Sinopse

Em Barão da Serra, uma pequena cidade do interior, vive um garçom, rapaz com muita imaginação, que se apaixona por Flor, filha de um senador, ao vê-la numa fotografia. Em seus sonhos, passa a namorá-la.

Um dia, o senador e sua filha, chegam de visita à cidadezinha.

Tupi – 18h15
de 1º de abril a junho de 1968

novela de Sylvan Paezzo
direção de Antônio Abujamra

JUCA DE OLIVEIRA
DÉBORA DUARTE – Flor
ELÍSIO DE ALBUQUERQUE
NORAH FONTES
XISTO GUZZI
OLÍVIA CAMARGO
MARIA CÉLIA CAMARGO
A trama da novela se desenvolve em dois planos: um real e outro imaginário, que se misturam na vida do protagonista.

O Homem que Sonhava Colorido foi a segunda das quatro telenovelas que compunham o projeto As Quatro Estações do Amor, uma estratégia de marketing lançada por J. Silvestre ao assumir a superintendência da TV Tupi. O propósito maior era levar novelas leves, românticas, sem os dramalhões piegas e superados, em uma nova faixa de horário, ainda inexplorada pelas novelas. Todas as tramas tinham o amor como ponto comum, visto sob ângulos diferentes.

Eram apresentadas quatro novelas, na sequência, das 17h45 (com Os Amores Bob) às 19h45.
As demais novelas eram: O Homem Que Sonhava Colorido – às 18h15, O Rouxinol da Galiléia – às 18h45, e O Coração Não Envelhece – às 19h15.

Como estratégia de divulgação, a Tupi preparou um série de festividades para a estreia das quatro novelas. A festa começou no sábado anterior à estreia, dia 30/03/1968, às 11 horas, e se estendeu até a segunda-feira, dia 01/04, às 17h45, quando estreou a primeira delas, Os Amores Bob, contando até com queima de fogos de artifício na sede da emissora, no Sumaré.
Shows foram apresentados em diversos pontos de São Paulo, com artistas da Tupi. Em minipalcos foram distribuídos cupons numerados para sorteio, que valeram dezenas de prêmios, o maior dos quais, um carro zero quilômetro. Todos os programas da Tupi deste período giraram em torno dos temas das novelas.

Veja também

  • amorsemdeus

Amor Sem Deus

  • 4estacoesdoamor

Os Amores de Bob

  • 4estacoesdoamor

O Rouxinol da Galiléia