em se dar bem, nem que para isso passe por cima dos outros. Aproxima-se de Gabi e, depois, de Catarina, visando um futuro promissor na CPP.

– núcleo de VILELA (John Herbert), diretor financeiro da CPP. Ambicioso, alia-se a Catarina para subir mais. Separa-se da mulher, sai de casa e a deixa na miséria. Terá um caso com a interesseira Angelina:
a mulher BÁRBARA (Rosamaria Murtinho), fútil, não trabalha e gosta de aparentar mais do que tem e menos idade. Amiga de Verônica, perdulária como ela. Obsessiva em cuidar do corpo, não se conforma com a falta de vaidade da filha. Custa a aceitar que o marido a abandonou. Na miséria, vai viver na Vila dos Prazeres, onde conhece Marco, por quem se apaixona. Os dois se casam, mas logo ela morre em um desastre aéreo
a filha LÉO (Cristina Mullins), amiga de Gabi, sofre com a falta de atenção dos pais. Tímida e carente, se acha feia, e se defende sendo brigona com todos. Ansiosa, come compulsivamente sempre que tem de enfrentar algum problema. É criticada pela mãe, que insiste que ela faça regime. Interessa-se por Cesco, que a rejeita por ela ser gorda. Ao longo da trama, apaixona-se por Marco, que casou-se com sua mãe, emagrece e passa por uma transformação, tonando-se uma bela mulher, firme e decidida
o irmão BRÁULIO (Eduardo Tornaghi), centroavante do Cantareira. Vaidoso, metido a conquistador. Vive batendo de frente com Luca, a quem tenta sabotar. Foi namorado de Gabi, deu em cima de Verônica e passa a namorar Angelina, que faz jogo duplo, namorando os dois irmãos ao mesmo tempo
a empregada DIRCE (Marina Miranda), displicente e reclamona. Não larga a patroa, na esperança de receber os salários atrasados.

Primeira novela solo de Carlos Lombardi na Globo, que a escreveu com a supervisão de Silvio de Abreu, de quem havia sido colaborador em Jogo da Vida (1981-1982) e Guerra dos Sexos (1983).

Sobre a parceria, Lombardi narrou ao livro “Autores, Histórias da Teledramaturgia”, do Projeto Memória Globo:
“Falei que não aguentaria fazer uma novela sozinho e estabelecemos que o Silvio de Abreu seria meu supervisor. Eu não estava pronto para encarar uma novela sozinho, de maneira nenhuma. (…) O trabalho de supervisão do Silvio era diário. Primeiro, ele botou ordem na minha sinopse. Disse o que era bom e o que era ruim, além de indicar possibilidades para os personagens. Foi um trabalho didático.”

Movimentada e divertida comédia dentro da linha anárquica apresentada em Guerra dos Sexos, dos mesmos autores e diretores (Jorge Fernando e Guel Arraes), exibida no ano anterior (1983).

Um palco criando um universo único – a cantina de Bina (Geórgia Gomide), La Tavola di Michele, movimentando a fictícia Vila dos Prazeres, nos fundos da fábrica de perfumes CPP -, que propiciou hilariantes entrechos cômicos. (“Memória da Telenovela Brasileira”, Ismael Fernandes)

Melhor momento na carreira de Mário Gomes, excelente como o jogador Luca, um tipo carismático, esquentado e afetuoso – com resquícios de seu trabalho anterior, o Nando de Guerra dos Sexos, mas agora como protagonista. Aproveitando sua cancha de cantor, Mário Gomes gravou a música “O Dono da Bola”, que entrou para a trilha da novela, tema de seu personagem. Não foi a primeira vez: em 1976, o ator gravou “Chiclete e Cabochard” para seu personagem Dino César, um aspirante a cantor, na novela Duas Vidas, de Janete Clair.

Grande destaque para as atrizes Lucélia Santos, Maria Zilda e Geórgia Gomide, irrepreensíveis como a batalhadora e politizada Silvana, a sensual e provocante Verônica e a mamma Bina, respectivamente.

Foi a estreia de Geórgia Gomide na Globo. A atriz contava que Silvio de Abreu, quando ligou convidando-a para o papel, perguntou se ela ainda tinha “aquelas belas pernas”, pois precisava de uma mulher madura e sensual para viver uma mamma italiana divertida, esquentada e passional, mas com um quê de Sophia Loren.

Ganhou destaque também o então garoto (e estreante) Jonas Torres (enteado do ator Fábio Junqueira, que, por sua vez, fez uma participação na novela). Com 9 anos quando Vereda Tropical estreou, Jonas fez tanto sucesso que após a novela foi escolhido para viver o garoto Bacana na série Armação Ilimitada.

Outro personagem marcante foi Téo, vivido por Marcos Frota, um rapaz tímido, gago e reprimido pela mãe dominadora e pelo avô opressor. Téo extravasava em seus devaneios, imaginando-se um super-herói de histórias em quadrinhos, o Super Téo, com roupa característica e superpoderes, como voar. Fez sucesso entre o público infantil.
Em determinado momento da história, Téo incorpora uma nova personalidade: Cazuza, o seu oposto, um tipo irreverente, hiperativo e divertido, embalado pela música “Maior Abandonado”, do Barão Vermelho – cujo vocalista era o cantor homônimo, uma homenagem dos autores e diretores da novela a Cazuza.

A Censura Federal implicou com a novela e, três dias antes da estreia, uma sexta-feira à noite, Vereda Tropical foi proibida de ir ao ar sob a alegação de que não era apropriada para o horário das 19 horas. Os censores haviam indicado 32 cortes no primeiro capítulo. Na segunda-feira pela manhã (dia da estreia, 23/07/1984), Silvio de Abreu e Carlos Lombardi, acompanhados por dois representantes da TV Globo, desembarcaram em Brasília para conversar com os censores. Após muita negociação, a novela foi liberada. (Site Memória Globo)

No último capítulo, o jogador de futebol Luca (Mário Gomes), finalmente contratado pelo Corinthians, estreia no lotado estádio do Morumbi, em São Paulo. A gravação foi um acontecimento memorável: o personagem chegou de helicóptero ao gramado antes do jogo (real) em que o Corinthians enfrentava o Vasco da Gama. Quando o centroavante Serginho marcou o seu segundo gol, o ator Mário Gomes invadiu o campo vestindo o uniforme do clube e comemorou abraçando o atacante. O juiz da partida, José Assis de Aragão, diante do fato inesperado, teve um momento de indecisão, mas expulsou o ator do gramado. O caso irritou os dirigentes da Confederação Brasileira dos Árbitros, que suspeitaram que o juiz houvesse favorecido a entrada do ator. A Rede Globo inocentou Aragão, declarando que tudo havia sido improvisado.
A partida entre Corinthians e Vasco, valendo pelo Campeonato Brasileiro, que abrigou as gravações, aconteceu em 27/01/1985 (domingo), e as cenas foram exibidas na sexta-feira, dia 1º de fevereiro, da mesma semana. Na gravação, Luca fez um gol, que teve a narração de Osmar Santos. O jogo real terminou empatado em 2×2 e os 40 mil torcedores protestaram contra o mau desempenho de seus jogadores pedindo a entrada em campo de Mário Gomes, gritando “Luca! Luca! Luca!”.

Vereda Tropical contou a participação de vários craques do futebol daquele tempo, como Serginho Chulapa, Roberto Dinamite, Casagrande, Juninho Fonseca e outros.

Silvio de Abreu, como de hábito em sua obra, cita outras novelas e personagens de sua autoria, ou referencia obras de colegas. Em Vereda Tropical, quando Jamil (Gianfrancesco Guarnieri) cogita com Theda Bara (Vic Militello) sobre a identidade do homem misterioso que lhe manda cartas de amor, ela questiona-se se será o açougueiro ou o verdureiro. No meio da conversa, eles lembram-se de falar no padeiro, o Seu Vieira (personagem de Gianfrancesco em Jogo da Vida). Jamil pergunta então a Theda como vai a mulher de Vieira e ela responde que Jordana mudou de nome, agora se chama Roberta e é casada com um barbudo que tem idade para ser filho dela. No caso, Jordana era Glória Menezes em Jogo da Vida, e Roberta, a própria Glória na novela seguinte de Silvio, Guerra dos Sexos. O barbudo em questão era Nando, personagem de Mário Gomes em Guerra dos Sexos.

Primeira novela na Globo de Geórgia Gomide.
Estreia em novelas de Jonas Torres, Luiz Fernando Guimarães, Regina Casé e Catarina Abdalla.
Primeira aparição na televisão de Alexandre Frota (em uma participação no primeiro capítulo) e de Maurício Mattar (em uma participação no último capítulo).
Primeira das duas únicas novelas de Matilde Mastrangi, mais conhecida na época como atriz das pornochanchadas do cinema nacional (a outra novela foi Cortina de Vidro, no SBT, em 1989).

Paulo Betti, para atuar em Vereda Tropical – como Marco, um personagem de destaque na trama – deixou, antes do fim, a novela anterior no horário das sete, Transas e Caretas.

A trama era ambientada em São Paulo, com gravações em vários pontos da capital paulista. No início da novela, a produção deslocou-se também para as cidades de Belém, no Pará, João Pessoa, na Paraíba, e Palma de Mallorca, em Mallorca, ilha espanhola no Mar Mediterrâneo.

Na trama da novela, o personagem Oliva (Walmor Chagas) era dono da CPP, uma fábrica de perfumes, cujo carro-chefe era o popular “Vereda Tropical” (que dava nome à novela). O perfume da trama saltou da ficção para a realidade: o fabricante Davene lançou no mercado o perfume “Vereda Tropical”, com sucesso entre o público feminino.

O título da novela foi tirado da música – um bolero composto em 1936 pelo mexicano Gonzalo Curiel – gravada por Ney Matogrosso especialmente para a produção. (“Teletema, a História da Música Popular Através da Teledramaturgia Brasileira”, Guilherme Bryan e Vincent Villari)

A música “De Repente” – creditada no disco da novela pelo seu subtítulo “Fazer Neném” – foi censurada pelo Governo Federal, de acordo com o informado na capa do LP nacional – “Radiodifusão e execução pública proibidas em virtude da música ter sido vetada pelo Departamento de Diversões Públicas” – por causa do verso “Fazer aquilo tudo e até neném”.
Guilherme Arantes, o compositor e intérprete, desabafou a Guilherme Bryan e Vincent Villari, para o livro “Teletema, a História da Música Popular Através da Teledramaturgia Brasileira”:
“Uma bobagem, porque eu estava tendo filhos e fiz aquilo para minha mulher. Mas é que tinha, vamos dizer, sons de sexo explícito dentro da música. Ela era provocativa.”

As ilustrações da animação da abertura eram da artista gráfica Sylvia Trenker, que foi mulher do designer Hans Donner. Trenker já havia desenhado várias vinhetas para a Globo, como as de carnaval e do TV Mulher, e o famoso logotipo da novela Locomotivas, em 1977.

Vereda Tropical levou vários prêmios da APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) pela edição de 1984: melhor novela, revelação masculina (Marcos Frota), texto (Carlos Lombardi e Silvio de Abreu), diretor (Jorge Fernando – juntamente com Walter Avancini, pela minissérie Rabo de Saia), ator (Nuno Leal Maia – juntamente com Ney Latorraca, por Rabo de Saia, e Ary Fontoura, por Amor com Amor se Paga) e atriz (Geórgia Gomide e Marieta Severo – juntamente com Débora Duarte, por Corpo a Corpo, Mírian Pires, por Meus Filhos, Minha Vida, Lucinha Lins, por Rabo de Saia, e Nathalia Timberg, pela minissérie Santa Marta Fabril).
Também foi premiada com o Troféu Imprensa de melhor novela de 1984. Geórgia Gomide levou o prêmio de melhor atriz.

A novela nada tem a ver com o famoso curta-metragem homônimo, de Joaquim Pedro de Andrade, de 1977, baseado no conto de Pedro Maia Soares – em que o personagem de Cláudio Cavalcanti é apaixonado por uma melancia (!).

Vereda Tropical foi reapresentada no Vale a Pena Ver de Novo, de 27/04 a 23/10/1987.
E disponibilizada no Globoplay (plataforma streaming do Grupo Globo) em 13/09/2021 – a versão internacional, em 115 capítulos de 50 minutos.

Trilha Sonora Nacional

01. NEM O POBRE NEM O REI – Gonzaguinha (tema de Silvana e tema de Marco)
02. FULLGÁS – Marina
03. UM DUETO – Francis Hime e Gal Costa
04. DE REPENTE (FAZER NENEM) – Guilherme Arantes
05. DEIXA EU TE AMAR – Agepê (tema de Bertazzo)
06. LUA MY LOVE – Eduardo Dussek (tema de Catarina)
07. VEREDA TROPICAL – Ney Matogrosso (tema de abertura)
08. CERTAS COISAS – Lulu Santos (tema de Marco)
09. SILVANA – Zizi Possi (tema de Silvana)
10. DIA A DIA – Moraes Moreira (tema geral)
11. MARILYN FOREVER – Naila Skorpio (tema de Verônica)
12. O DONO DA BOLA – Mário Gomes (tema de Luca)
13. SÃO PAULO, SÃO PAULO – Premeditando o Breque (tema de locação: cidade de São Paulo)
14. QUE BONITO É (NA CADÊNCIA DO SAMBA) – Poucas & Boas (tema do Cantareira Esporte Clube)

Trilha Sonora Internacional

01. STUCK ON YOU – Lionel Ritchie (tema de Silvana e Luca)
02. WHEN DOVES CRY – Prince & The Revolution
03. MY GIRL – Lillo Thomas
04. IN MY TIME – Teddy Pendergrass
05. I’M LIVING MY OWN LIFE – Earlene Bentley
06. SLEEP WITH ME TONIGHT – Neil Diamond (tema de Verônica e Luca)
07. IO CHE AMO SOLO TE – Sergio Endrigo (tema de Silvana e Luca)
08. LOVE SONGS ARE BACK AGAIN (LET´S PUT IT ALL TOGHETER, BETCHA BY GOLLY, WOW!, YOU MAKE ME FEEL BRAND NEW, OH GIRL!, HAVE YOU SEEN HER, REUNITED, WALKIN´ IN THE RAIN) – Band of Gold
09. HERE, THERE AND EVERYWHERE – Billy Preston
10. YOU’RE THE ONE – Beau Williams (tema de Marco e Léo)
11. LOVE IS LIKE A LIGHT – Frank Stallone
12. YOU’RE MY SUNSHINE – Mtume
13. ALL OF YOU – Destiny (tema de Bárbara e Marco)
14. BALLIAMO – Mimmo Di Francia (tema de Bina)

Ainda
AL DI LÁ – Max Steiner (tema de Bina)
DIO COME TI AMO – Gigliola Cinquetti (quando Bina se entende com Oliva, no último capítulo)
EBONY EYES – Rick James (no restaurante onde estão Léo e Cesco)
GIRLS JUST WANT TO HAVE FUN – Cyndi Lauper (na boate Lollipop, quando Léo vai pedir emprego de baterista)
GIVE IT UP – KC & The Sunshine Band (na danceteria Radar Tan Tan, quando Verônica flagra Catarina com o Dr. Rodrigues)
GHOSTBUSTERS – Ray Parker Jr. (no ensaio fotográfico de Léo)
LA DOLCE VITA – The Italian Light Orchestra (tema geral)
LO SCEICCO BIANCO – Nino Rota (tema geral)
MAIOR ABANDONADO – Barão Vermelho (tema de Cazuza)
MIDDLE OF THE ROAD – The Pretenders (na danceteria onde estão Gabi e Cazuza)
MISSION: IMPOSSIBLE THEME – Lalo Schifrin (quando Marco recupera a guarda de Zeca para Oliva)
NEW YORK NEW YORK – Nina Hagen (tema de Verônica)
PEPPERLAND – George Martin (quando Luca reencontra Silvana e Zeca em Belém, no último capítulo)
ROCKIT – Herbie Hancock (na danceteria Radar Tan Tan, quando Verônica flagra Catarina com o Dr. Rodrigues)
STAYING ALIVE – Bee Gees (na danceteria onde estão Gabi, Léo, Cesco e Cazuza)
SUPERMAN MAIN THEME – John Williams (tema do Super Téo)
TEMPEST FANTASIA – Stomu Yamashta (tema de suspense)
THE GODFATHER THEME SONG (SPEAK SOFTLY, LOVE) – David Davidson (tema de Oliva)
THE RAIDERS MARCH (INDIANA JONES THEME) – John Williams (tema de ação)

Direção de sonoplastia: Antônio Faya
Sonoplastia: Jenny Tausz
Supervisão de repertório: Francisco Santos Jr.
Supervisão musical na trilha internacional: Sérgio Motta
Direção de produção: Guto Graça Mello

Tema de Abertura: VEREDA TROPICAL – Ney Matogrosso

Voy por la vereda tropical
La noche plena de quietud
Con su perfume de humedad

En la briza que viene del mar
Si oye el rumor de una canción
Canción de amor y de piedad

Con ella fui noche por noche
Hasta el mar
Para besar su boca fresca de amor

Y me juró quererme más y más
Sin olvidar jamás
Aquellas noches junto al mar

Hoy solo me queda recordar
Mis ojos muerem de llorar
Y el alma muere de esperar

Porque se fué
Tu le dejaste ir
Vereda tropical
Hasta volver a mi

Quiero besar tu boca
Otra vez junto al mar
Vereda tropical…

Veja também

  • jogodavida

Jogo da Vida

  • elasporelas_logo2

Elas por Elas

  • guerra83_logo

Guerra dos Sexos (1983)

  • bebeabordo

Bebê a Bordo